Analise de um Autônomo [Especial Greve]

por Blog do Caminhoneiro

142

Quando eu era criança em meados de 1997/2000, era fácil de você colocar um sorriso no meu rosto e me deixar alegre o dia todo, era só arranjar de alguma maneira um jeito de eu ver um caminhão novo, de preferência de alguma cor diferente e poder ficar horas “babando” em volta dele, ou até mesmo cruzar com algum na pista já me deixava horas distraído pensando naquele caminhão.  Talvez você esteja pensando “então era fácil fazer você sorrir”, não, muito pelo contrario, naquela época ver um caminhão novo era a coisa mais difícil, quanto mais um caminhão novo, diferente, de um motorista autônomo ou pequena transportadora que, geralmente pedia em cores diferentes do monótono branco. Hoje em dia quer me fazer sorrir, me de um cartão de crédito sem limites e tempo para gastar o dinheiro (hahahaha), brincadeiras a parte, hoje a situação se inverteu, eu não perco mais 1 min. olhando um caminhão novo mas perco horas vendo um antigo bem cuidado. As estradas estão lotadas de caminhões novos de todos os tipos e cores, e com isso a graça se perdeu.

Fiz essa introdução para falar de um assunto que para muitos é a melhor coisa que ocorreu, para outros um castigo árduo e para alguns o fim de uma história. O conjunto de programas criados pelo governo Lula em meados de 2005/2006 chamado de PAC (programa de aceleração do crescimento) tinha atrelado a si um programa para “ajudar” o transportador chamado Pró-Caminhoneiro, um programa que visava a fácil abertura de credito com taxas de juros baixíssimas jamais vistas para caminhões. Atitude bem pensada, já que as obras do PAC precisavam ser abastecidas e a frota nacional precisava ser renovada/aumentada. No papel o programa que iria colocar a classe dos caminhoneiros e transportadores nas nuvens, porém não foi o que ocorreu.

Os problemas e melhorias foram varias, a curto e longo prazo, citarei alguns a baixo.

A burocracia imensa para autônomos conseguirem a linha de financiamento e em contrapartida as empresas co CNPJ conseguiam seu credito de maneira bem menos burocrática, fazia com que as montadoras recebessem pedidos de 100, 200, 300 caminhões de uma vez só, e os autônomos desanimavam na burocracia do programa, e o pior, via seu trabalho ser tomado pelas grandes empresas, causando baixa nos fretes.

Com a demanda altíssima de produtos (caminhões e carretas) a qualidade baixou consideravelmente, antigamente um caminhao 1996, bem trabalhado, rodava 1 milhão de Km sem precisar abrir o motor ou coisa parecida, hoje há relatos de caminhões novos tendo que abri motor com 100 mil Km, embreagem que não chega aos 40 mil Km. Fora a parte estética que melhorou no design porém a parte de qualidade dos materiais ficou péssima, painéis com plásticos que mais parecem uma casca de ovo, lataria que se amassa com facilidade, pintura que queima nos primeiros meses de uso entre outras coisas.

Patio da Fabrica da Scania em 2013!

Patio da Fabrica da Scania em 2013!

A alta demanda de caminhões provocou a alta demanda de motoristas, e como os caminhões baixara sua qualidade a qualidade dos motoristas não poderiam ser diferente. Motoristas que se acham dono da estrada, usam drogas, mal educados, coisas falarei em um post futuro.

A burocracia no dia a dia também aumentou. Autônomos tem que garimpar bons fretes em agencia de cargas, e rezarem para não precisar de CNPJ para carregar . Para não terem este problema a solução é se agregar a uma grande transportadora e ser “empregado” da mesma, e não ter mais aquela liberdade que um autônomo tinha.

Os postos de combustível ficaram superlotados, ao ponto de as 23;00h na maioria do território nacional você não conseguir achar um local para descansar com facilidade.

Patio de postos e portos lotados!

Patio de postos e portos lotados!

Ok, falando um pouco das melhorias, aumentou o emprego em vários setores, setor de fabricação, setor de montagem, motoristas, chapas, frentistas, uma infinidade de empregos diretos e indiretos. As montadores cresceram, houve um maior investimento, montadoras novas vieram para o Brasil entre outras coisas.

