Classe dos “Mautoristas”!

quebra asa

Discussões sobre motoristas dando quebra de asa, usando drogas, alterando seus caminhões estão cada vez mais constantes na mídia. Aproveitando o momento, resolvi escrever um texto sobre a minha opinião sobre a maioria (e não toda) classe estradeira.

O texto pode ficar longo, mas não teria como eu resumir em poucas palavras o que acho da classe dos motoristas de caminhão de hoje em dia.

Há uns 9 meses atrás eu estava tranquilo em casa, assistindo TV quando recebi uma ligação do meu pai, bem frustrado, nervoso que quase não conseguia falar ao celular, me pedindo para anotar o numero da frota de um caminhão, um telefone e sua respectiva placa e modelo, e me explicou o que havia ocorrido para eu então repassar a transportadora do veículo portador da frota X. Segue o que ocorreu e o que eu relatei  ao gerente da transportadora:
“Meu pai estava conduzindo uma combinação de caminhão mais carreta bitrem carregado com 37 ton. de ácido sulfúrico quando entrou em uma região com bastante declives e aclives (subidas e decidas), a estrada não possuía acostamento, com velocidade controlada de 80Km/h meu pai não passava dos 83, quando viu que havia um caminhão X querendo ultrapassa-lo de qualquer maneira, meu pai não podia fazer nada, pois não havia acostamento nem espaço que dava tempo do veículo X Ultrapassa-lo. O veiculo X tentava de todas as maneiras, saia, voltava, saia, até que em uma tentativa perigosa conseguiu ultrapassar meu pai, porém o motorista que conduzia o caminhão X achava que era obrigação do meu pai sair para o acostamento, e resolveu se vingar. Em um dos aclives mais acentuados ele diminuiu a velocidade e quando meu pai se aproximou (na primeira metade do aclive) ele freou seu caminhão, obrigando meu pai a parar encima da pista, em um aclive, carregado, se não fosse a pericia adquirida depois de 40 anos de estrada do meu pai ele teria danificado a parte mecânica do caminhão ao tentar arrancar no aclive, ou na pior das hipóteses se desesperado e sofrido um grave acidente.”

Passado o numero da frota e da placa do caminhão X, o gerente da empresa Y já me informou quem era o motorista, que ele já havia recebido outras reclamações e que ia tomar medidas drásticas (e tomou), depois de algum tempo fui informado que o motorista ganhou suas contas e estava desempregado.

Esse fato ocorreu com a pessoa mais próximas da minha vida (meu pai), mas eu vejo toda semana, todo dia, fatos envolvendo motoristas de caminhão dando “quebradas de asa” usando drogas, e fazendo coisas longe de serem consideradas atitudes de um profissional. Me da raiva, e ao mesmo tempo eu acho graça, de motoristas que acham bonito sair dando quebrada de asa, vestindo mascaras para apavorar na pista (e depois sair inventando história que foi os PRF que mandou ele vestir, por favor né?). Eu acho bonito caminhão equipados, arqueados, “qualificados” como dizem por ai, mas isso não é sinônimo que você tem que correr, sair jogando os outros para o acostamento, entre outras babaquices que esses “ninjas” se acham no direito de fazer.

Show de sujeira!
Show de sujeira!

E como se não bastasse a falta de educação na estrada, esses motoristas podem dar aula de “má índole” por onde param, já cansei de ver e ouvir histórias de motoristas destratando caixas de posto, balanceiros, porteiros entre outros profissionais que tem de conviver com eles. Se vestem mal, hoje todo restaurante de beira de estrada tem um aviso “proibido entrar sem camisa”, isso não precisava de ter, é questão de bom senso, mas garanto que se você tirar, um motorista entra sem camisa no seu restaurante.

Pelo salário que ganham (no mínimo 2300 R$) os motoristas tinham de ter no mínimo uma boa educação, suas condições de trabalho não são das piores (nem as melhores), porém tem muito profissional por ai que recebe nem a metade do que um motorista recebe, tem um trabalho dez vezes mais insalubre  e tem cem vezes mais educação. Ficar longe de casa não é desculpa pra nada, afinal, você que escolheu essa vida, viajar não é ruim, pelo contrario você fica rico em cultura, conhece lugares e pessoas novas (sei isso por experiência própria). Mas não tem jeito, o motorista viaja, fica mais e mais ignorante, se acha o dono de tudo e de todos.

