Aumentam roubos de cargas no Estado de São Paulo

por Blog do Caminhoneiro

A logística do transporte no território brasileiro apresenta predominância de rodovias, concentradas principalmente no Centro-Sul do país, em especial no Estado de São Paulo, segundo o Mapa da Logística dos Transportes no Brasil, divulgado pelo IBGE. Segundo dados da Secretaria da Segurança Pública (SSP), foram, ao todo, 2.762 roubos de cargas no Estado de São Paulo, sendo que no mês de janeiro foram 844 roubos, fevereiro 865 e março 1.053. A Polícia Civil registrou 30 roubos de carga por dia no primeiro trimestre deste ano no Estado de São Paulo.

Somente na capital Paulista, no primeiro trimestre do ano passado foram registrados 1.329 crimes do tipo. Neste ano, no mesmo período ocorreram 1.613 roubos de carga, um aumento de 21,3%. Segundo dados divulgados pela Confederação Nacional de Transportes (CNT) e Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 61% de toda a carga transportada no Brasil utiliza o sistema modal rodoviário, cenário que mostra a importância de ações contra roubos de cargas nas estradas brasileiras.

Segundo Flademir Lausino de Almeida, sócio diretor da AT&M Tecnologia, empresa líder no mercado de averbação eletrônica, para combater o roubo de cargas, as transportadoras estão investindo cada vez mais tecnologia, assim como monitoramento 24 horas por dia da carga, rastreamento dos produtos que possibilita a visualização exata dos caminhões e confirmação ou não sobre a entrega da carga. Algumas empresas também têm rastreadores e, mesmo se a carga for levada, dá para recuperar e outras transportadoras também usam serviços de rastreamento para diminuir os prejuízos. “Além disso, as transportadoras e seguradoras estão investindo cada vez mais em processos de averbação eletrônica para o transporte de cargas”, destaca ele.

Em todo o território nacional, as movimentações de cargas devem ter um seguro para evitar prejuízos em caso de sinistro, sendo obrigatório o seguro de responsabilidade civil. Hoje, com o avanço da tecnologia, esses processos ocorrem por meio da averbação eletrônica para o transporte de cargas.

Flademir Lausino de Almeida explica que o processo de averbação eletrônica de cargas coleta todas essas informações, checa para saber se os dados da carga estão coerentes com a apólice do seguro da carga e transmite essa informação para a companhia de seguro. Tudo é registrado de forma online, todas as informações ficam armazenadas no sistema por mais de um ano. A transportadora quando emite o documento de Conhecimento de transporte, isso fica registrado no sistema da Secretaria da Fazenda (SEFAZ) de cada estado.

Desta forma, o SEFAZ responde positivamente através de um protocolo que significa a liberação fiscal da mercadoria em relação aos impostos. Para que a carga fique devidamente coberta pelo seguro, o segurado disponibiliza informações do conhecimento de transporte para o sistema da AT&M, que checa o tipo de carga e se está compatível com tipo de seguro, em relação ao trajeto da carga, distância e valores. Tudo isso é checado em frações de segundos pelos diversos sistemas da empresa, para que, caso ocorra algum sinistro, a carga esteja devidamente assegurada e a transportadora possa ser ressarcida do prejuízo.

COMENTAR

QUER ENTRAR EM CONTATO COM O BLOG DO CAMINHONEIRO? ENVIE UMA MENSAGEM CLICANDO NO NÚMERO ABAIXO

042-3532-4235

Artigos relacionados

3 comentários

Luciano Seidler 30/05/2017 - 14:49

Ué mas as gerenciadoras de risco e empresas de rastreamento não estão dando segurança ao transporte? Proibindo de motoristas trabalhar por divida e outras invenções mais que costumeiramente alegam.

Reply
ANDRE LUIS MACHADO 30/05/2017 - 09:46

Já levaram dois caminhões que eu tinha em Jundiaí, na baixada santista o caminhoneiro é abandonado, quando não é os ladrões de carga e de caminhão fortemente armados, ficamos a mercê dos nóias que nos causam vários danos, a polícia aparece apenas no momento de nos multar, e multar por falta de estrutura que o próprio estado deveria nos fornecer, como um pátio seguro e apropriado para os caminhões, querem e precisam escoar os produtos, ganhando bilhões porem não são capazes de fornecer ao motorista um pátio seguro com banheiro apropriado, e ainda mandam policiais para alimentarem a industria de multas no Estado, fruto da falta de estrutura, só sabe disso quem vivencia a baixada todas as semanas. Eu tenho nojo dos governantes deste país.

Reply
ANDRE LUIS MACHADO 30/05/2017 - 09:40

Isso é um reflexo de uma policia treinada apenas para multar motoristas, a policia especializada do Estado de São Paulo, a TOR, criada e graduada para o policiamento de roubo nas rodovias está aplicada na fiscalização das praças de pedágio, usada para evitar evasão de pedágios, ou seja, trabalha para o Estado mais atende as empresas privadas, e é claro isso vem de cima, a culpa não é dos policiais. O cidadão é prejudicado de várias maneiras, pedágios caros, multas e mais multas, e também o não aproveitamento da policia especializada. Isso aqui é Brasil, onde é serio apenas a tributação.

Reply

Deixe sua opinião sobre o assunto!