Tabelamento mínimo de frete gera divergências entre caminhoneiros e produtores

por Blog do Caminhoneiro

O projeto de lei 528/15, que estabelece a Política de Preços Mínimos de Fretes, pauta pedida à exaustão por caminhoneiros em greves e reuniões com o governo já foi aprovada na Comissão de Viação e Transportes da Câmara dos Deputados, e deve seguir para votação na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania, para depois ir para votação em plenário.

Porém entidades representativas de produtores, embarcadores e empresas de logística vão enviar uma carta ao Ministro da Agricultura, Blairo Maggi, para que ele dê parecer contrário ao projeto.

De acordo com essa carta, o valor do frete deve ser definido pelas práticas normais do mercado, sem interferência do governo. Se tem muito caminhão e pouco frete, o valor cai. Se tiver pouco caminhão e muito frete, o valor deve subir. Ainda de acordo com o documento, apenas uma tabela de referência seria suficiente.

Para os caminhoneiros a realidade é outra. O valor do frete está defasado em cerca de 30%, enquanto o valor dos insumos, como diesel e pneus, não param de subir. Os deputados favoráveis ao projeto entendem que os valores de frete praticados hoje são predatórios, e a defasagem dos valores leva, entre outros pontos, ao sucateamento da frota, aumento de acidentes, demissões, e falência de empresas.

Como ainda não há data para votação e possível aprovação do projeto de lei do tabelamento de fretes, caso ele venha a ser aprovado, deve passar a valer apenas para a próxima safra.

COMENTAR

QUER ENTRAR EM CONTATO COM O BLOG DO CAMINHONEIRO? ENVIE UMA MENSAGEM CLICANDO NO NÚMERO ABAIXO

042-3532-4235

14 comentários
0

Artigos relacionados

14 comentários

Joares c Felacio 10/02/2017 - 13:19

O problema do frete baixo na realidade são as transpotadoras que pegam os fretes e repassam como eles querem, exatamente fazendo isso se tem muito caminhão pagam o que querem obrigando nós caminhoneiros a carregar seus fretes absurdos
Sou a favor de tabela de frete por km rodado mais pedagios para acabar com o tal frete de retorno.
Obrigado.

Reply
José Roberto Alcazar 10/02/2017 - 00:13

Deveria sim ter uma tabela de referência mas que o frete fosse calculado por quilômetro rodado e não por peso como muitas empresas colocam assim o caminhoneiro não teria que colocar excesso pra receber mais
Roberto

Reply
Claudio 09/02/2017 - 21:13

São dois os problemas do frete:
A lei dá diária que é na prática uma palhaçada (quando se recebe alguma diária é atravéz de um sindicato perverso que negocia a metade do valor da LEI e cobra uma porcentagem por ter intermediado).
É o mísero frete de retorno,( que é pago a metade do valor quando a viagem é no sentido de NORTE para o SUL.) Ora se a distância por ex. De São Paulo à Salvador é de 1100km implica que de Salvador à Sao Paulo também seja 1100km.porque o frete de Salvador à Sao Paulo tem que ser a metade do valor do frete de SP à Salvado? Isso é o que chamam de frete retorno. Por acaso eu abasteco diesel de retorno ? Ou pago pedágio de retorno? Tomo banho de retorno? Ou pago refeição de retorno? Ah talvez alguma borracharia ou oficina tenha preços de retorno!?
Isso é constitucional?

Reply
Claudio 09/02/2017 - 20:53

Isso já virou brincadeira, a situação é de urgência e estão empurrando pra depois . Será que ainda não entenderam que isso gera prejuízos pra tudo lado é o profissional do transporte já não aguenta mais.

Reply
Daniel Oliveira 09/02/2017 - 20:46

Hahahah conta uma novidade agora

Reply
Eder Antonio Birkhann 09/02/2017 - 14:40

O produtor que vai cuida ao que diz respeito a ele, se não quer pagar o valor que vale do frete que vá comprar um caminhão e pagar motorista, comprar pneus, e mais, cada uma busca oque é melhor para seu setor, o produtor vende soja entre 50 a 80 a saca e o frete nunca sobe, e essas transportadoras devem ser obrigadas a improcedência a tabela do preço e não fazer mais barato só pra tomar serviço dos outros.

Reply
Fernando Pozzebom 09/02/2017 - 14:07

taxista tem bandeira d corrida p não rodar abaixo do custo não sei pq caminhão pode levar um frete de graça desumano isso

Reply
Fabio Grazi Reinaldo Martins 09/02/2017 - 13:54

Quem esplora os camioneiros e o governo e sua petrobas! Se eles controlacem essa maldita inflacao todos os camioneiros e os produtores brasileiros em geral ia conseguir trabalhar! Quanto maio chega o frete mas o governo sobe as dispesas!

Reply
Robson Hippler Dias 09/02/2017 - 13:54

Não Vai Ter Tabela De Frete, é Inviavel…. Frete é Um Mercado: Oferta e Procura… Tem Q Se Preocupar Em Carrega Poucas Ton. e Valorizada a Ton… Só Acaba Com Caminhões Com Capacidade Acima De 57 PBT… Sobra Mais Produto Por Um Tempo Maior, Que Impacta Tanto No Valor Do Frete, Quanto Na Demanda Por Mais Caminhões Que Gera Maiz Empregos…

Reply
Claudio 09/02/2017 - 21:28

A lei de oferta e procura funciona pra supermercado ,que tem um em cada esquina. O frete não pode ser assim porque o caminhoneiro não está em casa , ele está longe e tendo despesas até pra ficar parado.
Se o caminhoneiro não tiver dinheiro pra pagar estacionamento ele tem que retirar o caminhão do pátio.
Se o caminhoneiro não tiver dinheiro pra pagar um banho, ele tem que ficar sujo.
Se o caminhoneiro não tiver dinheiro pra pagar o agenciamento do frete, ele fica sem carregar.
O caminhoneiro é vencido pela covardia, que quando ele se vê já sem dinheiro, ele é obrigado a aceitar a oferta que tiver

Reply
Julio Cesar 09/02/2017 - 13:49

o problema maior esta nos atravessadores de frete chega a 30% do valor final sobra 45% diesel o resto e do caminhoneiro

Reply
Fabio Yata 09/02/2017 - 13:47

É só fazer geve junto a policia ai eles vai ver q o Brasil para de vez

Reply
Fabiano Chagas 09/02/2017 - 13:45

Produtores e muitas empresas querem q caminhoneiro transporte seu produto de graça…. Só na exploração….

Reply
Lauricio Roos 09/02/2017 - 13:39

Na maioria das vezes o produtor sempre quer explorar o caminhoneiro,falam das transportadoras mas o pior de tudo é o agricultor

Reply

Escreva um comentário