Bolsonaro nega intervenção em preço do diesel




O Presidente Jair Messias Bolsonaro usou as redes sociais para informar que não bloqueou o aumento dos valores do diesel na última quinta-feira. No dia 11/04 foi anunciado um reajuste de 5,74% no valor do diesel, que passaria de R$ 2,1432 para R$ 2,2662 nas refinarias, impactando o valor final de venda do diesel aos consumidores.

De acordo com o presidente, houve uma ligação ao Presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, mostrando preocupação com o valor total do aumento, acima da inflação do período. O presidente ainda afirmou que a politica de preços da Petrobras é de mercado aberto, sem intervenção do governo na economia.

Ainda segundo Jair Bolsonaro, ao ouvir as ponderações via telefone, o Presidente da Petrobras, suspendeu temporariamente o reajuste. Jair Bolsonaro convocou uma reunião com todos os responsáveis pela política de preços da Petrobras, juntamente com os ministros da Economia, Infraestrutura e Minas e Energia.

Após o anúncio do cancelamento do reajuste da Petrobras, o Ministério de Minas e Energia publicou uma nota, em que nega que tenha acontecido qualquer intervenção do governo no reajuste do diesel. De acordo com o ministério, não há qualquer tipo de tabelamento nem fixação de valores máximos e mínimos, ou qualquer exigência de autorização oficial prévia para reajustes. A nota informa que a Diretoria Executiva da Petrobras possui a autonomia de definir sua política de preços em relação aos produtos da Companhia.

Na Bovespa, as ações da Petrobras despencaram 7%, fazendo a estatal perder cerca de R$ 30 bilhões em valor de mercado. A movimentação no mercado financeiro foi tão grande após esse anúncio de cancelamento do reajuste, que o dólar subiu ao valor mais alto em duas semanas.

Na próxima terça-feira acontecerá a reunião entre o governo federal e a direção da Petrobras, buscando entendimento sobre composição de custos do combustível no país. Bolsonaro disse que a preocupação maior com os aumentos do valor do diesel é o impacto que esses reajustes terão no setor de transportes, afetando principalmente os caminhoneiros autônomos.

“E eu estou preocupado com o transporte de carga no Brasil, com os caminhoneiros. São pessoas que realmente movimentam as riquezas de Norte a Sul, de Leste a Oeste, que têm que ser tratadas com o devido carinho e consideração. E nós queremos um preço justo para o óleo diesel”, disse o presidente em entrevista coletiva.

Entre 2008 e 2014, o governo da ex-presidente Dilma Rousseff usou uma política de congelamento de preços da Petrobras, com reajustes defasados, como forma de segurar a inflação. Essa medida populista custou bilhões à Petrobras, e os prejuízos foram repassados para o valor dos combustíveis após 2014.




8 comentários em “Bolsonaro nega intervenção em preço do diesel

  • 14/04/2019 em 13:57
    Permalink

    VERDADEIRAMENTE ESSE É UM BABACA, EXIBIDO, MAU ELEMENTO, SOU CARRETEIRO E VEJO VARIOS DESSES AÍ FAZENDO ESSAS ATROCIDADES SE FOR EMPREGADO TEM QUE SER DEMITIDO SEM DIREITO SE FOR AUTÔNOMO TEM QUE SER SUSPENSA A SUA HABILITAÇÃO.

  • 14/04/2019 em 10:16
    Permalink

    Um dos principais objetivos da próxima greve da nossa categoria terá que ser a exigência do fim do monopólio da Petrobras no mercado de combustíveis, bem como a luta pelo fim dos cartéis das distribuidoras e postos de combustíveis.
    Se vierem a refinar petróleo aqui e vender derivados aqui, com acirrada competição de preços, AÍ SIM, vai dar tudo certo! Mas do jeito que está agora, a tendência é uma empresa como a Petrobras gerar o CAOS no país em nome de seus próprios interesses.
    Aí Chorão (Wallace Landim), fiquemos DE OLHO no Paulo Guedes. Ele disse que vai derrubar a decisão do Bolsonaro, se ele fazer isso a GREVE GERAL ESTARÁ DECLARADA!

    • 14/04/2019 em 12:18
      Permalink

      E não é só isso. É necessário diminuir a demanda de óleo diesel por meio da inserção de combustível alternativo e veículos elétricos. Ônibus e caminhões urbanos deveriam usar GNV ou deveriam ser elétricos, já existe tecnologia pra isso, inclusive tecnologia Flex diesel-GNV. Vários países no mundo caminham nesta direção. Não dá pra ficar dependendo de um único combustível. É nesse ponto que o governo deveria intervir.

      • 14/04/2019 em 14:12
        Permalink

        Posso citar outro exemplo: o biodiesel puro. Temos condições de aumentar exponencialmente a produção do diesel Verde, que é muitíssimo mais limpo e já é mais barato de produzir do que esse diesel poluente e fedorento. A tendência é o petróleo ficar cada vez mais caro, por que ele está ficando mais escasso, e já surgiu na Europa uma nova tecnologia que poderá revolucionar se for usada para aumentar a produção de biocombustíveis: a CULTURA DE CÉLULAS! Já estão usando para criar carne bovina de laboratório, e isso vai acabar com os abates de animais. Biodiesel, isobutanol e etanol são compostos de células de origem vegetal, se a CULTURA DE CÉLULAS for aplicada a estes e der certo, ADEUS combustíveis fósseis!

    • 14/04/2019 em 18:37
      Permalink

      Verdade, em vez de vender lá fora a preço de mercado, vão vender baratinho por aqui para retardados como você.

      • 15/04/2019 em 13:33
        Permalink

        Retardado é você. Não entende nada de economia e mercado e vem se achar mais inteligente que eu. Ou você é mortadela ou é bolsominion.

  • 13/04/2019 em 17:59
    Permalink

    Graças a Deus o presidente tá olhando para os pobres,deixando esse bando de ganancioso de lado

  • 13/04/2019 em 17:04
    Permalink

    Toda nossa economia é movida pelos caminhões. Um aumento no diesel afeta todo cidadão brasileiro. O governo está preocupado com cada um de nós e não proteger investidores internacionais que querem que a gente se exploda.

Fechado para comentários.