Iveco apresenta caminhão a hidrogênio desenvolvido em parceria com a Nikola

A IAA Transportation 2022, que foi encerrada no último domingo, foi o palco para a exibição do imponente Nikola Tre, um Iveco S-Way que recebe a tecnologia de célula de combustível de hidrogênio desenvolvida pela empresa norte-americana Nikola.

O novo caminhão é chamado de Nikola Tre Fuel Cell Electric Vehicle (FCEV), e também tem uma versão movida com baterias, que podem ser recarregadas em tomadas industriais.

De acordo com a Iveco, a tecnologia de célula de combustível, que converte hidrogênio em eletricidade para alimentar as baterias do caminhão, garante uma autonomia de 800 km, frente aos 500 km do modelo a baterias.

Os novos caminhões serão produzidos na fábrica da Iveco em Ulm, na Alemanha, que recebeu uma nova linha de montagem específica para esses caminhões elétricos.

“O Iveco Group e a Nikola desfrutam de uma parceria sólida que começou em 2019. Juntos, cumprimos todos os marcos em nosso caminho para a implantação de caminhões pesados de emissão zero na América do Norte e na Europa, em um caminho rápido sem precedentes do design ao mercado, apesar de todos os desafios que enfrentamos ao longo do caminho. Temos a intenção de continuar com essa jornada acelerada e em constante evolução”, afirmou Gerrit Marx, CEO do Iveco Group.

A apresentação, que ocorre mais de um ano antes da comercialização programada do caminhão, prevista para 2024, serve para destacar as ambiciosas metas de emissões zero das empresas, visando o desenvolvimento de tecnologias mais inovadoras para a mobilidade sustentável.

A abordagem modular aplicada à plataforma Nikola Tre, capaz de hospedar tecnologias de propulsão de baterias e células de combustível, abre caminho para novos desenvolvimentos na oferta elétrica para o mercado europeu, ao mesmo tempo em que acelera a transição energética que o Iveco Group e a Nikola estão realizando.

“Os Tre BEV e Tre FCEVs de emissão zero da Nikola são verdadeiros divisores de águas no transporte comercial de caminhões. Desenvolvidos especificamente como veículos elétricos, eles oferecem desempenho e experiência de direção que podem competir com seus pares movidos a diesel nas missões de serviço pesado mais difíceis. Os modelos promovem também soluções de emissão zero operacional e financeiramente viáveis para aplicações regionais e transporte de longa distância que darão aos clientes uma vantagem competitiva real”, acrescentou Michael Lohscheller, presidente da Nikola Corporation.

Novo design

Para destacar a tecnologia de célula de combustível de hidrogênio, o Nikola Tre FCEV traz um novo design, com uma dianteira mais arredondada, que garante uma aerodinâmica mais eficiente, reduzindo o consumo de energia.

Além disso, atrás da cabine foi instalada toda a tecnologia da célula de combustível, escondida por dois enormes defletores.

Vantagens

O caminhão opera como um modelo elétrico, com potência contínua de 645 cavalos, de acordo com informações disponibilizadas pela Nikola. Com o tanque de hidrogênio totalmente abastecido, o caminhão pode rodar por 800 quilômetros, e, futuramente, a autonomia poderá ser ampliada, com novas tecnologias de armazenamento do combustível.

A grande vantagem em relação aos veículos elétricos, além da maior autonomia, é o tempo de abastecimento. Se o caminhão parar no posto com os tanques zerados, são necessários apenas 20 minutos para o abastecimento, tempo comparável ao do abastecimento de veículos diesel.

Além disso, os caminhões tem muito menos peças móveis do que os modelos diesel, exigindo tempos menores de parada para manutenções.

A produção deve começar em 2024, mas os primeiros testes, com clientes selecionados e caminhões protótipos devem ser realizados a partir do segundo semestre de 2023.

Deixe um comentário!

Caminhoneiros estão cada vez mais procurados pelas transportadoras Caminhoneiro recém contratado depena caminhão nos EUA Eficiência dos motores diesel chega a um novo patamar Projeto quer acabar com valores de fretes muito baixos Montagem de caminhões no Brasil segue em alta