Depois muitos vem me falar da valorização da classe dos motoristas, e eu digo só uma coisa, “valorização do transportador, e não do motorista, o motorista já é muito bem valorizado”. E SIM é valorizado, porque hoje querendo ou não na grande maioria do território nacional temos estradas com infraestrutura mínima para atender os motoristas, temos caminhões com tecnologias iguais as Europeias com luxos pouco vistos em carros Premium, diferente de antigamente que era só estrada de chão, caminhões com caixa seca e com suspensão de trator. Valorizado tem de ser o transportador, que entrega um bem de 450 mil á 1 milhão de reais na mão de um ser humano que não tem ensino fundamental completo e acha que tem direito a tudo acima de todos (sem falar nas leis trabalhistas que os asseguram de tal “fato”), e saem dando quebrada de asa, usando drogas e colocando em risco famílias inteiras.

Imagem cada vez mais rara de se ver nas estradas!
Imagem cada vez mais rara de se ver nas estradas!

Confesso que já fui um defensor da classe, falava que não era assim, que a classe era boa, porém a gente cresce e vê as coisas com outros olhos, e confesso que cada dia fico mais triste com as coisas que vejo.

Saudade do tempo em que os caminhoneiros eram companheiros, de almoçarem nas gavetas de cozinha, reunidos, tomando chimarrão ou café, no tempo que não existia drogas, que o radio PX era uma ferramenta de ajuda e amizade e um meio de comunicação com a família, e não uma ferramenta de discórdia e xingamentos que é hoje. Saudade do companheirismo, das boas histórias e da velha imagem dos motoristas, motoristas como foi meu pai, e muitos pais de leitores por ai, verdadeiros Caminhoneiros.

Cada dia mais pego mais nojo dessa classe chamada MOTORISTA, que tinha tudo pra ser unida, mas não é, que é bem remunerada mas não da valor no que tem, que tem tudo para ser educado e valorizado, mais não faz a mínima questão de aprender a se valorizar.

Nesse ultimo parágrafo queria dizer que por mais que eu ame caminhões, cada dia mais eu penso em ter 1 ou 2, para deixar guardado na minha garagem, e sair com ele quando quiser. Aquela imagem que o pessoal tinha dos motoristas, não eram motoristas, eram Caminhoneiros, Caminhoneiros que cada dia mais se transformam em figuras Folclóricas da nossa cultura popular, e dão lugar a Motoristas que fazem parte das paginas policiais!

Obrigado!

H. David




21 comentários em “Classe dos “Mautoristas”!

  • 29/11/2018 em 05:53
    Permalink

    infelizmente vc foi infeliz em um de seus comentários, os maus profissionais existem em todas as áreas, principalmente drogados, estressados e sem educação, caso vc discorde da minha opinião, me aponte uma profissão que não tenha maus funcionários ou colaboradores! !!!!….Ainda bem que existem esses jovens ” ninjas “como vc relatou, isso é fase e depois de um tempo acaba, igual esses playboy de cidade grande que usam drogas ou ingerem bebida alcoólica e saem pra rua fazendo racha e cometendo acidentes graves…!!! Mas é mais fácil achar defeito em quem trabalha e sempre foi criticado! ….de qualquer forma eu respeito a opinião de todos Obrigado

  • 20/07/2014 em 23:01
    Permalink

    Nesse momento em que escrevo esse comentário , a televisão está mostrando uma criança de no máximo uns 8 anos de idade cantando e dançando uma musica cujo nome eu não faço a menor ideia e que fala de uma garota que bla bla bla bla , enfim pura baixaría .
    Essa nova cultura que se apresenta e que é amplamente absorvida está afetando e em muito todos os segmentos da sociedade e o nosso devido ao ostracismo em que o caminhoneiro acredita viver é afetado de forma grave , pois o sujeito acredita que longe da sua cidade ele pode fazer o que bem entender , mesmo porque a punição é rara , já presenciei velhos sendo presos com meninas dentro da cabine pondo a perder décadas de casamento e todo o respeito que possivelmente tinha , Malucos que se diziam ninjas chorando como crianças e implorando por socorro quando presos nas ferragens de acidentes que eles próprios causaram , e coisas do tipo.
    Acredito que jamais veremos novamente verdadeiros estradeiros rodando por este país , existe uma pequena parcela de estradeiros que ainda insiste em sobreviver mas que aos poucos vai dando lugar aos aventureiros que não tem a menor ideia do que é transporte rodoviário de cargas.
    Cenas como esta narrada pelo autor são praticadas por minuto , basta ir para estrada e lá vem um para ameaçar a sua segurança , acredito como brasileiro , casado , pai e avô , e cumpridor de minhas obrigações que estamos em um caminho suicida , não só a categoria como toda a sociedade.

  • 26/05/2014 em 17:45
    Permalink

    valorização do transportador não é aqui vc fez uma reportagem que motoristas ganhavam 5000 por mês vc é muito mal informado.publicando reportagens tendenciosas sem nenhuma imparcialidade vc deve ser daqueles caras que na falta de opção optou por trabalhar em algum escritório de logística que se baseiam em dados e não em pessoas. e como diz um grande filósofo “TODA UNANIMIDADE É BURRA. vc fala de uma grande maioria sabe de nada inocente se a maioria for como vc fala hoje seria o dobro triplo de acidentes que acontecem nas estradas seu blog não nos representa saia campo e não fique atrás de uma escrivaninha .fica aqui minha indignação.

