Transmissões automáticas Allison respondem por 65% das vendas dos caminhões médios Hino na Austrália




A grande aceitação das transmissões totalmente automáticas Allison como um opcional nos caminhões médios da Hino que são comercializados na Austrália exemplifica claramente uma mudança no mercado de caminhões no sentido de satisfazer as demandas dos frotistas que operam nas áreas urbanas cada vez mais movimentadas.

De acordo com o gerente de estratégia de produtos da Hino Austrália, Daniel Petrovski, a demanda pelas automáticas Allison tem aumentado, e continua a crescer.

“Os clientes estão mudando seus conceitos e evoluindo para os modelos totalmente automáticos porque não há penalização no consumo de combustível ou no desempenho. Na verdade, as automáticas aceleram mais rapidamente em situações de trânsito e permitem menor tempo de deslocamento no trânsito pesado da cidade”, disse Petrovski.

A tendência global aponta para operações com caixas totalmente automáticas e, nesse caso, as Allison são as preferidas. Essa tendência vem sendo defendida principalmente por frotistas que têm dificuldade em conseguir motoristas que não querem — ou não podem — dirigir um caminhão manual, principalmente em áreas metropolitanas.

“Há uma década fizemos a previsão de que cerca de 80% dos caminhões médios seriam automáticos até 2019, e parece que estamos perto de atingir esse patamar. E a tendência continua a apontar nessa direção”, afirma Petrovski. “Em todos os nossos modelos houve uma forte tendência em direção a esse tipo de transmissão. Mas os caminhões da Série 500, em particular, tem uma alta demanda pelas automáticas e foi uma decisão consciente escolher a Allison. Em determinadas vocações profissionais um modelo totalmente automático é a melhor solução, principalmente na potência de até 350 cavalos”

“Trabalhamos em estreita colaboração com a Hino para compatibilizar nossa transmissão automática de seis velocidades com os novos caminhões de cabine standard da Série 500, assim como já fizemos com modelos anteriores da marca”, explica Robert Cavagnino, gerente de vendas e marketing da Allison Transmission na Austrália. “O desempenho é um ótimo exemplo da estreita colaboração da nossa engenharia”.

As transmissões totalmente automáticas Allison também vêm se destacando entre os compradores de caminhões médios de outras marcas de caminhões japoneses como, Fuso, Isuzu e UD, e têm maiores taxas de aceitação quando equipados com modelos da marca.

“As automáticas Allison tem histórico comprovado de proporcionar mudanças de marchas mais suaves e sem a interrupção de potência, e esse é um grande atrativo para os compradores de caminhões desse mercado. A única automática verdadeira é a Allison. Fabricantes de caixas automatizadas afirmam que seus modelos são equivalentes às automáticas, mas, na realidade, isso não representa a verdade. A tarefa cada vez mais difícil de contratar motoristas qualificados tem mostrado que frotas de distribuição que operam em áreas urbanas têm altos custos de manutenção e produtividade reduzida, principalmente pela necessidade de trocar embreagens e outros componentes da transmissão nos caminhões manuais ou manuais automatizados”, afirma Cavagnino.

As automáticas Allison instaladas nos novos Hino da Série 500 são abastecidas com fluido sintético, e a Hino recomenda um intervalo médio de serviço de até 480 mil quilômetros (300 mil milhas) sem ao menos ter de substituir esse fluido — economizando tempo de inatividade, dinheiro e melhorando a produtividade.

RECEBA NOSSOS CONTEÚDOS NO E-MAIL





Seu e-mail (obrigatório)






Deixe sua opinião sobre o assunto!