História: Parceria entre Agrale e International durou 15 anos

No ano de 1998 chegava ao Brasil mais uma montadora de caminhões. Apesar de não ser nova no cenário nacional, pois já havia operado nas décadas anteriores, a International anunciava a produção de caminhões mais modernos para o país, e um grande investimento.

Inicialmente, a montadora não teve uma fábrica própria por aqui. Coube à gaúcha Agrale a produção de duas linhas de caminhões da montadora norte-americana. Com investimento na casa dos US$ 50 milhões, a International trouxe ao Brasil os modelos das séries 4000 e 9000, médios e pesados, sendo o segundo um caminhão bicudo.

Inicialmente não se projetava a produção dos modelos 9800, de cara-chata, mas isso ocorreu posteriormente.

A produção em parceria com a Agrale seguia os mesmos moldes da operação da montadora no México. Naquele país, a International produzia caminhões com a Dina (Diesel Nacional), uma empresa estatal, criada pelo governo mexicano em 1951. Alguns 9200 Eagle fabricados pela Dina chegaram a ser importados para o Brasil nos anos 1990.

No Brasil, a produção inicial foi de caminhões médios 4700 e 4900, com versões 4×2 e 6×4, e, em 1999, chegou o 9200, cavalo-mecânico com tração 6×2 ou 6×4, e PBT de 45 toneladas.

O caminhão contava com cabine-leito feita em alumínio, com suspensão pneumática, teto alto com defletor integrado, ar-condicionado de série e até computador de bordo, oferecendo cerca de 200 funções. Graças ao uso de alumínio, o caminhão era cerca de 2 toneladas mais leve que modelos da concorrência. Para esse modelo, o motor era Cummins, de 10,8 litros e 380 cavalos de potência.

Apesar dos planos iniciais não contemplarem o 9800, a Agrale passou a fabricá-lo a partir do ano 2000. O modelo era um cavalo-mecânico cara-chata, com cabine em alumínio, e o mesmo motor do 9200, mas com potência maior, de 405 cavalos, exclusivamente em versão 6×4.

Para o mercado nacional, a Agrale produziu caminhões International em Caxias do Sul até 2002, quando a montadora anunciou a paralisação das atividades, com a venda de apenas 3 mil unidades.

A parceria entre as empresas durou até 2013. Nesse ano, a International decidiu ter uma fábrica própria de caminhões no país, ainda produzindo o 9800i, versão atualizada do caminhão lançado no ano 2000.

Até que a International decidisse produzir novamente em nosso país, no ano de 2011, a Agrale foi responsável pela produção de caminhões para exportação, especialmente para a África, que saiam com volante à direita, e também modelos convencionais, para a América Latina.

Da “segunda safra” de caminhões International produzidos pela Agrale para o mercado nacional, os DuraStar e 9800i, há um adesivo na porta do motorista, que mostra a origem do caminhão, dizendo que foi fabricado pela Agrale.

A produção da International no Brasil foi encerrada definitivamente em 2015, quando já produzia os veículos em Canoas-RS, na fábrica que também operava a MWM.

2 comentários

PAULO ROBERTO BERALDO 01/08/2022 - 11:29

Deveria ser reativado mas com motor acima de 500 CV ou nao ganha mercado… ouvi muitos comentários negativos sobre a CX automática que dava muito B. O. ….

Reply
Gato Preto 14/07/2022 - 19:56

Lindo e suoer confortável, pena que não teve o destaque merecido!
Não havia corrosão na chaparia da cabine, caminhão super bonito e que ainda é possível ver alguns rodando por esse Brasil!

Reply

Deixe um comentário!

Montagem de caminhões no Brasil segue em alta Uso do celular aumenta entre motoristas Rebite – Um grande vilão nas estradas Volkswagen apresenta caminhão conceito Optimus Caminhões autônomos já conseguem resolver um pneu furado