Caminhoneiros estão muito insatisfeitos com a vida nas estradas brasileiras

A vida dos caminhoneiros na estrada é dificil, mas até hoje não se tinha um número para mostrar o quanto ruim ela é. Por isso o Clube da Estrada, principal plataforma de relacionamento com a categoria no país, criou um índice de satisfação inédito, que traz pontuações de 0 a 5 para diversos itens referentes à vida do caminhoneiro.

A primeira edição do índice, que ouviu 1.150 caminhoneiros de todo o Brasil, recebeu nota 1,5 de um máximo de 5 pontos. O Índice de Satisfação dos Caminhoneiros nas Estradas identificou que o preço dos combustíveis gera a maior insatisfação entre os motoristas, registrando nota média de 0,9 ponto.

Os caminhoneiros puderam avaliar sete temas considerados pelo Clube da Estrada como primordiais para o bom exercício da profissão.

A partir dessas notas, chegou-se a uma média entre cada tema e, posteriormente, à média geral que resulta no Índice.

  • Preço do Combustível: 0,92
  • Segurança nas Estradas: 1,49
  • Condição das Estradas: 1,73
  • Condição e disponibilidade de Pontos de Parada e Descanso: 1,84
  • Volume de Trânsito: 2,0
  • Preço do Frete: 2,0
  • Carga Horária de Trabalho: 2,4

Com relação ao Preço do Combustível, 52% dos caminhoneiros avaliaram com nota zero o atual patamar de preços. Outros 38% avaliaram com notas 1 ou 2, resultando na pior média entre os temas abordados. Uma pesquisa recente realizada pelo Clube da Estrada já havia mostrado que 52% dos caminhoneiros gastam acima de R$ 10 mil com diesel e 55% rodam mais de 9 mil quilômetros pelas rodovias do país todos os meses.

A Segurança nas Estradas é o segundo fator que mais insatisfaz os profissionais da categoria, com notas baixíssimas: 20% de notas zero, 30% de notas ‘1’ e 35% de notas ‘2’. Um levantamento da Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística apontou que, no ano passado, o prejuízo com roubo de cargas passou de R$ 1,27 bilhão, reforçando que o tema está entre as principais preocupações dos caminhoneiros.

A grande maioria dos caminhoneiros continuou avaliando como precárias (notas entre 0 e 2) a Condição das Estradas (82%), Condição e Disponibilidade de Pontos de Parada e Descanso (74%), Volume de Trânsito (72%), Preço do Frete (70%) e Carga Horária de Trabalho (59%).

“No dia a dia escutamos várias queixas dos caminhoneiros e esse resultado comprova essa insatisfação geral. Nós aqui do Freto ficamos muito preocupados com o índice de segurança nas estradas. Quando falamos de Humanologística, de uma logística feito por pessoas para pessoas, isso passa pelo respeito e pelo senso de segurança deles. Temos que trabalhar coletivamente com instituições públicas, privadas, associações de classe e governo, para melhorar essas condições”, afirma Thomas Gautier, CEO do Freto, logtech mantenedora do Clube da Estrada.

Visibilidade para 2 milhões de profissionais

O Índice de Satisfação dos Caminhoneiros é mais uma iniciativa do Clube da Estrada com o propósito de informar a sociedade sobre as necessidades da categoria e os impactos de determinados acontecimentos na sua rotina profissional.

“Esse índice abre um diálogo inédito que começou há mais de 9 anos, com o nascimento do Clube e do monitoramento das condições de trabalho dos caminhoneiros do Brasil. Através do Clube da Estrada, convidamos a todos para conhecer o nosso propósito de melhorar a vida dessas pessoas que transportam cerca de 61% das cargas do país”, afirma Gautier.

2 comentários

Zé comédia 13/10/2022 - 17:11

Todos Governos Fazem Descaso com o chofer independente.
Fato

Reply
Marcos Alves de sousa 13/10/2022 - 15:34

Governo faz nada pra ajudar,nem uma melhoria pra renovação da frota.

Reply

Deixe um comentário!

Conheça os caminhões mais vendidos do Brasil em novembro Caterpillar apresenta caminhão gigante totalmente elétrico Caminhoneiros estão cada vez mais procurados pelas transportadoras Caminhoneiro recém contratado depena caminhão nos EUA Eficiência dos motores diesel chega a um novo patamar