International Caminhões permanecerá no Brasil

por Blog do Caminhoneiro

Depois de ter o nome da página no Facebook alterada de International Caminhões para MWM Motores Diesel Caminhões, rumores de que a marca deixaria o Brasil começaram a circular. Entramos em contato com a assessoria da empresa, que negou a história, e afirmou que foi apenas um erro de estratégia da empresa que administra a página da empresa na rede social.

A International Caminhões está com a produção paralisada desde 2015, devido à baixa nas vendas de caminhões no Brasil. Porém, na nota em que informou que pausaria as atividades, também foi informado que a empresa tem intenção de retomar a produção no país.

A interrupção aconteceu depois da empresa mudar sua unidade de fabricação de Caxias do Sul-RS, onde os caminhões eram montados em parceria com a Agrale, para sua nova fábrica, em Canoas, também no Rio Grande do Sul.

A International reiniciou a venda de caminhões no Brasil em 2011. A empresa já havia feito uma incursão ao Brasil em 1997, onde iniciou a produção e venda dos caminhões da série 4000. Em 1999 a marca apresentou o 9200, caminhão pesado com uma ampla cabine leito, com estilo americano. Era um cavalo-mecânico 6×2 ou 6×4, com 45 t de PBT, cabine-leito de alumínio com suspensão pneumática e defletor no teto, ar condicionado de série e computador de bordo, chassi construído em aço temperado, reduzindo em duas toneladas o peso do conjunto, sem perda de resistência, e motor eletrônico Cummins turbo de seis cilindros com aftercooler, 10,8 l e 380 cv.

No ano 2000 era apresentado o 9800 6×4, com cabine frontal, e peso bruto de até 57 toneladas, motor Cummins de 10,8 litros e 405 cv de potência. Além da produção no Brasil, o modelo era exportado para países como África do Sul, Austrália e Nova Zelândia, e inclusive saia da fábrica com volante do lado direito.

Em 2002 a empresa encerrava a venda de caminhões no Brasil, devido à vários fatores, inclusive uma crise na venda de caminhões nos Estados Unidos, e também ao baixo número de vendas no Brasil. Nos anos de 1998 a 2002, pouco mais de 3 mil caminhões foram produzidos, um número muito baixo, se comparado com as expectativas da empresa no país.

As vendas internas foram encerradas, mas não a produção, embora agora restrita aos modelos pesados. A partir daí a empresa operaria apenas para o mercado externo, mesmo porque havia que cumprir um contrato de fornecimento de mil conjuntos CKD do 9800 para a África do Sul.

Exatamente um ano depois, em outubro de 2003, a Navistar apresentou à imprensa os resultados de sua nova política: 1.204 caminhões fabricados nos últimos doze meses – um recorde, na sua curta história. A empresa aproveitou a oportunidade para lançar o 9800i, o mesmo 9800 com cabine reestilizada, alguns melhoramentos técnicos e de conforto e três opções de motor, todos Cummins eletrônicos: de 380 ou 405 cv, para a América Latina, e 475 cv, com direção à direita, para a África do Sul e Nova Zelândia. Em 2008, ao completar dez anos de operação, a linha de montagem gaúcha da Navistar já havia montado em torno de 12.500 caminhões.

Em 2013, depois da inauguração de sua nova fábrica no Brasil, a International previa produzir até 5 mil caminhões por ano. Foram produzidos os modelos 9800i, 6×2 e 6×4, com câmbio manual e automatizado, e também o DuraStar 4700, em versões 4×2, 6×2 e 6×4. Em 2014 foram produzidos apenas 954 caminhões pela montadora no Brasil. E em 2015, paralisou as atividades até a retomada da economia.

Blog do Caminhoneiro

COMENTAR

QUER ENTRAR EM CONTATO COM O BLOG DO CAMINHONEIRO? ENVIE UMA MENSAGEM CLICANDO NO NÚMERO ABAIXO

042-3532-4235

14 comentários
0

Artigos relacionados

14 comentários

Zé Cueca 05/01/2019 - 20:14

Uma pena, os caminhões International são além de bonitos tem uma cabine que dá “banho” em muitos outros e o preço era bastante competitivo!
A cabine do Navistar parecia mais um palacete que uma cabine de caminhão e ainda faz muito sucesso, ver um desses rodando dá gosto apreciar a beleza e o conforto. Espero que realmente sejam retomada a fabricação para o nosso mercado!

Reply
Mario Pontes 03/12/2017 - 01:06

este caminhao e um monstro, muito bom, e caminhao pra concorrer de igual pra igual com volvo e scania, e ate passa-los, apenas esta sendo mal entendida ou mal administrada, porque os caminhoes da international sao excelentes. vivo aqui e conheco muito bem estes caminhoes.

