Drogômetro brasileiro já testou mais de 2 mil motoristas

O Kit Presto Saliva, o drogômetro brasileiro, é um equipamento desenvolvido com tecnologia nacional e desde o Maio Amarelo de 2018 está sendo testado nas rodovias do país, com o apoio das polícias Rodoviária Federal, Militar, Estadual, Guarda Portuária, Civil e CET locais. Este equipamento, já registrado na ANVISA, custa cerca de R$ 70,00, é capaz de identificar até 15 grupos de drogas como anfetamina, cocaína, maconha, metanfetamina, opioides, benzodiazepínicos e barbitúricos e outros, sendo que as três últimas podem ser encontradas em remédios controlados, que também afetam a capacidade de direção e atenção.

O equipamento completo tem cerca de 7 centímetros, pesa pouco mais de 50 gramas, não precisa de energia elétrica para funcionar, é totalmente a prova de fraude e violação e tem dimensões menores que os bafômetros utilizados nas estradas atualmente. Desenvolvido para atender totalmente as normas jurídicas brasileiras vigentes e o Código de Trânsito Brasileiro (CTB), o Kit Presto Saliva é um teste rápido, com fases confirmatória e contraprova, colhidos simultaneamente e, em caso de resultado positivo, as amostras são encaminhadas a qualquer laboratório que tenha tecnologia e qualidade específicas para este tipo de análise.

De Maio de 2018 a Maio de 2019, o drogômetro brasileiro foi aplicado em 2065 condutores voluntários, na cidade e na área portuária de Santos e nas cidades de Guarulhos, Marília, Atibaia, Ubatuba e Pelotas. Em todas estas o equipamento foi testado junto a campanhas educativas e contou com a aprovação unânime de motoristas, policiais e da população.

Vale ressaltar, que dos testes realizados, 234 motoristas (11,4%) foram flagrados positivamente para algum tipo de droga, dentre elas cocaína/crack, maconha e anfetamina (rebite). Importante dizer, ainda, que todos os resultados apresentados em campo durante as blitze foram confirmados em laboratório, o que torna o equipamento altamente confiável e superior aos demais equipamentos de teste de drogas na saliva.

LEIA MAIS  Fontanella Transportes anuncia vagas para motoristas carreteiros em seis estados

Para o Agente da PRF de Guarulhos Grutter, “o uso do teste hoje é essencial para a nossa fiscalização. Temos inúmeros exemplos de condutores que estavam sob efeito de drogas. Cada vez mais presenciamos condutores sob o efeito de cocaína, pois eles estão trocando o rebite por cocaína”, avalia e continua “o teste é rápido, simples e similar ao teste do etilômetro, que já fazemos, e essas ações são excelentes, pois indicam de forma real qual o tamanho do problema. A briga também é nossa para que o kit seja homologado, para que possamos usá-lo nas nossas fiscalizações. Com certeza, é um fator preponderante para a busca de redução de acidentes.”

LEIA MAIS  Caixa oferece crédito a caminhoneiros e juros podem ser de 2,29%

Acompanhe os resultados de todas as blitze.

  • Campanha educativa Maio Amarelo 2018 – Porto de Santos – 506 caminhoneiros – 14,43% positivos
  • Campanha educativa Maio Amarelo 2018 – Santos – 744 veículos de passeio – 11,83% positivos
  • Campanha educativa Setembro Amarelo 2018 – Guarulhos
        • 81 motoqueiros, 17,2- positivos
        • 86 mulheres com cadeirinha no veículo – 6,98%                   positivos
        • 181 veículos de passeio em blitz   noturna (com alto índice de recusa) – 3,32% positivos
  • Campanha educativa Fevereiro 2019 – Marília BR153 – 100 caminhoneiros – 7% positivos
  • Campanha educativa Fevereiro 2019 – Atibaia BR381 – 99 caminhoneiros – 17% positivos
  • Campanha educativa Fevereiro 2019 – Guarulhos BR116 – 50 caminhoneiros – 6% positivos
  • Campanha educativa Fevereiro 2019 – Ubatuba BR101 – 63 caminhoneiros – 12,7% positivos
  • Campanha educativa Maio 2019 – Pelotas/RS BR116 Km 509 – 101 caminhoneiros – 7,92% positivos




