Kenworth 900 de 1956 é salvo de ferro-velho e transformado em carro de passeio

A série Kenworth 900 é uma das mais bem sucedidas da montadora norte-americana. A produção começou em 1956, com o modelo 900, que, em 1961, foi atualizada para o W900. O W900 continua em produção até hoje, sendo um dos caminhões mais antigos ainda produzidos no mundo, apesar de ser um modelo completamente atualizado e tecnológico, mantendo apenas o visual clássico, como contamos em outro texto, que você pode ver no link abaixo.

Kenworth W900 ainda é produzido somente para agradar os caminhoneiros norte-americanos

Apesar do tempo em que essa linha está sendo produzida, e do sucesso em vendas, ver caminhões com mais de 30 anos ainda rodando nos EUA é algo raro. Por isso, um Kenworth 900, fabricado em 1956, que foi salvo de um ferro-velho, chama muito a atenção.

Com tantos anos de trabalho, e um fim que não era digno, o atual proprietário resolver transformar o antigo caminhão em um carro de passeio. Por isso, a suspensão foi rebaixada, e as rodas cromadas receberam pneus de perfil baixo, quase encostando o caminhão todo no chão.

Além de muito cromado, o caminhão mantém a cabine com a cor surrada pelos anos, contendo um pouco de ferrugem. Por dentro, todo o interior foi refeito, com tecidos de alto padrão, sem deixar de lado a personalização, como o volante adornado com uma caveira brilhante e os mostradores novos, contrastando com a cor desbotada e ferrugem do painel. O teto também tem alto-falantes poderosos. O motor é um Cummins, acoplado à uma transmissão automática Allison.

Apesar de não ser um caminhão que agrade a todos os caminhoneiros, não dá para não elogiar o proprietário por ter salvo o caminhão de virar sucata em um ferro-velho.

Rafael Brusque – Blog do Caminhoneiro | Fotos Autoevolution

Deixe um comentário!

Caminhoneiros estão cada vez mais procurados pelas transportadoras Caminhoneiro recém contratado depena caminhão nos EUA Eficiência dos motores diesel chega a um novo patamar Projeto quer acabar com valores de fretes muito baixos Montagem de caminhões no Brasil segue em alta