ELD – O dispositivo que está tirando o sono dos caminhoneiros nos EUA




Até 2017, o controle de jornada dos motoristas de caminhão nos Estados Unidos era feito em planilhas simples em papel e de outras formas, mas as jornadas de trabalho eram bastante flexíveis.

Aí, no final de 2017, entrou em vigor uma lei de 2012, que obriga a maioria dos caminhoneiros norte-americanos a utilizar o ELD, um dispositivo eletrônico de controle de jornada, que obriga os motoristas a cumprirem os tempos de descanso de maneira quase inflexível, dizendo em que horários os caminhoneiros podem ou não dirigir.

Esse sistema já era usado opcionalmente por algumas empresas antes de 2017, mas após a entrada em vigor da lei MAP-21, assinada por Barack Obama em 2012, a instalação do dispositivo passou a ser obrigatória. Essa foi a primeira lei de longo prazo para o transporte rodoviário nos Estados Unidos desde 2005, e faz parte de uma série de regulamentações para o transporte rodoviário de cargas.

A obrigação do uso do dispositivo, de acordo com o governo americano, é para a segurança. Com a jornada de trabalho controlada, o caminhoneiro pode rodar mais descansado, sem por em risco sua vida, a vida de terceiros, o caminhão ou a carga.

O ELD monitora o uso do caminhão, registrando o horário, velocidade, posição e outras informações do veículo. Esse sistema trabalha em conjunto com a Lei HOS, ou Lei das Horas de Serviço.

Essa lei diz que caminhoneiros podem dirigir no máximo 11 horas, durante um período de 14 horas consecutivas. Depois disso, eles são obrigados a pararem por 10 horas para descanso obrigatório.

LEIA MAIS  Apta Caminhões e Ônibus vende 50 caminhões para a Aliança Logística

A lei também estabelece uma pausa de 30 minutos para descanso entre as 14 horas permitidas para trabalho. Essa lei já valia desde que o governo americano começou a regulamentar o transporte rodoviário, em 1938.

Porém, como as planilhas de horas trabalhadas eram feitas em papel, facilmente eram modificadas pelos motoristas, que trabalhavam mais que o permitido. Além disso, a fiscalização era difícil, pois os fiscais precisavam analisar pilhas de papel para checar as horas trabalhadas pelos caminhoneiros.

Por terem que seguir à risca o que diz a lei, os caminhoneiros não conseguem fazer tantas viagens quanto faziam antes da lei. Isso reduzir salários, afastou candidatos à novas vagas de emprego como motoristas e está influenciando até mesmo na economia do país, com os preços dos produtos subindo por causa da escassez de caminhões para fazer fretes.

Um estudo de junho de 2018 diz que os Estados Unidos tem 9,9 cargas disponíveis para cada caminhão depois do ELD. Antes disso, eram 5,6 cargas disponíveis para cada caminhão.

Como esse excesso da oferta de fretes e falta de caminhões, o valor do transporte rodoviário disparou, causando aumento dos valores de quase todo tipo de produto.

Os caminhoneiros estão odiando o dispositivo ELD, porque a janela de 14 horas, quando podem trabalhar, pode se perder em empresas, para carregar e descarregar os caminhões. Muitas vezes, “puxando fila”, os caminhoneiros chegam a ficar até 4 horas andando e parando, praticamente no mesmo lugar, e perdendo horas importantes que podiam estar na estrada.

LEIA MAIS  BR-163/PA: Fluxo de veículos foi restabelecido nos dois sentidos e carretas voltam a trafegar para os portos de Miritituba

Outro ponto é a questão dos salários. Como os caminhoneiros recebem bonificações por milhas rodadas, e não por horas trabalhadas, boa parte do salário é perdida por não poder rodar.

Mais uma questão é a falta de locais de descanso, que ficam lotados, pois quase todos os caminhoneiros param no mesmo momento para descansar.

Os caminhoneiros também dizem que podem rodar de forma menos prudente, com velocidade mais alta, para compensar o tempo parado e receber as bonificações por milhas no final do mês. Isso faz exatamente o contrário do que diz a lei, podendo aumentar os acidentes.

Para tentar contentar os caminhoneiros, a Associação Federal de Segurança de Veículos Automotores (FMCSA, na sigla em inglês), pretende reformular a Lei das Horas de Serviço para os caminhoneiros.

Entre as medidas estão a não obrigatoriedade do cumprimento da lei em caso de condições adversas, como tempestades e catástrofes naturais, e também a eliminação do tempo de descanso obrigatório de 30 minutos, já que a maioria dos caminhoneiros já está parada descansando enquanto espera para carregar. Com informações de Business Insider.




3 comentários em “ELD – O dispositivo que está tirando o sono dos caminhoneiros nos EUA

  • 08/02/2019 em 08:10
    Permalink

    No Brasil deveria ser assim tbem pois irmãos caminhoneiros aqui tem uma jornada muita alta e isso acaba influenciando em todos os setores até mesmo no frete pois as traddings sabem que o motorista quer ir e voltar rapidinho e tem tbem a falta de fiscalização pelos órgãos competentes entre outras, e o brasileiro gosta de burlar as leis,não é difícil encontrar esses rodotrens compridos rodando fora do horario

    Resposta
  • 07/02/2019 em 12:25
    Permalink

    Qualquer lugar do mundo, é necessário combater os excessos, todo resto é burocracia !

    Resposta
  • 07/02/2019 em 12:21
    Permalink

    Palhaçada isso. Se ficar o dia parada na porta de cliente e tem que tirar atraso andando a noite. Noite e feito pra dormir.

    Resposta

Deixe sua opinião sobre o assunto!