Iveco lança nova versão do Tector para atender ao mercado de coleta de resíduos

por Blog do Caminhoneiro

A Iveco anunciou hoje o lançamento de uma nova versão para seu caminhão semi-pesado Tector, batizada de Auto-Shift Coletor. De acordo com a montadora, esse é o único modelo da categoria que recebe transmissão automatizada. O novo câmbio foi desenvolvido pela montadora e testado com clientes em operações reais para coleta de informações, recebendo uma série de reforços e modificações, para ampliar a robustez, tão necessária para a operação.

Dentre as modificações, destaque para os reforços em latão no garfo dos varões internos, garfo de acionamento da embreagem mais robusto, platô de embreagem específico para a missão coleta, caixa planetária reforçadas com arruelas de bronze para maior durabilidade e novos materiais de engrenagem aumentando a força do conjunto.

As modificações garantem a máxima durabilidade e confiabilidade ao conjunto da nova transmissão automatizada, que tem dez velocidades, proporcionando até 20% de redução de consumo de combustível na operação quando comparado à uma transmissão automática, além de oferecer 12 funções, sendo que quatro são exclusivas da marca.

Para as operações de coleta de resíduos, uma das funções mais uteis é o Hill-Holder, que mantém o veículo parado, mesmo em subidas íngremes. Por meio de sistemas eletrônicos, quando o motorista tira o pé do pedal de freio o veículo automaticamente mantém o sistema de freio ativo, e assim que o pedal do acelerador é acionado, o veículo encontra a rotação e o torque ideal do motor e libera o sistema de freio para uma partida em segurança para o motorista e sua equipe.

“Nossa estratégia é nos aproximarmos de nichos de mercado com esse perfil, vocacional, para conquistarmos espaço com produtos desenvolvidos com foco em quem atua diretamente nessas áreas. Um bom exemplo disso é a transmissão Auto-Shift que foi projetada para atender as peculiaridades da operação de coleta de resíduos com robustez e a garantia de termos o melhor conjunto para esse setor. Além da parte comercial, estamos colaborando para que esse tipo de operação seja mais eficaz, segura e rentável e proporciona benefícios para todos os envolvidos, incluindo para o meio-ambiente”, disse Bernardo Pereira, diretor de Marketing da Iveco para a América do Sul.

O motor do modelo é o FPT NEF n67, com 300 cavalos de potência e torque de 1.050 Nm, com possibilidade de sair de fábrica como 4×2 ou 6×2. A Iveco destaca que a nova versão do Tector nasceu ‘na rua’, na análise do dia a dia de empresas de coleta e manejo de resíduos, observando as peculiaridades e as demandas desse tipo de cliente. A empresa também ressaltou que foram mais de 30 mil horas de testes e reuniões com gestores de frota, motoristas e mecânicos que atuam com coleta urbana.

“Aplicamos os melhores conceitos de engenharia do mercado em componentes como o eixo trativo. Reforçamos diversos componentes e adotamos o sistema de controle de tração ASR para ampliar a segurança do usuário. Outro ponto importante é que a transmissão vem com duas marchas ré. Ao analisar o uso do caminhão na operação, ficou claro que a utilização da ré é intensa e, por isso, aplicamos essa evolução. Quando a ré é utilizada, o modelo tem disponível o “modo manobra” que é uma funcionalidade que permite ao motorista focar na direção, sem precisar se preocupar com os pedais”, explica Alexandre Jordão, gerente de Marketing de Produto da Iveco.

Outros destaques do modelo são o eixo traseiro reforçado, o novo sistema de freios, com maior potência, molas reforçadas, e para-choque mais curto, e pode receber implementos com capacidades para 15 a 19 metros cúbicos, sendo a versão maior disponível exclusivamente com tração 6×2 pusher.

O caminhão também conta, de série, com vidros elétricos, coluna de direção com regulagem de altura e profundidade e banco do motorista pneumático, além dos itens de segurança como controle de tração e hill-holder. O ar-condicionado e rádio são itens opcionais.

Transmissão Auto-Shift Vocacional

Principais funções para a missão de coleta de resíduos:

Pedal do acelerador otimizado: pedal de acelerador progressivo permitindo que o motorista encontre facilmente a melhor zona de torque do motor – proporcionando então uma condução mais econômica. Esse recurso é útil, especialmente em subidas.

Skip Gear: dependendo da carga, velocidade e inclinação da pista, o veículo faz trocas fora da sequência convencional.

Hill Holder: assistente de partida em rampa que mantém o veículo parado por 3s, facilitando a transição de tirar o pé do freio para o acelerador.

ASR: em condições de baixa aderência o sistema controla as rodas evitando que elas girem em falso.

Modo Manobra: basta que o motorista pressione um pouco o acelerador para o veículo começar a se movimentar com velocidade baixa e constante, sem trancos – útil em diversas aplicações, manobras em áreas urbanas e operações no aterro sanitário.

Low: existem dois modos de acionamento dessa função. A primeira é em conjunto com o freio motor, que acionando, passa a mensagem para o sistema que é necessário reduzir a velocidade, assim a transmissão reduz as marchas gradualmente, ajudando na frenagem do caminhão. O segundo modo de acionamento acontece quando a transmissão é acionada diretamente pela alavanca que fica no assoalho, independente de outros sistemas de frenagem, atuando na redução das marchas e freando o caminhão. A função Low preserva os sistemas de frenagem causando menos desgaste e mais segurança.

Duas marchas ré: em função da quantidade de operações do veículo em marcha a ré, contamos com duas relações para uma melhor operação do veículo nesta condição.

Rafael Brusque – Blog do Caminhoneiro

COMENTAR
CLIQUE AQUI PARA PARTICIPAR DO NOSSO CANAL DO TELEGRAM

Deixe um comentário sobre o tema!