Caminhoneiros estão divididos quanto a possibilidade de uma nova greve

O Blog do Caminhoneiro lançou hoje em sua página do Facebook uma enquete, pedindo aos caminhoneiros que se posicionassem sobre uma nova paralisação no país. O resultado da enquete, após mais de três mil votos, mostra que os caminhoneiros estão bastante divididos quanto à uma nova paralisação.

Os números mostram que 53% dos caminhoneiros que responderam a enquete são contrários a uma nova paralisação. Os outros 47% são favoráveis a nova greve, que pode ser iniciada amanhã.

A maioria dos comentários contrários à uma nova paralisação descrevem o pouco tempo de governo do Presidente Jair Bolsonaro. De acordo com esses comentários, uma greve agora pode desestabilizar o governo e ser usada como ferramenta política por partidos contrários ao novo governo.

Os comentários contrários também citam a falta de apoio dos caminhoneiros para um novo movimento de paralisação, como ocorreu em 2018, que diversas outras classes de trabalhadores aderiram ao movimento.

LEIA MAIS  20% da frota de caminhões da Espanha está parada por falta de caminhoneiros

Os comentários favoráveis à paralisação, que pode ser iniciada amanhã, relatam os problemas enfrentados pela categoria, que não foram solucionados após a greve de maio de 2018, como os valores dos fretes, que não estão sendo pagos aos caminhoneiros conforme a Política Nacional de Pisos Mínimos do Transporte Rodoviário de Cargas, que estabelece valores mínimos para negociação dos fretes.

Muitas empresas tem pago aos caminhoneiros valores muito abaixo do determinado na tabela da ANTT, e algumas ainda coagem os caminhoneiros, que em caso de não carregar ou denunciar essas cargas, eles podem entrar em uma espécie de lista negra, que impediria o caminhoneiro de carregar novamente. Também falta fiscalização da ANTT.

Os caminhoneiros favoráveis ao movimento também falam das constantes oscilações do preço do diesel, a maioria de altas. Nesse ano já ocorreram 13 variações de valor do combustível, sendo 11 de alta.

Os caminhoneiros também questionam os valores pagos pelo combustível, que já tem ficado mais altos do que antes da greve de 2018, achatando a rentabilidade dos fretes. O diesel é o principal custo do transporte rodoviário.

LEIA MAIS  Governo Federal estabelece novas diretrizes para diálogo com os caminhoneiros

O movimento para uma nova paralisação está bastante dividido, e não há uma organização central de reivindicações para o movimento, com diversos grupos de caminhoneiros se organizando pelo Facebook e Whatsapp, cada um a seu modo e com suas reivindicações, o que também pode dar menos força a um movimento grevista agora.

Em maio de 2018 os caminhoneiros iniciaram a greve que durou 11 dias chamados pela Abcam e pela CNTA, as duas entidades que mais se destacaram no movimento. Após o inicio das manifestações, outras entidades aderiram e o movimento cresceu ainda mais.

A paralisação, se acontecer, deve começar amanhã, no início da manhã. Ainda não há confirmação do possíveis locais de bloqueios nas rodovias.




17 comentários em “Caminhoneiros estão divididos quanto a possibilidade de uma nova greve

  • 31/03/2019 em 10:17
    Permalink

    Claro que não terá greve! A turma que participou da ultima greve foi usada como massa de manobra para atender interesse dos empresários.
    Agora quero ver “machão” batendo no peito e falando todas espécie de palavras de ordem como se fossem os donos da verdade. Muitos receberam o candidato a presidente, abraçaram, diziam que fazia campanha e usavam o jargão: fazemos campanha de graça para o fulano e receberam como presente um aumento no diesel de próximo a 20%, isso só nos 3 meses de “governo”, isso é que dá ouvir só os ,meios de comunicação manipuladores!
    Quem desejam paralisar a circulação nas rodovias, , provavelmente receberão cacetetadas como alento!
    A culpa não é minha!

    • 31/03/2019 em 10:19
      Permalink

      Não precisa de piso minimo, o que precisa é nós não aceitarmos fretes com preço que não compensa, simples assim!

