Transportadoras dos Estados Unidos estão contratando ex-detentos como motoristas de caminhão

Ex-presidiários estão ganhando uma ótima chance de recomeçar a vida nos Estados Unidos. Devido à escassez de mão-de-obra para o setor de transportes, algumas transportadoras vem buscando pessoas que cumpriram penas por delitos de baixa periculosidade para ocupar o assento em milhares de caminhões parados por falta de motoristas.

É o caso de John Lauria, com 49 anos de idade, que passou toda sua maioridade entrando e saindo da cadeia por delitos com drogas e pequenos furtos. Ele está fora da cadeia há três anos, e começou a tentar mudar de vida desde então. Em fevereiro deste ano foi contratado pela empresa Haralambos Beverage Co., na cidade de Industry, na Califórnia.

Lauria ganha hoje cerca de US$ 17 por hora, o que é um salário considerado muito bom. Ele disse que conseguiu o emprego sendo honesto com a empresa, não escondendo seu passado, e mostrando interesse por mudar de vida.

Cerca de 40 empresas de transportes de grande porte nos Estados Unidos tem recrutado ex-detendo para trabalharem como motoristas de caminhão. A American Trucking Associations (ATA) diz que hoje o país tem mais de 65 mil vagas em aberto para motoristas de caminhão, e o número cresce exponencialmente.

Os ex-detentos passam por um processo de treinamento, ainda na prisão ou logo após saírem. Os interessados em trabalharem como motoristas de caminhão precisam desembolsar até US$ 8 mil pelo treinamento, o que já demonstra grande interesse em sair da vida do crime.

Os treinamentos começam em simuladores de direção, e pouco a pouco os candidatos avançam no curso até o treinamento em rodovias, com caminhões grandes e instrutores ensinando todo o funcionamento e operação correta do veículo.

Outra transportadora grande que contrata ex-presidiários é a Knight Transportation, de Phoenix. Eles trabalham na empresa sob um forte esquema de vigilância, e são avaliados, caso a caso. A vida do candidato é levada em consideração, antes dos crimes, durante e após sair da cadeia.

Em geral a empresa contrata apenas ex-detentos que cometeram crimes mais leves, como roubo, agressão ou posse de drogas. Criminosos que cometeram crimes violentos, como assassinato ou crimes sexuais, não tem chance na empresa. É o mesmo caso da R&R Transportation, em Greensboro, Carolina do Norte.

Emprego é uma das melhores forma dos ex-presidiário não voltarem à vida de crimes. Quando não conseguem ou não querem um emprego, os ex-detentos voltam à cadeia em menos de três anos.

Siga o Blog do Caminhoneiro nas redes sociais

7 comentários

Luciano Rodrigues 19/10/2021 - 19:52

É um sonho ir trabalhar de motorista em um país de primeiro mundo, 51 991800391 Porto Alegre-Rs

Reply
David visconde 15/10/2021 - 01:10

Tenho muita vontade de trabalhar no estados unidos tenho experiencia de 20 anos como carreteiro sendo 10 anos em bitrem e rodotrem

Reply
Damião Dos Santos 11/10/2021 - 19:31

Tem alguma empresa capacitando motorista parar trabalhar fora do Brasil ???

Reply
Adilson 10/10/2021 - 20:14

Motorista carreteiro brasileiro tem chance de vaga pra fora do pais

Reply
Aolton fraga 10/10/2021 - 17:10

Pais de primeiro mundo e outra coisa comparando c o Brasil q alem de estar a 100 anos atraz dos USA, somos um pais de quinto mundo espelhado em terceiro. Esda e a vdd.

Reply
José aparecido da Costa 09/10/2021 - 15:52

Eu tenho enteresse. Eu sou José aparecido da Costa. Meu sonho é trabalhar como carreteiro. Preciso de uma oportunidade. A minha habilitação tem a categoria É. Meu Whatsapp 31988640631. Sou de minas gerais. Moro em São Berndo Campo. São Paulo

Reply
Antonio Ferreira de Lisboa 23/03/2019 - 17:13

TA VENDO MTORISTADA! UM EX PRESIDIARIO NOS EUA VALE MAIS QUE UM MOTORISTA BRASILEIRO…

Reply

Deixe um comentário!

Oportunidades de emprego para caminhoneiros em todo o Brasil Conheça o mais potente caminhão do mundo! Freighliner Argosy estrelou dois filmes com um visual exclusivo O 1° Scania mais potente do mundo foi adquirido por uma Transportadora francesa AEROSTAR – O caminhão que foi a promessa da International para o Brasil