Grupo Traton enfrenta escassez de semicondutores

por Blog do Caminhoneiro

O Grupo Traton publicou uma nota aos investidores, informando sobre o estado da crise de fornecimento, que atualmente atinge montadores de veículos no mundo todo, e que deverão impactar as entregas de veículos novos no fechamento do terceiro trimestre desse ano.

O Grupo Traton, que detém as marcas Scania, MAN, Volkswagen Caminhões e Ônibus e Navistar, disse que o principal insumo em falta são os semicondutores, que não estão sendo entregues, apesar de comprados, devido aumento dos casos de COVID-19 na Malásia e ao lockdown que foi adotado. A Malásia é um centro importante, pois muitas empresas de chips relevantes para a indústria automotiva têm sua produção lá.

Cada marca do grupo intensificou ainda mais suas medidas de monitoramento da rede de fornecedores para poder responder a atrasos e cancelamentos o mais rápido possível.

“Aumentamos as medidas existentes para reduzir ao máximo os gargalos de fornecimento. Há muita demanda por caminhões de nossos clientes no momento, após a redução dos efeitos da crise econômica do COVID-19, e acreditamos que eles devem receber seus veículos o mais rápido possível. Dito isso, não são apenas os problemas de escassez de semicondutores que afetam as cadeias de suprimentos globais no momento – é também a escassez de vários outros produtos. Isso está causando um impacto negativo nas vendas de nossas marcas, especialmente nos números de setembro. Esperamos que essa situação continue ao longo dos meses restantes deste ano e no ano seguinte. Estamos continuamente otimizando nossos processos para neutralizar esse problema”, disse Matthias Gründler, CEO do Grupo Traton.

Além de manter o foco nos fornecedores diretos, as marcas estão se comunicando cada vez mais com os fornecedores dos fornecedores, chamados de Nível 2, para evitar atrasos nas entregas.

Para reduzir o tempo de espera para entrega dos caminhões novos, as montadoras estão retirando as unidades de controle, como o controlador do motor e do câmbio, de caminhões prontos que estão parados, para instalar em veículos que estão encomendados e precisam ser entregues o mais rápido possível.

Esse problema deverá afetar significativamente as vendas do Grupo Traton no terceiro trimestre.

“Olhando para o terceiro trimestre, período que já tende a ser afetado por fatores sazonais, isso significa que essas dificuldades na cadeia de suprimentos terão um impacto maior do que o esperado. A situação no quarto trimestre de 2021 provavelmente se desenvolverá de forma semelhante, dados os problemas contínuos nas cadeias de abastecimento. A alta volatilidade na cadeia de suprimentos está dificultando quaisquer declarações sobre os meses restantes do ano e mais adiante”, diz o comunicado publicado pelo Grupo Traton.

Um relatório detalhado sobre o desempenho do Grupo deverá ser publicado em 28 de outubro.

Rafael Brusque – Blog do Caminhoneiro

Deixe um comentário!