CaminhoneiroDestaquesNotíciasNotíciasRodovias

Homens com idade entre 36 e 50 anos são as maiores vítimas de acidentes de trânsito no transporte de cargas

De acordo com o relatório Acidentes de Trânsito no Transporte de Cargas: Estatísticas e Prevenção, desenvolvido pelo Instituto Paulista do Transporte de Carga (IPTC), homens na faixa etária de 36 a 50 anos são os que mais sofrem acidentes no trânsito, com uma incidência de 90,2%. Em comparação, as mulheres aparecem com 6,2% dos casos, e em 3,8% dos acidentes o gênero não foi informado ou foi ignorado, como consta no relatório. Pessoas entre 21 e 35 anos também aparecem no relatório, representando 25,8% dos casos.

A explicação para tal fenômeno é a predominância dos homens no setor, já que representam maior porcentagem em cargos no transporte, além das diferenças comportamentais ao volante. Apesar da tendência de atribuir acidentes no trânsito a falecimentos, esta é a menor consequência, com 4% dos casos. Dos acidentes sofridos, 61,8% saem ilesos, e lesões leves apresentam cerca de 21,5%.

Para Ricardo Henrique, analista de dados do IPTC, as principais causas de acidentes no transporte rodoviário de cargas são atreladas a reação tardia, a imprudência e a baixa qualificação dos motoristas, problemas mecânicos no veículo, condições climáticas adversas e a infrações de trânsito. Para ele, a prevenção é a chave para evitar incidentes e para tornar o setor ainda mais seguro para os colaboradores.

“As empresas do segmento de transporte rodoviário de cargas têm trabalhado para reduzir esses índices por meio de várias iniciativas, incluindo investimentos em treinamento contínuo para os motoristas, abordando temas como direção defensiva, segurança no trânsito, prevenção de acidentes, manutenção preventiva e regular dos veículos e tecnologia de segurança, como o sistema de frenagem de emergência, controle de estabilidade e assistência à condução”, enfatiza Henrique.

As análises contemplam a região ou as estradas onde mais acontecem esses acidentes, e os casos normalmente ocorrem na BR-116 e BR-101 devido à falta de infraestrutura dos locais, que são de responsabilidade do poder público.
“É importante que o poder público possa estar alinhado com o setor do transporte de cargas a fim de obter a melhor gestão do setor, uma vez que o transporte movimenta mais de 65% das mercadorias produzidas no país. O poder público pode agir em diferentes frentes para melhorar a logística e a segurança dos motoristas do transporte rodoviário de cargas (TRC), atuando em frentes como fiscalização, melhoria da infraestrutura, campanhas educativas e incentivos para segurança”, comenta o analista.

De maneira geral, a saída para a diminuição dos índices de acidente pode estar atrelada a uma abordagem que envolva empresas do segmento e o poder público. Isso inclui investimentos em educação, em conscientização e em tecnologia de segurança, além de garantir que as estradas estejam em boas condições e que as leis de trânsito sejam rigorosamente aplicadas.

“A cultura de segurança no transporte rodoviário de cargas deve ser fortalecida para que os motoristas e as empresas estejam comprometidos em seguir práticas seguras e responsáveis no trânsito. Além disso, é fundamental uma colaboração entre todos os envolvidos para promover um fluxo mais seguro e consciente”, finaliza Ricardo.

Rafael Brusque - Blog do Caminhoneiro

Nascido e criado na margem de uma importante rodovia paranaense, apaixonado por caminhões e por tudo movido a diesel.

Deixe um comentário!

Consumo do Tesla Semi surpreende Conheça as oito personalidades da Ford F-150 Conheça o Ford Thorco – O caminhão de dois motores Conheça 8 dicas para evitar quebras no seu caminhão Conheça as cores preferidas dos caminhões DAF