Transportadora mantém campanha permanente contra exploração sexual de crianças




Levantamento da Polícia Rodoviária Federal (PRF) divulgado esta semana aponta 2.487 pontos os pontos vulneráveis à exploração sexual de crianças e adolescentes nas rodovias federais brasileiras. Desse total, 106 estão em Mato Grosso. Com o propósito de contribuir com o enfrentamento deste tipo de prática, a empresa Águia Sul Logística e Transporte, com sede em Cuiabá, desenvolve uma campanha permanente no estado há dois anos.

O empresário Eleus Vieira Amorim explica que a empresa prioriza a responsabilidade social. “E como a exploração sexual de crianças e adolescentes infelizmente também ocorre nas estradas, nos sentimos na obrigação de contribuir para o combate a este crime terrível”, observa.

Estrategicamente, um veículo da Águia Sul foi adesivado com mensagens de combate à exploração sexual infantil. “Por onde ele passa, seja dentro da cidade ou na estrada, chama a atenção das pessoas. Essa é uma campanha permanente, sem data para terminar”, relata Eleus Amorim.

A iniciativa da transportadora, cuja sede fica no Distrito em Cuiabá e unidades distribuídas por outros 13 estados, reforça o Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes celebrado anualmente em 18 de maio e atende apelo da campanha “Faça Bonito – Proteja nossas crianças e adolescentes”, realizada pelo Comitê Nacional de Enfrentamento à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes e parceiros.

A ação convoca a sociedade para assumir a responsabilidade de prevenir e enfrentar o problema da violência sexual praticada contra crianças e adolescentes no Brasil. “E nós, transportadores, cientes do problema, temos o dever de ajudar a proteger nossas crianças”, reforça o empresário.

18 de maio

O Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes foi instituído oficialmente no país através da lei nº 9.970, de 17 de maio de 2000.

A data foi escolhida como dia de mobilização contra a violência sexual porque em 18 de maio de 1973, na cidade de Vitória (ES), um crime bárbaro chocou todo o país e ficou conhecido como o “Caso Araceli”.

Esse era o nome de uma menina de apenas oito anos de idade, que teve todos os seus direitos humanos violados, foi raptada, estuprada e morta por jovens de classe média alta daquela cidade. A proposta do 18 de maio é destacar a data para mobilizar, sensibilizar, informar e convocar toda a sociedade a participar da luta em defesa dos direitos sexuais de crianças e adolescentes.




Deixe sua opinião sobre o assunto!