Reply
Paulo Custódio 28/10/2017 - 17:30

Realmente é um bom caminhão tenho um 2001 9800 4×2, já vai pra 11 anos e o caminhão é de baixo custo por não ser quebrador e ser econômico. Más caso ela volte deixo aqui minha humilde sugestão para que a Navistar melhore a suspensão da cabine pois aqui no Brasil as estradas são inferiores as estradas Americanas. E que ela venha fazer um enquete entre os motoristas brasileiros para que sejam de acordo com o gosto dos brasileiros com alguns mudanças e ajustes ele ficara melhor, e sendo assim com a opinião do motorista com certeza será melhor no mercado e por consequência venderá mais também……

Reply
JOSÉ ALVES 30/08/2017 - 11:11

O QUE FALTA AGORA NO BRASIL E A MONTADORA DOS MOTORES CUMINS ASSUMIR A VENDA DE PEÇAS DOS MOTORES SERIE ISM NUM PREÇO JUSTO POIS FICAMOS COM ESTE CAMINHÃO SEM MANUTENÇÃO SEM REPOSIÇÃO DE PEÇAS QUANDO ACHAMOS ESTA NAS POUCAS LOJAS QUE AINDA RESTOU QUE COBRA UM PREÇO ABSURDO POR QUALQUER PEÇA DE REPOSIÇÃO DESTE MOTOR.

Reply
Marcelo Conte de Souza 12/06/2017 - 13:27

Infelizmente uns “mercenários”… Mau gerenciamento das concessionárias, controle de qualidade que deixa à desejar…soma-se isso ao crescimento pífio e ??? Voalá, uma debandada homérica como feito anteriormente…Dêem uma boa olhada nos International dos nossos Hermanos aqui do Mercosul e vai perceber que a marca é boa, ruim é quem tomou pra si a responsabilidade de viabilizar o projeto por aqui…
Abraços

Reply
Jose Antonio Nogueira 23/02/2017 - 00:52

PIADA.MAIS UMA VEZ.E AI O BRASILEIRO FICA CHUPANDO O DEDO NOVAMENTE!

Reply
Fernando Rocha de Miranda Pereira 15/01/2019 - 07:31

A International mais uma vez sai do Brasil deixando os consumidores na mão.

Reply
João Jorge Almerindo Jorge Almerindo 23/02/2017 - 00:44

Estou com 60 anos ja presenciei esta sena de vir para o brasil e abandonar os clientes ainda guando era criança como falei é só um cachorro fazer chichi no pneu eles se manda embora, como cofiar na internacional, apesar de ser apaixonado pela marca.

Reply
Jonas Kazanowski 22/02/2017 - 23:14

É só liberar uma graninha eles mudam de cidade novo

Reply
Jose Luis Freitas 22/02/2017 - 21:24

Já fugiram do Brasil faz tempo!!!!!

Reply
Ernesto de Oliveira 22/02/2017 - 16:47

Boa tarde!
Gostei de saber que a International Caminhões permanecerá no Brasil e ,como proprietário de 02(dois) NAVISTAR/INTERNATIONAL9800, 6X4,2000/2001, estou “torcendo”para que a produção dos modelos 9800i, 6×2 e 6×4, com câmbio manual e automatizado, voltem a ser produzidos para o mercado interno. Gosto da marca International , que é a marca mais antiga de caminhes dos EUA e,certamente o modelo 9800i já foi testado e aprimorado lá nos EUA .
Nos EUA tem dado certo e no Brasil vai dar certo também! Precisamos retomar o crescimento econômico, dar emprego aos metalúrgicos brasileiros e renovar nossa frota de caminhões.
Como proprietário de dois cavalos mecânicos , tomo a liberdade de sugerir ao fabricante e revendedores que flexibilizem a troca por um modelo mais novo para aqueles que tem o modelo antigo, aceitando o antigo como parte do pagamento. Lembrem-se de que nós ( os proprietários dos modelos antigos) é que fazemos a propaganda positiva do produto para aqueles que não conhecem o excelente caminhão 9800i, 6×4.

Reply
Zé Cueca 23/02/2017 - 14:02

Caro Ernesto, eu também penso ser um bom caminhão, porém a marca fez como outros que vieram ao Brasil como os FIATs 190, 210; GMC; FORD motores GM “babadores”; Hovo Sinotruk e, agora a van Transit da FORD. Na verdade esses fabricantes não tiveram competência para inserir seus produtos no mercado e em alguns casos a qualidade ruim dos veiculos
A cabine do International é um exemplo de ergonomia e bom gosto e ainda pode contar com material de difícil oxidação que é o alumínio. Porém confiar nessas montadoras é muito difícil, pois compramos caminhão caro e depois com a paralelização da produção ou fuga do Brasil ficamos com o ônus da desvalorização e falta de peças de reposição. Deveria ter uma lei para obrigatoriedade de fornecimento de peças de reposição por pelo menos 10 anos de todo e qualquer bem durável, somente assim seria possível prevenir o prejuízo! Penso que se a International Caminhões voltar a produzir no Brasil, será ainda mais complicado e difícil convencer o consumidor.

Reply
Ernesto de Oliveira 23/02/2017 - 17:24

Obrigado pelo seu comentário em resposta ao meu comentário. Caso a International Caminhões volte a produzir para o mercado interno, espero conseguir trocar meu dois 9800,6×4,2000/2001 por dois 9800i,6×4,automáticos 2017. Esta marca de caminhão produz até para o exército dos EUA. Se não fosse boa,o exército americano não utilizaria para transporte de suas tropas.

Reply
João Jorge Almerindo Jorge Almerindo 22/02/2017 - 18:19

A internacional não se firma no brasil por este motivo se o cachorro mija no pneu ele para e foge do brasil e os proprirtários do caminhão ficam com a desvalorisação é assim desde muito tempo

Reply

Deixe sua opinião sobre o assunto!