Concessionária de rodovia tem responsabilidade por acidente por problemas no asfalto

Uma concessionária de rodovias do Mato Grosso do Sul foi condenada pela 3ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça/MS ao pagamento de indenização por danos morais e materiais ao dono de um caminhão acidentado por conta de um desnível na pista e falta de acostamento. O dono do veículo receberá o valor de R$ 19 mil por danos morais e mais o valor integral do veículo, que teve perda total no acidente.

O motorista contratado pela empresa seguia pela rodovia BR-163, e por desnível das bordas da pista de rolamento, do pavimento e na faixa lateral de segurança, além da ausência de acostamento acabou se acidentando. O veículo pegou fogo e foi destruído por completo.

Para o proprietário do veículo, a concessionária responsável pela manutenção da rodovia tem responsabilidade objetiva no acidente pela omissão em promover melhorias e por não atender os regulamentos do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes.

A concessionária já havia sido condenada em primeiro grau, e apresentou como defesa o Boletim de Ocorrência lavrado no dia do acidente, onde o motorista relatou que o caminhão apresentou problemas mecânicos, o que o levou a perder o controle do veículo e tombá-lo.

A concessionária também salientou que os policiais afirmaram no BO que a via estava em boas condições e sinalizada.

Para o relator do recurso, Desembargador Odemilson Roberto Castro Fassa, o BO cita a sinalização da via, mas não menciona as condições da pista de rolamento, além das fotos apresentadas pelo dono do caminhão mostrarem os problemas da via, como desnível e falta de acostamento.

“Desse modo, é possível concluir que o fatídico acidente de trânsito descrito nos autos foi causado em razão do desnível acentuado no bordo da pista de rolamento, o que causou o tombamento do veículo. As provas colacionadas aos autos são suficientes para demonstrar a conduta e o nexo causal entre o acidente ocorrido e a concessionária requerida, notadamente a ausência de reparos na pista”, julgou.

Rafael Brusque – Blog do Caminhoneiro | Foto Midiamax

Deixe um comentário!

O Royal Eagle é um Scania 143 como você nunca viu T112MC – Scania desenvolveu modelo exclusivo para a Nova Zelândia Você lembra do seriado “As Aventuras de BJ” nos anos 1980? Caminhões chineses são equipados com cabine de modelo da década de 1970 Conheça o transporte Piggyback, muito usado nos Estados Unidos