Porém a propaganda não era essa, quando o então ex presidente Lula subiu no palanque para anunciar o programa ele disse bem assim “Eu garanto então que aquele caminhoneiro autônomo poderá trocar seu caminhãozinho velho por um novo, para melhorar o seu ganha pão”. O que eu vejo hoje é uma coisa bem diferente, vejo um caminhoneiro autônomo subsidiado a uma grande transportadora, os que conseguiram trocar seu caminhão esta atolado na divida e não aguenta pagar, aquele autônomo que na época tinha um caminhão do ano, trocava seu caminhão sempre, hoje continua com o mesmo, se trocou esta ralando para pagar a prestação.

Dentre todas essas situações tem uma que me chama muito, mais muito a atenção, o fato de que aquelas transportadoras que antes compravam caminhões novos, de tradição, (antes do pró caminhoneiro) hoje estão enfraquecidas, muito poucas se aventuraram a comprar centenas de caminhões, e algumas transportadoras novas (que antes nem existiam) hoje tem 500, 600 até 1000 caminhoes.

Patio de uma transportadora que hoje não existe mais!

Patio de uma transportadora que hoje não existe mais!

Agora com as normas do Proconve 7 o mercado deu uma esfriada, porém não parou de crescer, o jeito agora vai ser diminuir a carga horária do motorista, alegando que ele esta cansado, para melhorar para ele? Não, para vender mais caminhoes.

Confesso que todo dia eu paro uns 5 minutos para pensar no que que vai virar esse ramo de caminhão, porque se aquele que sempre andava com suas contas em dia, tinha experiência no ramo hoje não paga suas contas? como aquela empresa com 5 anos de experiência tem 1000 caminhões? E depois aonde isso vai parar? Se ninguém esta aguentando pagar, como as bancos vão agir?

Quem entende diz que para as empresas os bancos sempre dão um jeito, e para o autônomo o jeito é tomar o caminhão mesmo. As que eram grande não se arriscam pelo mesmo motivo do motorista autônomo que era controlado, sabe que a coisa tende a piorar, e prefere ficar quieto no seu canto.

Greve seria a solução?

Greve seria a solução?

Para encerrar, eu só quero que amanha ou depois os verdadeiros trabalhadores, pioneiros do transporte sejam valorizados da maneira que merecem, de uma maneira justa e verdadeira, e não apenas de propagandas e papeis.

Obrigado

Hélio David

COMENTAR

QUER ENTRAR EM CONTATO COM O BLOG DO CAMINHONEIRO? ENVIE UMA MENSAGEM CLICANDO NO NÚMERO ABAIXO

042-98800-6519

Artigos relacionados

5 comentários

Tulio 09/12/2013 - 23:46

saudades de viaja com um 112 faxinha cinza do pai ano 1985,quando eu tinha uns 6,7 anos era tudo tao legal o pai contente com os fretes,preço do diesel nao era tao caro,tinha menos transito significando menos extres,ano passado fui viaja com 17 anos com ele de 113 é uma vergonha o geito que eles tratão os motorista.acho que as vezes um cachorro passa melhor,ainda vem uns moleque achando que é só usar drogas e rebites que ta tudo bem so que nao deve funcionar assim,meu pai nunca preciso usar drogas nem nada do tipo,ja teve que roda até a 1 hora da manha ou mais mas faze o que.só acho que deveria haver mais respeito entre os colegas de estrada, e o governo investir melhor em infraestrutura.tem postos hj q tem que abastece um absurdo pra consegui encosta seu caminhao socegado.eu sei q tem mais problemas mas o que eu queria falar era isso e obrigado pela atenção

Reply
Maurício Cainelli 09/12/2013 - 22:09

A foto dos cinco 112H é na primeira sede da concessionária Scania, Brasdiesel, cidade de Caxias do Sul – RS

Reply
Hélio David 09/12/2013 - 22:11

Sim, mas segunto informaçoes da fonte eram de uma transportadora que hoje esta extinta!

Obrigado pelo comentario!

Reply
Fernando Jh Barbosa 09/12/2013 - 16:07

ja que esse pais so fuciona na pressao, vamos mostrar a esses governantes o que nossa classe pode fazer vamos parar tudo.

Reply
Fernando Jh Barbosa 09/12/2013 - 16:05

se consiguiram parar o pais e baixar a passagem de onibus nas grandes cidades porque nao os caminhoneiros e transportadores nao reividicarem seus direitos.

Reply

Escreva um comentário