ARTIGO: Criação do Documento Eletrônico de Transporte aumenta compliance e dinamiza negócios com caminhões

Apesar de reconhecer a necessidade de alguns ajustes no texto, a aprovação, pela Câmara dos Deputados, da Medida Provisória 1051/21, que cria o Documento Eletrônico de Transporte (DT-e), está sendo bem recebida pelo setor logístico e por empresas ligadas ao comércio de veículos de carga. Isso porque a digitalização trazida pelo novo sistema para a autorização dos serviços de transportes de carga deve reduzir custos, aumentar as margens de lucro dos transportadores e, consequentemente, contribuir para a renovação da frota.

Na prática, o DT-e reunirá, em um único documento, todos os dados, obrigações administrativas, informações sobre licenças, registros, condições contratuais, sanitárias, de segurança, ambientais, comerciais e de pagamento, inclusive valor do frete e dos seguros contratados. No modelo atual, as empresas e os motoristas autônomos têm de juntar uma quantidade considerável de documentos, o que exige tempo, paciência e gera mais gastos.

“Em breve o setor estará mais dinâmico, com mais contratos sendo fechados e mais dinheiro em circulação, o que movimentará a cadeia. A consequência disso no médio e longo prazos é o aumento da procura por veículos de carga. Claro que isso não acontece do dia para a noite. É um processo que exige algum tempo para ser notado”, afirma Hovani Argeri, diretor geral de Operação da Via Trucks, concessionária DAF, com unidades em Minas Gerais e São Paulo.

Ele aponta ainda outros benefícios do DT-e, como a possibilidade de o motorista autônomo contratar pessoas jurídicas para administrar seus direitos relativos ao frete, podendo ser, inclusive, associações ou sindicatos da categoria. “São pontos que tornam os contratos mais seguros. E segurança é um item importante para bancos e financeiras quando falamos em política de juros mais baixos para um caminhoneiro que necessite de crédito para trocar seu veículo”, avalia Argeri.

A questão da segurança é apontada como uma vantagem também por Alexandre Pegoraro, CEO da Kronoos, plataforma de compliance que realiza pesquisas em mais de 2.500 fontes para conferir a idoneidade de pessoas e empresas. “Com o sistema digitalizado as empresas contratantes de fretes terão maior agilidade para constatar a idoneidade dos prestadores de serviço, assim como as instituições financeiras também terão condições mais eficientes de aplicar suas políticas para concessão de crédito. A evolução dos sistemas que permitem aumentar o compliance tem se mostrado benéficas em todos os setores e não será diferente no transporte de cargas”, diz .

A implantação do DT-e seguirá um cronograma proposto pelo governo federal, que poderá firmar convênios com os governos municipais, estaduais e distrital para incorporar outras informações de competência desses governos, como sobre tributos e outras obrigações relacionadas ao transporte de cargas rodoviário e dutoviário.

O texto ainda será votado pelo Senado. Se aprovado, os entes federados que aceitarem participar de forma integrada do DT-e deverão providenciar o fim dos documentos físicos de forma gradativa dentro de 12 meses a partir da data de publicação no Diário Oficial da União.

Deixe um comentário!

Projeto quer acabar com valores de fretes muito baixos Montagem de caminhões no Brasil segue em alta Uso do celular aumenta entre motoristas Rebite – Um grande vilão nas estradas Volkswagen apresenta caminhão conceito Optimus