Scania pode demitir 5 mil funcionários no planeta

“A crise do Coronovírus nos obriga a reduzir nosso nível de atividade e isso significa que estimamos que temos 5.000 pessoas a mais no mundo do que o necessário. Isso inclui uma revisão de até 1.000 posições de executivos em nossa sede em Södertälje”, diz o Presidente e CEO da Scania, Henrik Henriksson. “Nossa avaliação é de que demorará muito para que a demanda do mercado atinja os níveis pré-crise e, portanto, precisamos adaptar a organização à nova situação já neste ano. Essas serão medidas para toda a empresa e os avisos formais de redundância não serão excluídos. As medidas também incluem partes da Scania que normalmente não são afetadas por mudanças de curto prazo no volume de produção”.

Apesar do anúncio dos cortes, a Scania tem buscado, junto com representantes sindicais, soluções para economia de custos, minimizando as demissões de pessoal.

Além disso, a montadora também está prevendo cortes em pesquisa e desenvolvimento, para evitar prejuízos em 2020 e 2021.

Para os funcionários das linhas de produção, a montadora tem ferramentas de curto prazo, como banco de horas, além de maneiras de trabalhar que geram continuamente ganhos de eficiência.

“Graças a essas ferramentas, estimamos que seremos capazes de lidar com possíveis reduções de pessoal por meio de nossos processos normais”, afirma Michael Lyngsie, representante dos funcionários no Conselho de Administração da Scania na Suécia.

A montadora não informou quantas pessoas serão demitidas em outras unidades pelo planeta, como no Brasil.

Blog do Caminhoneiro

Deixe um comentário!

O Royal Eagle é um Scania 143 como você nunca viu T112MC – Scania desenvolveu modelo exclusivo para a Nova Zelândia Você lembra do seriado “As Aventuras de BJ” nos anos 1980? Caminhões chineses são equipados com cabine de modelo da década de 1970 Conheça o transporte Piggyback, muito usado nos Estados Unidos