15 comentários em “Drogômetro brasileiro já testou mais de 2 mil motoristas

  • 24/06/2019 em 01:55
    Permalink

    Gostaria de saber se este novo equipamento,o kit presto saliva,o tal “drogometro”
    brasileiro,já registrado na ANVISA,também pega álcool ?
    Tive a experiencia de viajar de carro pela França, na Europa,e achei o modelo deles muito interessante em tudo!Digno do atual governo vigente copiar namintegra!
    Por exemplo: fins-de-semana não rola caminhões muito menos carretas! Somente onibus sendo a maioria de Turismo,pois a malha viária de trem faz com não se pegue ônibus, somente para pequenos trechos.Outros detalhes:
    Toda rodovia tem sua própria estação de rádio FM,desta forma se fica sabendo o bom andamento ou qualquer acidente ,engarrafamentos conforme o horário.
    Por fim eles tem parada nas estradas, com postos de gasolina,lanchonetes e mercadinho self-service,banheiros pagos para banhos,ar-condicionado e/ou calefação,e tem também Jardim para fazerem pic-nics com mesas e bancos de pedras granitos,lixeiras,e até pequenas churrasqueiras!
    Detalhe : Todos os pontos de paradas são monitorados por satélites!
    Lá de cima a Polícia tambem está monitorando tudo!
    Os pedágios não tem funcionários você pode pagar com dinheiro e ainda receber o troco certo,assim como também pode pagar com cartão tanto faz débito ou crédito.
    Nas praças de pedágio ficam estacionados os reboques e as ambulâncias em caso de emergências.
    Último detalhe: é tudo privatizado!
    Com apenas o preço de 1 pedágio você tem direito à tudo, até à segurança do seu caminhão ou Carrera por satelite em caso de roubo ou furto.
    Por fim se a Polícia te parar por qualquer motivo,no ombro direito eles tem um rádio e no esquerdo um bafômetro super sensível,você não precisa ficar soprando! O simples fato de te abordar e te solicitar documentos pela janela do seu próprio veículo o bafômetro já está analisando pelo fato de você estar respondendo as solicitações do Policial!
    Nestas horas eu pensei:”custava o Brasil ser um país direito e correto!”
    Hoje,podemos ver que custa e muito! Mesmo pagando pedágios e perdendo nossas vidas por besteiras!
    Boa viagem sempre à todos os brasileiros de bem e às suas,familias!

  • 23/06/2019 em 15:00
    Permalink

    Aí são rápidos qdo se trata de tornar leis que arrecadam grana pro bolso deles, mas qdo se trata da lei pra dar uma vida com um pouco mais de dignidade para os caminhoneiros, em puramente com a barriga e já vem se afastando por mais de um ano. Que é a tabela do frete.

  • 23/06/2019 em 13:26
    Permalink

    Tem que ter fiscalização mesmo, com todo tipo de motoristas, tem também que fiscalizar todo policial corrupto, servidores preguiçosos e desonestos as clínicas que burlam os resultados dos exames, as empresas que sonegam impostos, à ANTT que só arrecada do autônomo e não faz o seu papel em fiscalizar a tabela de frete, enfim se houver fiscalização o nosso país vai mudar completamente más se fiscalizar só o motorista de caminhão o país vai entrar em colapso pois o culpado deles usarem drogas é o próprio sistema que o escravisa.

    • 24/06/2019 em 02:04
      Permalink

      Corretíssimo!
      Mas nada é impossível!
      O que sempre faltou nos últimos anos foi bastante “vergonha-na-cara” destes políticos!
      Veremos se “a coisa muda”!
      Boa viagem à todos os brasileiros de bem nesta “coisa” de país!

  • 23/06/2019 em 10:57
    Permalink

    Até que enfim desenvolveram um aparelho fundamental para a segurança no trânsito. Parabéns a quem desenvolveu esse equipamento e a todos os órgãos que se envolveram nos testes. Precisa ser homologado o quanto antes e ser usado em todo o país com muita frequência porque sempre tem os irresponsáveis que teimam em colocar a vida deles e dos outros em risco. Mas o foco precisa ser em todos os motoristas, não só os profissionais mas como foi feito esse teste em todos que dirigirem qualquer tipo de veículo desde caminhão, carro, moto, trator e até bicicleta. Porque qualquer condutor indistintamente sob efeito de drogas ou álcool pode provocar um acidente, e tem muito irresponsável. Um tipo desses tem que ter o direito de dirigir suspenso no mínimo por seis meses na primeira vez, e não ocorrendo a adequação correta na segunda vez cassado. Isso é mais sério do que se pensa e condutores desse tipo não a sociedade não precisa. Super apoiado.

    • 23/06/2019 em 11:11
      Permalink

      E se um condutor de qualquer veículo necessitar de tomar remédios controlados precisa ser afastado dessa função com atestado médico especializado.

  • 23/06/2019 em 09:44
    Permalink

    Tem q fazer no ceasa

  • 23/06/2019 em 00:10
    Permalink

    E isso que tem q ser feito , e não aquele teste caro quando vai renovar a carteira , e algem sabe me dizer quantos por cento de positivo qus deram ate hoje nos testes de renovação de carteira ???

    • 23/06/2019 em 11:19
      Permalink

      Eles tem a capacidade de ficar seis antes de renovar a CNH sem usar nada e depois voltam ao uso, por isso que esse aparelho móvel e muito importante.

  • 22/06/2019 em 18:12
    Permalink

    Fica claro na reportagem que o problema com drogas ao volante não e só do motorista profissional. Fica claro também que o foco da PRf e o motorista profissional, quando dizem estão trocando REBITES POR COCAÍNA,ou seja motorista profissional drogado causa acidente. Os outros não causa.

    • 22/06/2019 em 23:02
      Permalink

      E os envolvimentos dos patrões quanto tem gente inocente, ja pensou se for liberar portes pra esses ,não que seja contra, se existir alguém responsável, mesmo assim que morre não torna mais

      • 23/06/2019 em 00:20
        Permalink

        Q q c disse ???

  • 22/06/2019 em 15:58
    Permalink

    Apoio com toda certeza o uso de qualquer equipamento, que venha a contribuir para a segurança no trânsito,a fiscalização feita assim na estrada tem um resultado mais efetivo do que exame toxicológico feito em laboratório que são mais fáceis de serem fraudados.Mais à que se ressaltar que não fique só o seu uso para o motorista profissionais todos os condutores devem passar conforme a necessidade pelo exame principalmente se causou um acidente

  • 22/06/2019 em 11:16
    Permalink

    Com fiscalização tudo muda pra melhor.

Fechado para comentários.