Subsídio ao diesel não será mantido

O Ministro de Minas e Energia, General Bento Albuquerque, disse, em entrevista, que o Governo Federal não irá renovar o programa de subsídio ao diesel, reivindicação dos caminhoneiros durante a greve em maio de 2018, quando o valor do combustível foi reduzido artificialmente em R$ 0,46 por litro, e o Governo Federal pagou à Petrobras essa diferença de valores.

Por causa do subsídio, a Petrobrás recebeu do Governo Federal, até dezembro, cerca de R$ 4 bilhões.

Os valores do diesel hoje, graças ao preço internacional do barril de petróleo estar baixo, está muito próximo do que era no dia 28 de maio de 2018, durante a paralisação dos caminhoneiros.

O Ministro disse ainda que não teme uma nova paralisação dos caminhoneiros, já que o governo de Jair Bolsonaro vem estudando o assunto do transporte desde o período de transição, e que em breve irá publicar novos valores para a política dos preços mínimos do frete, que irá agradar os caminhoneiros, mas também os embarcadores, acabando com a disputa entre os dois lados.

Outro ponto afirmado pelo ministro é que o governo não irá influenciar diretamente a politica de preços da Petrobras, que deverá seguir os preços internacionais do petróleo. Porém, de acordo com ele, a empresa precisará dar mais transparência ao sistema de preços dos combustíveis.

“O que vamos e estamos trabalhando com a Agência Nacional do Petróleo e com a Petrobras é dar mais transparência a essa política, para que a população e a sociedade entendam aquilo que se está pagando. E, evidentemente, quando damos transparência a esse processo, podemos fazer algumas correções, eliminar subsídios e tornar mais claro aquilo que efetivamente é justo que seja pago pelo consumidor”, finaliza.

11 comentários

Paulo Fernando pederneschi 05/01/2019 - 18:28

O maior problema é que no bBrasi o combustível é um dos mais caros do mundo ,a população brasileira não aguenta mais pagar por tudo isto desde o governo do início do PT ,tudo fica mais caro pois se o produto só é transportado por caminhões ,por que não manter o preço congelado ate julho de 2019assim dá tempo hábil para o presidente bolsonaBo adequar as finanças ,e a população parar de sofrer

Reply
Dimas do Nascimento 05/01/2019 - 10:09

Corrigir a tabela e multar os infratores, sem problemas. Outro ponto, o ICMS, 25%, 29%, é muito alto. Tá na hora de brigar com os Governadores.

Reply
Luis 05/01/2019 - 02:35

Ele Será o melhor presidente tenho fé

Reply
Evandro 05/01/2019 - 01:05

Os caminhões vao parar dinovo,depois não adianta reclamar q não tem comida em casa mais. Avisados os políticos já foram….

Reply
MARCIO SANTIAGO CARNEIRO 04/01/2019 - 22:59

Era tanto 17 nos parabrisas pra isso?
Que decepção…
“MICO”

Reply
Chuck 04/01/2019 - 19:51

Hahahahahahahahahahahahaahahahhahahaahahahahahhhahahaahahahhahaahahhaahahahahhahahahahhhhhahahah

Reply
Rodrigo 04/01/2019 - 21:24

Tá rindo a toa do quê? Não percebe quando o assunto é SÉRIO?

Reply
Rodrigo 04/01/2019 - 21:26

É cada um que aparece….

Reply
Ivan 04/01/2019 - 12:33

Isso é uma vergonha

Reply
Flávio Furlan 05/01/2019 - 08:07

Calma pessoal , vamos esperar essa tabela nova que estão formulando novamente , vamos dar um voto de confiança a esse novo governo. !

Reply
Cleildo Gondim 05/01/2019 - 11:50

Cara ainda nem assumiu direito todo mundo já que está com seus problemas resolvidos deixa o homem trabalhar esse paip é grande pessoal pra poder arrumar ele Dez mil vezsv esse governo do que qualquer outro me desculpa mais esse é meu pensamento vamos pra frente.!

Reply

Deixe um comentário!

Auxílio de R$ 1.000 para caminhoneiros é aprovado Conheça os detalhes do projeto Roda Bem Caminhoneiro Scania já teve 13 séries especiais no Brasil Conheça a nova série especial da Scania O Royal Eagle é um Scania 143 como você nunca viu