  • 30/03/2019 em 09:00
    Permalink

    Essa mídia podre , ninguém acredita nesses lixos ,folha ,rede esgoto de televisão ,esquerda querendo usar o caminhoneiro como massa de manobra ,pt lixo ,esq esque lixo

  • 30/03/2019 em 08:42
    Permalink

    Tabela de frete é um tiro no pé do caminhoneiro! Reivindicações erradas só geram prejuízos e nada mais, é só relembrar a greve de 1998, a única coisa que precisa ser defendida e o preço dos combustíveis, todo resto é demagogia e o autônomo dará outro tiro no pé se aderir a esse movimento que só está servindo para surgir um novo líder que nada lidera além de seus próprios interesses.

  • 29/03/2019 em 21:29
    Permalink

    Tem que ter greve mesmo. Abaixar esse óleo diesel e pedágios. E o governo fazer a parte dele fiacalifis os fretes

  • 29/03/2019 em 20:59
    Permalink

    a verdade é essa meus amigos da estrada daqui pra frente ninguém espere melhora não viu agora mesmo estou a três dias em Salvador e nada de carga agora transportadoras a e b e chegando e carregando. e nós autônomos?

  • 29/03/2019 em 19:09
    Permalink

    Acho q tem de parar mesmo a antt so sabe cobrar todo ano a tacha sindical e só nos deicha ver navios e as tranportadoras fazem oq querem

  • 29/03/2019 em 17:18
    Permalink

    A questão do piso mínimo de frete, uma vez sendo lei deve ser respeitado.
    Tendo em vista que a fiscalização por infrações nas estradas é bastante intensa.
    No entanto quando é para fiscalizar com maior rigor o direito do trabalhador, o governo trata com indiferença como se não tivesse importância!
    Sem citar as transportadoras e seus descasos…

  • 29/03/2019 em 17:14
    Permalink

    Acho pouco tempo para o governo, aprumar as coisas mas botar um freio no aumento do diesel, tenho certeza que pode ser feito e valores de frete esta abaixo do esperado

  • 29/03/2019 em 17:13
    Permalink

    O problema que a nossa classe já não acredita mais em melhorias, aliás a classe dos caminhoneiros nunca tiveram uma união e principalmente um sindicato forte à nosso favor infelizmente!!!!

  • 29/03/2019 em 17:11
    Permalink

    Ninguém que eu conheça no transporte onde trabalhamos aqui no Paraná está pagando o piso mínimo do frete. Ninguém.
    Então esta fácil de fiscalizar.

  • 29/03/2019 em 17:11
    Permalink

    Eu sou caminhoneiro e sou a favor da paralizaçao . porque o jeito que esta ficou pior que antes e nao sobra nada pra levar pra casa e manter o caminhao . sem contar os prf que estao chegando multa etc.. Pra acabar com resto. E o governo parece que virou as costa pra nos . esta historia que estamos vivendo è muito triste . estamos sendo maçacrado em todo lugar sem contar que o motorista nao ganha nada a nao ser prejuizo . e onde chega vem um e fala : e ai motora e o da coca . motorista ta vendendo o cafè da manha o almoço e o lanche da tarde pra ve se janta isso se o caminhao nao tomar a janta tambem . è lamentavel .

  • 29/03/2019 em 17:08
    Permalink

    Combustível aumentando do jeito q esta não dá

  • 29/03/2019 em 13:17
    Permalink

    O governo teve o apoio dos caminhoneiros, agora o que ele fez por nós???

    • 29/03/2019 em 15:37
      Permalink

      Entendo que o país está em um momento difidif mais imagine os camioneiros q carregam o nissn país nas costas e facif deixa de bancar alguns privilégios e atendem as demandas nossas com baixa do diesel tabela de frete q ninguém cumprem segurança nas estradas em fim o governo já está ciente pois foi eleito encima dessas promessas

      • 30/03/2019 em 06:00
        Permalink

        Tem que ter greve sim para mostra para esses gorvenantes que são os caminhoneiros que comanda o Brasil dia e noite para leva o alimentos. Remédios. Roupas. Calçado. Etc

      • 30/03/2019 em 10:28
        Permalink

        sim temos que fazer greve
        pq somos nos que levamos esse brasil
        e maus pagos.

Fechado para comentários.