    • 27/05/2014 em 13:15
      Permalink

      Bom cara, sou tão unanime que meu pai é caminhoneiro, que pega a estrada!
      Voce esta quase certo sobre o que eu faço, na verdade sou engenheiro e trabalho na Adm da nossa transportadora (minha e do meu pai) que tem mais de 20 anos de existencia e os maiores problemas enfrentados até hoje foi justamente por causa de motorista!
      E se eu não tivesse “moral” pra falar disso, eu não teria essa coluna, ou muito menos teria tantos elogios. É só ver nos comentarios que estradeiros que estão “a campo” como vc diz, e ver o que eles acham!

      Abraço!
      Obrigado pela visita e comentario!

      • 12/12/2018 em 09:39
        Permalink

        Como o colega disse: maus profissionais existem em todas as áreas, se não fosse assim seríamos um paip desenvolvido. Respeito sua indignação com o que ocorreu com seu pai, mas daí generalizar e dizer que tem nojo da classe de motorista não condiz com a realidade pois nem todos somos essa figura que você descreve. E se realmente sua opinião é essa sobre todos os motoristas, que feche sua transportadora e mude de ramo, tente não depender mais da mão de obra de um motorista profissional.

  • 12/04/2014 em 10:26
    Permalink

    Culpa dos empregadores, contratam todo tipo de gente. Existem mautoristas por ai que só de olhar vc se já sabe que é tranqueira. Pessoal sem a mínima condição de se apresentar como transportador de uma empresa. Reis da imundice na estrada, nos postos de abastecimento, nos próprios caminhões. E não estou falando de jovens apenas, mas de muitos velhos sujismundos. Que ao parar em meio aos outros assustam, pelo comportamento, sujeira pessoal e o palavrório. Na nova leva de jovens motoristas, os que mais me assustam na estrada são os cegonheiros e caçambeiros ninjas. Eita setores que estão repletos de malucos hj em dia. Quanto a salários, creio ainda estar muito abaixo do ideal, mas isto se falando de profissionais competentes. Já os tranqueiras se sujeitam e acham maravilha o que ganham, pois dá para a cachaça, putas,travestis e cheiras o pó de cada dia.
    Já se foi o tempo de encontrar um Sr Mulita (Terra de areaia RS) no patio fazendo almoço coletivo em sua caixa de cozinha, dando risadas e conversando o que preste.
    Agora é tudo ninja, e os que ainda não são desejam ser.. Por isto a falta de motoristas em empresas, pois estão a selecionar melhor seus quadros. Mesmo assim as vzs contratam …TRANQUEIRAS.

  • 01/04/2014 em 12:22
    Permalink

    Parabéns pelo comentário. Também sou caminhoneiro e você disse tudo sobre a realidade das estradas. Os que se chamam de ” ninjas ” fazem as besteiras e usam a desculpa que carregam o Brasil nas costas. Os salários ultrapassam o nível técnico, dependendo da área, até o superior. Mas a mentalidade e atitude de muitos é de crianças do jardim de infância.

  • 14/01/2014 em 16:03
    Permalink

    Parabéns pelo tema abordado, mas peço a permissão para discordar de alguns pontos. Nossa infraestrutura ainda precisa melhorar, e muito, se os caminhões melhoraram nos últimos anos (aprendi a gostar de caminhão em um MB 2013!), as estradas, a segurança e a remuneração, entre outros pontos, ainda deixam a desejar. Em relação aos “mautoristas”, o fato é que profissionais irresponsáveis e de conduta duvidosa existem em todas as categorias e desde sempre, provavelmente são resultado da falha na educação, não aquela da escola, mas a educação que devia vir do lar. Acho que precisamos melhorar a sociedade, começando por nós mesmos, pois o que acontece nas estradas é só reflexo de todo o resto. E por fim, tenhamos cuidado com a influência dessas matérias fáceis e tendenciosas vinculadas na mídia em geral. O negócio deles é pontos no IBOPE, e falar mal de caminhoneiro é boa audiência sempre… Infelizmente!

  • 11/01/2014 em 19:12
    Permalink

    Apenas uma ressalva. Acho que as condições de trabalho ainda não são boas e a remuneração também. Aí começa a atrair bandidos para a profissão e na falta de coisa melhor, os bandidos vão se firmando. E bandido não é só novato, tem cara com mais de 30 anos de estrada que também não vale nada.

