Governo volta a estudar bolsa-diesel de R$ 400,00 para caminhoneiros

O Governo Federal voltou a discutir a criação de um programa para tentar reduzir o impacto dos seguidos aumentos do diesel para os caminhoneiros. Defendido pelo Presidente Jair Bolsonaro desde o ano passado, o auxílio pretende pagar R$ 400,00 por mês para caminhoneiros autônomos. Além dos caminhoneiros, poderão ser incluídos no programa taxistas e motoristas de aplicativo, como Uber, por exemplo.

O custo total esperado para um programa desse tipo para os cofres públicos é de R$ 1,5 bilhão até o final de 2022. A ideia inicial era pagar um valor de acordo com a quilometragem rodada por cada motorista, mas o que é mais esperado agora é um programa com valor fixo.

O maior problema para a implantação desse tipo de medida para o Governo é ficar dentro do teto de gastos. Para muitos envolvidos nas discussões dentro do Governo, a criação desse programa é apenas uma medida paliativa, que não teria eficácia a longo prazo, e que não resolveria o problema central, que é o aumento do valor dos combustíveis no mercado internacional, impactando o Brasil.

Anúncio em 2021

O programa foi anunciado inicialmente em fevereiro de 2021, mas não saiu do papel. Na ideia inicial, a quilometragem e o consumo de diesel seriam calculados, e quando o preço do diesel subisse, os caminhoneiros receberiam do governo uma restituição do valor equivalente ao Pis-Cofins sobre o diesel.

Essa seria uma saída mais barata para o governo do que zerar totalmente os tributos para toda a população. A criação desse programa já foi cogitada durante o governo de Michel Temer, após a greve ocorrida em maio de 2018.

O presidente também fez o anúncio da criação do programa em outubro do ano passado, durante uma viagem para Pernambuco. A proposta seria dar o auxílio de R$ 400,00 para até 750 mil caminhoneiros.

Com o preço médio do diesel na casa de R$ 7,30, o valor de R$ 400,00 seria suficiente para apenas 54 litros de diesel. A maioria dos caminhões tem tanques pelo menos 6 vezes maiores do que isso (300 litros), sendo que alguns chegam aos 1.000 litros de capacidade.

Rafael Brusque – Blog do Caminhoneiro

2 comentários

RENÊ COSTA 28/05/2022 - 13:45

O GOVERNO NÃO SABE QUE A CARRETA LS CARREGADA CHEGA A FAZER.MEDIA CONSUMOS QUE VARIAM DE 1,7 LITROS DE ÓLEO DIESEL PARA 1 KM RODADO . QUE PNEU CUSTA RS 3.000,00 A UNIDADE .QUE UMA TROCA DE ÓLEO FILTROS CUSTA ATÉ MAIS DE RS 1.200,00 DEPENDENDO DO CAMINHÃO. QUE AINDA TEM O CONSUMO DO ARLA . INDÚSTRIAS DAS MULTAS ABSUIVAS, PEDÁGIOS CARÍSSIMOS, FALTA DE SEGURANÇA NAS RODOVIAS BRASILEIRAS E ABUSOS DE AUTORIDADES COMETIDOS PELA PRF. ROUBOS CONSTANTES DE CARGAS E CAMINHÕES NAD RODOVIAS BRASILEIRAS. FALTAM PONTOS DE APOIOS AOS CAMINHONEIROS AUTÔNOMOS PARA DESCANSOS E QUE A MAIORIA DOS POSTOS COMBUSTÍVEL COBRAM A ESTADIAS.EM FIM O GOVERNO FEDERAL BRASILEIRO NÃO SABE NADA SOBRE CAMINHÕES E CAMINHONEIROS BRASILEIROS.!!!

Reply
RENÊ COSTA 27/05/2022 - 22:19

DE BOA INTENÇÃO O INFERNO ESTÁ CHEIO!!! ESSE GOVERNO BOLSONARO INCOMPETENTE NÃO RESOLVEU NADA ATÉ HOJE EM RELAÇÃO AOS CAMINHONEIROS BRASILEIROS, É AGORA NA ÉPOCA DE ELEIÇÃO PARA GANHAR VOTOS FICA INVENTANDO ESMOLAS PARA TODOS CIDADÃOS BRASILEIROS . ASSISTENCIALISMO FALSARIO NÃO LEVA NINGUÉM A NADA E A LUGAR NENHUM , TRADUZINDO É SÓ POBREZA GERAL.

Reply

Deixe um comentário!

Auxílio de R$ 1.000 para caminhoneiros é aprovado Conheça os detalhes do projeto Roda Bem Caminhoneiro Scania já teve 13 séries especiais no Brasil Conheça a nova série especial da Scania O Royal Eagle é um Scania 143 como você nunca viu