Tesla Semi é homologado por órgão de proteção ambiental dos Estados Unidos

Agora parece que vai! O Tesla Semi recebeu recentemente a homologação da Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos (EPA), e com esse certificado de conformidade, o caminhão poderá ser vendido normalmente no país.

Elon Musk, o CEO da Tesla, havia anunciado recentemente que as entregas começariam ainda neste ano, e as primeiras unidades seriam vendidas para a PepsiCo. A expectativa da Tesla é produzir até 50 mil unidades do caminhão por ano até 2024, com números superiores nos anos seguintes.

O Tesla Semi foi anunciado em 2017, e teria sua produção iniciada em 2019. Porém, problemas na cadeia de fornecedores, especialmente de baterias, atrasaram o início da produção em massa do pesado.

Além de um design revolucionário para o setor de transportes nos Estados Unidos, o caminhão traz o posto de trabalho do caminhoneiro em posição central dentro da cabine, e muita tecnologia. Além disso, conta com quatro motores elétricos, um em cada roda traseira, garantindo que o caminhão tenha capacidade de continuar rodando mesmo que um dos motores tenha problemas.

A autonomia esperada é de 480 ou 800 quilômetros, dependendo da versão, e o preço deve ficar entre US$ 220 mil e US$ 250 mil, bastante próximo de modelos similares a diesel.

O Certificado de Conformidade fornecido pela EPA vale até 31 de dezembro de 2023, e precisa ser renovado anualmente. Esses certificado é dado após o veículo passar por uma série de testes e avaliações, e cumprir todos os requisitos exigidos pela agência.

Todo trimestre, a EPA anuncia a lista atualizada de modelos aprovados, e o Tesla Semi nunca havia aparecido nela.

Por isso, a entrada do pesado na lista de aprovados comprova que a produção e vendas dos caminhões Tesla vão mesmo começar em breve.

Deixe um comentário!

Caminhoneiros estão cada vez mais procurados pelas transportadoras Caminhoneiro recém contratado depena caminhão nos EUA Eficiência dos motores diesel chega a um novo patamar Projeto quer acabar com valores de fretes muito baixos Montagem de caminhões no Brasil segue em alta