Volvo lança o Guia Zero Acidentes para os transportadores




O Grupo Volvo está lançando o Guia Zero Acidentes para transportadores, embarcadores e outras empresas que atuam no setor. O objetivo é orientar este segmento com um conjunto de informações desta área e apontar caminhos para baixar o número e a gravidade dos acidentes rodoviários no Brasil. O guia é on-line e pode ser baixado do portal do PVST (Programa Volvo de Segurança no Trânsito), no endereço https://pvst.com.br/wp-content/uploads/2017/09/GuiaZeroAcidentes.pdf. O Guia é parte das comemorações dos 30 anos do PVST, o mais longo e importante programa de mobilização por um trânsito mais seguro e humano existente no Brasil.

O documento mostra como trabalhar na busca do Zero Acidentes, um conceito adotado pelo Grupo Volvo, que tem como ideal de futuro o zero acidentes com seus veículos.

“Zero Acidentes é um plano ambicioso e desafiador. É preciso o envolvimento de todos – transportadores, clientes e usuários dos veículos”, afirma Solange Fusco, diretora de comunicação corporativa do Grupo Volvo América Latina, ao lembrar que a Volvo contribui fortemente nesta área, oferecendo os veículos mais seguros do mercado, sempre com as mais recentes tecnologias de segurança ativa e passiva.

Dividido em 22 capítulos, o Guia começa pela história do Zero Acidentes e vai até a recomendação para as empresas realizarem benchmarking. Um dos destaques é a possibilidade de as empresas se certificarem pela ISO 39001, a norma internacional que regulamenta as ações de gestão da segurança de tráfego viário, publicada recentemente pela ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas).

LEIA MAIS  Volvo Trucks apresenta no IAA 2018 sua visão de futuro para soluções de transporte

“O guia é um passo a passo. Ele mostra o que os transportadores devem priorizar para estabelecer um plano de ação consistente e de longo prazo para chegar a zero acidentes”, conta Anaelse Oliveira, responsável pelo PVST. Ela explica que o documento faz 12 recomendações básicas, a começar pelo envolvimento da alta liderança da empresa no assunto e, na sequência, a montagem de um grupo de comando do plano.

Cultura da segurança

O Guia sublinha também a importância de as empresas definirem uma política de segurança que seja clara e simples para ser aplicada por todos os setores, para que os funcionários possam se sentir empoderados a aplicar correções onde elas forem necessárias. “Com isto, as empresas dão um passo decisivo para desenvolver a cultura de segurança, tão indispensável para as conquistas do comportamento seguro no trânsito”, observa Anaelse.

A política de segurança determina os índices de acidentalidade que a frota da empresa deve atingir gradativamente para chegar o mais próximo possível do zero num prazo futuro definido. “Uma política de segurança consistente e bem implementada é uma quase garantia de boa aceitação por parte dos grandes clientes embarcadores que querem ver seus produtos em mãos seguras e entregues com pontualidade”, destaca diz J. Pedro Correia, consultor do PVST.

Segurança no DNA

O Guia mostra ainda que é preciso fazer levantamentos de dados e diagnósticos de acidentes, estabelecer objetivos e ações de campo, e ainda promover avaliações, assim como monitorar sistematicamente os trabalhos e comemorar os resultados. “É uma detalhada orientação sobre como baixar a acidentalidade rodoviária e, com isto, reduzir as perdas humanas e materiais, além de melhorar a imagem da empresa no mercado”, diz Solange. “A segurança está no DNA da Volvo. Esperamos que o guia contribua para que essa cultura se espalhe por muitas outras empresas”, complementa a executiva.

LEIA MAIS  Volvo e Skanska: a primeira pedreira livre de emissões do mundo

O guia é resultado do esforço que a Volvo vem promovendo nesta área desde 2012, quando o Grupo Volvo apresentou sua visão global de segurança baseada em zero acidentes nas operações dos seus produtos. A Volvo do Brasil imediatamente formulou uma estratégia para envolver o setor de transporte comercial no País. Além de disponibilizar informações, foram organizados inúmeros seminários regionais com executivos de transportadoras para a discussão do tema e de alternativas para a redução efetiva dos acidentes.




Deixe sua opinião sobre o assunto!