    • 29/03/2014 em 11:52
      Permalink

      concordo com você Fabio as condições de trabalho não são boas e a remuneração também tem que melhorar e muito falo por Experiencia própria

  • 10/01/2014 em 12:52
    Permalink

    Meu sonho desde criança foi ser caminhoneiro acho a profissão muito bonita mais ultimamente tem uma galerinha levando para o lado errado fazendo apologia a drogas e outras coisas mais e esquecem que com a estrada não se brinca tem que ser levado a sério e pensar nos outros tambem muito interessante a matéria quela proteção e tudibãoooo

  • 09/01/2014 em 22:14
    Permalink

    Gostaria de dar os parabéns pela matéria! Infelizmente estamos vendo muita coisa errada nessas estradas. Tenho 28 anos de idade, um jovem caminhoneiro apaixonado pelo tapetão, na minha família tem vários parentes na mesma profissão, principalmente meu pai (meu Herói). Tenho muito orgulho de ter a profissão que tenho, obstáculos e dificuldades existem, e temos que vence-las.
    No Brasil, há milhões de profissionais da estrada, e acredito com toda certeza que a maior parte pertence aos BONS CAMINHONEIROS!! Devemos nos unir e não deixar acabar com nossa classe, vamos juntos conservar o que nossos pais e avós construíram, que é o COMPANHEIRISMO E RESPEITO NA RODAGEM!!

    TUDU D BAUMMM!!!

  • 09/01/2014 em 10:29
    Permalink

    eu concordo com muitas coisas aqui descrevida pelo amigo so nao concordo com o motivo de a pessoa nao ter ensino fundamental e ser classificado como inresponsavel e sem respeito …respeito e carater nao se aprende na escola vem de berço eu conheço medicos q tratam mau seu pacientes e tem estudo se formaram estudaram em universidades e tambem nao tem respeito pelo proximo ..entao acho q estudo nao quer dizer bom carater …

  • 08/01/2014 em 22:02
    Permalink

    Brito Junior, vc chamou de colega entre aspas, entendi.
    A qualificação deles É NÓIAS, fantasiados de motoristas.
    Cambada despreparados.

  • 08/01/2014 em 18:17
    Permalink

    tem cada “colega” por ai que da até medo de olhar para ele !!!!!! kk

  • 08/01/2014 em 16:57
    Permalink

    Concordo com você em tudo que foi dito na matéria. Hoje tenho 24 anos, sou habilitado com categoria E e filho de caminhoneiro, sou um verdadeiro apaixonado por caminhões e tenho muita vontade de ser um caminhoneiro porem a cada dia que passa tento afastar com mais força essa vontade, pois vejo que não vale mais a pena sonhar com uma profissão que não tem destino, não sabemos mais o que vai ser dessa classe, com a quantidade de caminhões rodando, com a crescente falta de respeito entre os motoristas e os riscos de sair de casa e não voltar mais, sinceramente me sinto triste em me forçar a não pensar mais na profissão, a qual sempre achei bonita pela responsabilidade de se conduzir um caminhão de grande porte e poder ser chamado de motorista, porem hoje o senário é outro, o motorista esta ficando cada vez taxado de mal educado e ignorante, e sinceramente não é desta maneira que quero ser visto na profissão.

  • 08/01/2014 em 14:32
    Permalink

    vc esta de parabens mais faltou vc postar que quando um motorista qualificado digo caminhoneiro não concorda com algo no meu caso é chamado de velho,mesmo assim hoje bem claro no meu caso esta uma grande dificuldade de se arrumar emprego,pois muitas empresas preferem com idade de 25 a 45 anos e se vc tem mais não é aceito nas transportadoras . um grande abraço

  • 08/01/2014 em 13:53
    Permalink

    Parabéns pela matéria. Falou tudo!

  • 08/01/2014 em 12:07
    Permalink

    Parabéns você falou a verdade concordo em tudo!!!

  • 08/01/2014 em 11:37
    Permalink

    Bom dia, concordo com você em tudo o que você comentou, principalmente porque você não generalizou, pois como o seu pai que é um bom profissional, existem muitos que ainda dão orgulho a classe, tenho 38 anos de profissão e me ohgulho disso, porem me envergonho de ver alguns maus profissionais que denigrem a nossa profissão e se acham donos da estrada, as leis deveriam ser mais rigidas e serem cunpridas a risca, obrigado e parabems ao seu pai, PR7 SJ jailson.

  • 08/01/2014 em 10:22
    Permalink

    são motorista que não tem responsabilidade, não tem pinto para dar água. são verdadeiros monstros das estradas. nunca teve Diciprinas, e outra coisa ! o caminhão não deve ser deles, e mesmo que seja de empresas , estão todos errado, pois caminhão foi feito para trabalhar. se eles quer fazer gracinha , entra para o grupo de rali,

Fechado para comentários.