Nikola Motor Company investe no desenvolvimento de células de hidrogênio




A Nikola Motor Company, startup que está desenvolvendo pelo menos três modelos de caminhões movidos à hidrogênio para mercados dos Estados Unidos e da Europa, acaba de realizar um investimento de US$ 23 milhões para acelerar o desenvolvimento de células de combustível baseadas em hidrogênio. Esse valor é parte do investimento da empresa, que chega a casa de US$ 1 bilhão, para lançamento dos caminhões a hidrogênio.

“É fundamental que nos movamos rapidamente e tenhamos o melhor equipamento como parte do nosso processo de desenvolvimento de caminhões”, disse o presidente da Nikola, Mark Russell. “Ao criar nossas próprias instalações, a Nikola poderá testar e validar seus componentes de célula de combustível na metade do tempo que levaria a outras empresas e laboratórios de terceiros”.

Esse laboratório da Nikola destina-se para ser uma unidade de pesquisa e desenvolvimento, com as mais avançadas tecnologias do mundo. Entre os produtos testados estão eletrodos de membranas, eletrodos estampados, baterias e outras unidades de potência. Esse laboratório também incluirá uma série de câmaras de testes e dinamômetros, para testar os componentes de forma independente ou como um sistema completo.

LEIA MAIS  Manosso Logística e Transportes publica nota de repúdio sobre vídeo de motorista

“Este laboratório será usado por engenheiros de célula de combustível extremamente talentosos e é uma parte crítica no desenvolvimento dos nossos caminhões – permitindo que Nikola estabeleça um novo padrão de eficiência para sistemas de célula de combustível”, disse o CEO da Nikola, Trevor Milton. “Acreditamos que a célula de combustível de hidrogênio substituirá o motor a diesel nos próximos 10 anos. É uma corrida para a linha de chegada agora para a nossa equipe. Outros fabricantes já expressaram interesse em usar o trem de força e as células de combustível de hidrogênio da Nikola e planejamos disponibilizá-los para outras fabricantes que compartilham nossa visão”.

Deixe sua opinião sobre o assunto!