2 milhões de quilômetros sem abrir o motor – Marca é batida por cavalo-mecânico 1944 S ano 2004

por Blog do Caminhoneiro

O caminhoneiro Edson Carlos Araújo comprou seu caminhão Mercedes-Benz 1944 S, fabricado em 2004, no ano de 2011. na época, o caminhão era de primeiro dono, e tinha cerca de 600 mil quilômetros rodados. Cuidando da manutenção preventiva corretamente, o veículo alcançou recentemente a marca de 2 milhões de quilômetros rodados sem abrir o motor.

Edson é de Anápolis-GO, e como forma de reconhecimento pelo zelo que tem com o veículo, recebeu uma pintura completamente nova da cabine do veículo, além da troca de peças, como o parasol, e colocação das faixas laterais originais do modelo, sendo a reforma realizada pela Mercedes-Benz.

A Tecar Diesel, concessionário de Anápolis, realizou a desmontagem da cabina para pintura e retoques e a posterior remontagem. Enquanto aguardava o processo de renovação estética, o cliente recebeu um Axor 2644, da frota de demonstração da fábrica, para que pudesse continuar trabalhando.

“Meu pai era caminhoneiro e tinha um Mercedes-Benz 1111, aquilo sempre ficou registrado para mim desde criança, Meu filho de 18 anos já está no mesmo caminho. E se antes da reforma do 1944, esse Mercedes-Benz já era a nossa paixão e o nosso ganha-pão, estamos ainda mais apaixonados, ele ficou lindo e maravilhoso. Quero melhorar ainda mais o veículo e nem penso em trocar, porque quero chegar a 2.500.000 quilômetros com esse motor, que é uma maravilha”, disse Edson Carlos, hoje com 51 anos.

O caminhoneiro garante que o melhor a ser feito para manter o caminhão em forma é o uso correto, dentro do estabelecido pelo fabricante.

“Sempre procurei trabalhar direitinho com esse caminhão. Utilizo o veículo de acordo com suas características, respeito os limites da Lei da Balança, realizo as verificações diárias e faço as manutenções e revisões de acordo com a orientação da fábrica. Daí a alta quilometragem. Além disso, esse meu 1944 surpreende a todos na média de consumo, que é ótima e me dá rentabilidade. Uma máquina boa e um Mercedes-Benz, o que me ajudou a alcançar esse marco”, destaca o caminhoneiro.

Inicialmente, quando comprou o caminhão, ele utilizava o veículo atrelado a um implemento baú carga seca. Depois, passou a puxar bitrem graneleiro, o que durou seis anos. Hoje, com um bitrem tanque, transporta, em média, 30 toneladas de óleo vegetal de soja por viagem para empresas locais. Suas principais rotas envolvem as regiões Centro-Oeste, Sudeste e Norte, mas, conforme a demanda, vai a qualquer ponto do País.

“Meu caminhão é o meu parceiro de estrada. É a minha segunda casa. Na verdade, é até a primeira, porque vivo mais dentro dele do que na minha própria casa”, ressalta.

“O zelo do Edson Carlos com seu caminhão merece todos os aplausos, o que ganha mais significado ainda pelo Dia do Caminhoneiro, celebrado neste 30 de junho. A alta quilometragem alcançada por ele é uma referência muito importante de elevada resistência do nosso caminhão. Estamos atentos ao que o Edson Carlos e todos os caminhoneiros do Brasil, nossos parceiros de longa data, têm a nos mostrar e dizer, afinal, As estradas falam e a Mercedes-Benz ouve cada voz”, destaca Roberto Leoncini, vice-presidente de Vendas e Marketing Caminhões e Ônibus da Mercedes-Benz do Brasil.

“Ficamos muito impressionados com essa alta quilometragem, identificada pelo nosso pessoal de campo juntamente com a Tecar Diesel. Esses 2.000.000 de quilômetros significam uma média de mais de 117.000 por ano, sem abrir o motor e sem nenhuma alteração técnica. Parabéns ao Edson Carlos pelo rigoroso cuidado com o motor, que é o coração do seu caminhão, e que por muitos anos vem assegurando durabilidade e longa vida útil, além de força, desempenho, economia e rentabilidade. Isso reafirma tudo aquilo que sempre buscamos oferecer aos clientes dos caminhões da nossa marca, ou seja, o motor Mercedes-Benz é feito para durar”, afirma Silvio Renan, diretor de Peças e Serviços ao Cliente da Mercedes-Benz do Brasil.

Rafael Brusque – Blog do Caminhoneiro

Deixe um comentário!