Veículo portador de AET não pode ser retido por divergência na distância entre eixos

A regra se aplica a veículos de transporte de cargas indivisíveis e tem como base o § 11 do Art. 8º da Resolução 01/16 do DNIT. Em caso de dúvidas ou de retenções irregulares ligue 11-99990-5265 para maiores esclarecimentos.

Muitas empresas têm sido vítimas de retenção dos veículos e recolhimento da AET com base na alegação de que a distância entre eixos na AET não corresponde fielmente à medida obtida com a trena do fiscal.

Ocorre que, tendo como base o § 11 do Art. 8º da Resolução 01/16 do DNIT, essa distorção só constitui infração se a medida encontrada não estiver dentro do intervalo métrico ou o peso seja superior ao permitido para o intervalo em questão.

Art. 8º § 11. Para fins de fiscalização, deverá ser considerado, reciprocamente, o intervalo métrico entre eixos definidos neste artigo e a distribuição de peso por eixo correspondente, não cabendo requisição, por parte da autoridade fiscalizadora, de nova Autorização Especial de Trânsito – AET.

LEIA MAIS  Ministro da Infraestrutura anuncia retomada de pavimentação da BR-156/AP

Traduzindo o texto acima para caminhonês: Se tomarmos como exemplo a imagem abaixo, supondo que o portador tenha declarado na AET a distância no entre-eixo do cavalo, 1,46m e o policial ao medir referida distância tenha encontrado 1,36m. Nesse caso como ambas as distâncias se encontram dentro do intervalo métrico, se o peso declarado for igual ou inferior a 22 toneladas, a AET NÃO poderá ser contestada ou considerada em desacordo com a lei.

LEIA MAIS  Transmissões automáticas Allison respondem por 65% das vendas dos caminhões médios Hino na Austrália

Artigo de João Batista Dominici, presidente da Logispesa, editor dos sites Guia do TRC e Tabelas de Frete, fundador da Escola de Transportes, instrutor de cursos sobre transporte de cargas excedentes e especialista em AET.