Mais da metade dos caminhoneiros brasileiros já sofreu calote no pagamento do frete

Uma pesquisa feita com 1.500 caminhoneiros de todo o Brasil pela Fretebras, maior plataforma de transporte de cargas da América Latina, revelou que mais da metade dos entrevistados (53,6%) já ficou sem receber o saldo do frete, mesmo após ter concluído a entrega da carga. A prática comum do mercado é das empresas adiantarem de 70% a 80% do valor do frete aos motoristas contratados e o restante, após a entrega. Porém, segundo o estudo, na maioria dos casos (47,8%) o calote no pagamento do saldo aconteceu mais de uma vez.

Atenta a essa realidade desde o ano passado, a Fretebras decidiu incorporar à sua conta digital um novo serviço que tem como meta final eliminar os calotes do mercado. Este novo serviço foi lançado no segundo semestre de 2021 e foi batizado de “Saldo Garantido”. Com o benefício, a Fretebras afirmou ter recuperado mais de R$ 1,6 milhão para caminhoneiros de todo país. “A situação dos calotes sempre nos preocupou. Com o Saldo Garantido, fomos capazes de eliminar totalmente o risco de o motorista ficar sem receber”, explica Thiago Chueiri, diretor de fintech da Fretebras.

Segundo a Fretebras, o fato mais preocupante da pesquisa foi que 65% dos entrevistados não costumam adotar nenhum tipo de medida para evitar o calote no saldo do frete. Dentre aqueles que afirmam tomar alguma medida para se proteger, a mais comum é o registro das informações da negociação, o que não traz garantias efetivas. Apenas 20% afirmou assinar um contrato de trabalho.

“O Saldo Garantido é um direito do caminhoneiro que busca fretes na nossa plataforma e recebe o adiantamento por meio da nossa conta digital. Caso o calote aconteça, nós nos encarregamos de garantir que o motorista receba o que lhe é devido”, reitera Chueiri. O diretor explicou que a função não se trata de um empréstimo, mas sim uma garantia de recebimento que a Fretebras oferece ao motorista parceiro.

A pesquisa da Fretebras revelou ainda que os calotes são mais frequentes no Sudeste, já que 57% dos respondentes da região afirmaram terem sofrido com a falta de pagamentos. Em seguida, 56% dos entrevistados do Sul confirmaram que passaram pela mesma situação. As menores incidências foram registradas no Centro-Oeste e Norte, onde menos da metade dos motoristas foram vítimas do calote no saldo do frete. Ainda assim, os números do estudo revelam um cenário preocupante.

“A conta digital da Fretebras foi criada justamente para atender as necessidades dos caminhoneiros, por isso, ela é adaptada com soluções financeiras pensando na jornada do frete. Estamos comprometidos, desde o início, em melhorar as condições de trabalho dos caminhoneiros”, finaliza Chueiri.

A Fretebras adiantou que, ainda em 2022, lançará novas funcionalidades na conta digital, como uma nova rede parceiros com descontos exclusivos e até seguro para os caminhoneiros.

Deixe um comentário!

O Royal Eagle é um Scania 143 como você nunca viu T112MC – Scania desenvolveu modelo exclusivo para a Nova Zelândia Você lembra do seriado “As Aventuras de BJ” nos anos 1980? Caminhões chineses são equipados com cabine de modelo da década de 1970 Conheça o transporte Piggyback, muito usado nos Estados Unidos