Histórias de um Carreteiro

por Blog do Caminhoneiro

Roberto Dias Alvares é o novo colunista do Blog do Caminhoneiro, e vai nos presentear com seus ótimos versos, escritos sobre o asfalto, com muito amor pela estrada. Leia mais abaixo:

MB AVA03

A velha carreta corta a noite fria;
puxando, imponente seu reboque.
Seus vinte dois pneus sobre a rodovia.
Leva combustível, um grande estoque.

Mercedes Benz LPS, este caminhão-trator.
Seus três eixos sustenta-o sobre o asfalto.
Potência de trezentos cavalos no motor.
Dois escapamentos apontando para o alto.

Serpenteando pela estrada,
segue ligeira a velha jamanta.
Levando sua carga pesada.
Sua passagem, aos pássaros espanta.

O experiente motorista,
sua carreta vai conduzindo.
Seguindo firme pela pista,
Em um contínuo indo e vindo.

Seu cavalo mecânico trucado
chama a atenção por onde passa.
Levando carga pra todo lado.
Não importa o tempo que faça.

O seu sonho de menino
tornou-se enfim realidade.
Antes o caminhão era pequenino
agora ele é de verdade.

Entrega sua pesada carga,
para novamente carregar.
Sua vida, doce, ás vezes amarga.
Não pode pensar em parar.

Tempo chuvoso ou ensolarado.
Cerração, frio ou calor.
Puxando seu reboque carregado.
Confiando na força do motor.

Subindo ou descendo serra,
vai o valente carreteiro.
Asfalto ou estrada de terra.
Segue rodando o Brasil inteiro.

Dia claro, noite escura,
qualquer carga ele transporta.
Guiando de maneira segura.
Chegar ao destino, o que importa.

Quando a saudade aperta,
para casa correndo, vai.
Seguindo a direção certa.
Volta, pra ser marido e pai.

A noite fria e o vento cortante,
o caminhoneiro muda a marcha e acelera.
O motor responde num instante.
Corre para os braços de quem o espera.

A música romântica tocando.
Vinte dois pneus cantam no asfalto.
Corre ao encontro de alguém, esperando.
A paixão pela amada fala mais alto.

Cavalgando seu cavalo de aço,
o caminho certo trilha.
Chega em casa, une-se num abraço:
Ele, a mulher e a filha.

Leva a família passear,
a bordo do seu caminhão.
Sem destino sai por aí a rodar,
Rodando na cidade e no sertão.

Após ficar com a família,
chega a hora esperada.
O coração aperta, mas o olhar brilha,
atendendo o chamado da estrada.

Novos caminhões e seus caminhoneiros
abrem passagem ao velho caminhão.
Reverenciam o antigo estradeiro,
transportando o progresso da nação.

Muda a marcha e acelera,
pra fazer a ultrapassagem,
a família está longe a sua espera,
mas é preciso seguir viagem.

Na estrada os caminhoneiros,
se ajudam e se dão apoio.
Todos são amigos, companheiros.
Andando só ou em comboio.

Chega à noite, liga o farol.
A música mistura-se ao barulho do motor.
Dirige até o nascer do sol.
Fazendo o transporte seja pra onde for.

Dá uma olhada no retrovisor,
Na sua traseira um grande bi trem.
Acelera e dá mais força ao motor.
Faz seu caminhão chegar até cem.

Poema de Roberto Dias Alvares

COMENTAR

QUER ENTRAR EM CONTATO COM O BLOG DO CAMINHONEIRO? ENVIE UMA MENSAGEM CLICANDO NO NÚMERO ABAIXO

042-3532-4235

7 comentários

robertosantista 12/03/2014 - 12:50

Oseas, apesar de não ter realizado meu sonho de ser caminhoneiro, procuro vivê-lo na minha imaginação e passar isso para o papel. Leia as próximas histórias que escrevi e que estão postadas e sonhe comigo aventuras dirigindo verdadeiros ícones do asfalto, como Mercedes LPS, GMC, Scania Vabis e os Volvos NH.
Seu comentário e até idéias para obras futuras são sempre bem-vindas e importantes.
Grande abraço.

Reply
robertosantista 12/03/2014 - 12:47

Paulo, obrigado pelos elogios. Convido você a ler as próximas obras que estão postadas. Procurei imaginar as dificuldades e alegrias além das aventuras que os caminhoneiros vivem. Procurei ainda usar caminhões antigos nas minhas histórias até pela dificuldade ser maior. Hoje os caminhões são totalmente automáticos o que claro não diminui o valor dos caminhoneiros, mas os brutos de antigamente ofereciam maiores dificuldades de dirigir e o romantismo do passado na estrada era maior. Grande abraço.

Reply
Paulo Celio Proença 06/03/2014 - 22:30

Parabéns pelo poema Roberto, conta muito da vida do estradeiro, suas alegrias e tristezas.

Reply
oseas cavalcante mota 06/03/2014 - 15:59

ja não se faz amigos ,mesmo nesta situação hoje tenho aniversariando 17 março ,nao realiazei meu sonho de estrada ,

Reply
robertosantista 05/03/2014 - 09:21

Em breve, será postada a continuação desta obra. E já tenho várias outras histórias da estrada escritas que enviarei para postáveis com uma frequência de pelo menos uma por mês. Peço a quem gostar deixar comentários.
Grande abraço

Reply
robertosantista 24/02/2014 - 21:19

Julio César, obrigado pelo seu comentário. Infelizmente, nunca fui caminhoneiro, mas as histórias contadas por meu primo e por amigos caminhoneiros inspiram-me em escrever sobre estes heróis do asfalto. Tenha certeza, vem muito mais por aí.
Deixe seu relato sobre aventuras que você vivências. Quem sabe não me serve de inspiração para escrever uma História da Estrada.
Grande abraço

Reply
julio Cesar 24/02/2014 - 18:06

Muito lindo esse Poema, me dá uma saudades inexplicável, qdo era um carreteiro rumo ao norte do País na década de 80.

Reply

Deixe sua opinião sobre o assunto!