Nova linha Scania freia tão bem quanto anda




A Scania lançou oficialmente a sua nova linha de caminhões em Outubro, e os caminhões são completamente novos em todos os sentidos. As máquinas do sonhos receberam atualizações em todos os seus aspectos, e as mudanças não ficaram apenas no visual dos modelos. De acordo com a engenharia da Scania, nenhuma peça da linha PGR foi reaproveitada nos novos caminhões.

Em motorização, a nova linha passou a contar com quatro litragens diferentes e onze versões de potência, sendo 7 litros, com potências de 220 cavalos e 1.000 Nm de torque, 250 cavalos e 1.100 Nm de torque, e 280 cavalos e 1.200 Nm de torque, 9 litros com potências de 280 cavalos e 1.400 Nm de torque, 320 cavalos e 1.600 Nm de torque, e 360 cavalos e 1.700 Nm de torque, 13 litros, com potências de 410 cavalos e 2.150 Nm de torque, 450 cavalos e 2.350 Nm de torque, 500 cavalos e 2.550 Nm de torque, e 540 cavalos e 2.700 Nm de torque, e o lendário 16 litros em V, com potência de 620 cavalos e torque de 3.000 Nm.

Além dessas novidades, a Scania atualizou os sistemas de freio dos caminhões, que receberam novidades no freio auxiliar de escapamento, retarder e freios de serviço. O câmbio Opticruise também recebeu um freio, mas com uma missão diferente. O lay shaft brake sincroniza os eixos do câmbio durante as trocas de marchas, reduzindo o tempo de troca para 0,4 segundos, fazendo com que o motor não perca pressão do turbo. Com ele o caminhão mantém o torque e tem mais velocidade na próxima marcha.

No evento de lançamento, a imprensa especializada pode testar os caminhões em três tipos de operações distintas, em pistas de teste criadas dentro da Base Aérea de Santos, em São Paulo. Além de ver de perto as mudanças, os jornalistas puderam sentir os caminhões em uma rota fora-de-estrada, uma rodoviária e uma rota urbana.

Nesses testes, algo que nos chamou a atenção foi o sistema de frenagem dos caminhões. O Blog do Caminhoneiro conversou com Alexandre Silva, engenheiro de Pré-Vendas da Scania no Brasil, que nos contou sobre as novidades nos sistemas de frenagem.

Segundo ele, algumas mudanças simples fizeram muita diferença. O eixo dianteiro do veículo foi avançado em 50 mm para frente, melhorando a estabilidade e manobrabilidade do caminhão.

Outra mudança foi a adoção de cuícas de freio maiores, de 30 polegadas. Os modelos anteriores usavam cuícas de 24 polegadas. Com essa melhoria, a distância de parada total do veículo foi reduzida em cerca de 3,5 metros, quando comparada à geração anterior. Como opcional, a Scania oferece freios de serviço a disco para os caminhões. A tecnologia de freios a disco é utilizada em larga escala na Europa, porém no Brasil o sistema ainda não tem uma aceitação tão grande.

Os freios a disco oferecem uma eficiência de frenagem maior, reduzindo problemas por excesso de temperatura e também reduzindo o peso do veículo, já que os componentes do sistema são mais leves. Com freios a disco o peso total do caminhão pode ser reduzido em até 100 quilos.

O freio-motor tem a alavanca de acionamento colocada na coluna de direção, junto ao volante, e pode ser conjugado com o freio retarder, se houver no veículo. Ele tem potência de 350 cavalos, e o sistema fica no escapamento, sendo um “exhaust brake“. Ele tem dois estágios de funcionamento. O primeiro oferece 50% da potência total, cerca de 175 cavalos de potência, e o segundo estágio tem 100% de potência.

Com o freio retarder conjugado com o freio-motor, é possível até parar o caminhão em situações controladas. O freio retarder R4100D tem cinco estágios de funcionamento, com potência de 4.100 Nm em sua versão mais potente.

O funcionamento mais proveitoso do sistema de freios auxiliares dos novos caminhões Scania começa acima de 1.500 rpm do motor, funcionando até 2.300 rpm em plena potência. O uso dos freios auxiliares gera economia de combustível e de componentes. Outra vantagem do sistema é o ganho de velocidade média. Sem utilizar desnecessariamente os freios de serviço, há uma considerável melhora na velocidade média do caminhão. Com isso, há também uma redução significativa de consumo, pois não haverão acelerações maiores do que o necessário.

Além disso, os freios retarder dos novos caminhões Scania tem um sistema que se chama Disengageable. Esse sistema desacopla o freio retarder quando não há necessidade de utilização desse componente. Apenas com essa modificação, os caminhões chegam a economizar mais de 1% de combustível.

A Scania pensou e recriou cada sistema de seus novos caminhões para trazer o maior aproveitamento em todos os sentidos, reduzindo custos e aumentando a rentabilidade dos transportadores. Não é atoa que a montadora já vendeu quase mil caminhões da Nova Geração, que só começarão a ser entregues em fevereiro de 2019.




Um comentário em “Nova linha Scania freia tão bem quanto anda

  • 26/11/2018 em 21:26
    Permalink

    Com o freio retarder conjugado com o freio-motor, é possível até parar o caminhão em situações controladas. O freio retarder R4100D tem cinco estágios de funcionamento, com potência de 4.100 Nm em sua versão mais potente.
    Vale a pena corrigir a informação acima, pois Nm é unidade de medida de torque e não potência, o que pode confundir deixando os leitores acreditando que a potência de frenagem é praticamente 8 vezes mais que a do motor.

    Qunato a reportagem, parabéns! Abraços!

    Resposta

Deixe sua opinião sobre o assunto!