Distribuidoras de Combustíveis criam federação




A Federação Nacional das Distribuidoras de Combustíveis, Gás Natural e Bicombustíveis – BRASILCOM irá realizar em 23 de março, no Rio de Janeiro, a solenidade de apresentação e lançamento desta entidade. 
Fundada em 15 de setembro de 2015, a Federação Brasilcom teve seu registro homologado pela Secretaria de Relações do Trabalho do Ministério do Trabalho e Emprego em novembro de 2016.

A Federação está sediada no Rio de Janeiro, e é filiada à Confederação Nacional do Comércio (CNC). 
A entidade reúne cinco sindicatos: SINDIMINAS (Betim/MG), SINDISUL
(PortoAlegre/RS), SINDESC
(Itajaí/SC), SICOMPAR
(Araucária/PR) e SINDIGOIAS
(Goiânia/GO) e representa a categoria econômica pertencente ao comércio atacadista de distribuição de combustíveis, gás natural e biocombustíveis.

Os sindicatos agregam atualmente 42 distribuidoras de combustíveis instaladas em quase todos os estados brasileiros, sendo parte relevante e indispensável no abastecimento nacional. 
Desde os anos de 1990 as distribuidoras regionais de combustíveis se organizaram em uma associação que lutou pelo regime de livre concorrência no mercado de distribuição de combustíveis. Esta iniciativa viabilizou a existência dos pequenos revendedores e melhorou a condição do consumidor, pois nos estados onde há distribuidoras regionais atuando, os preços dos combustíveis são mais competitivos do que naqueles em que não estão presentes. A associação dessas distribuidoras propiciou a criação dos sindicatos e da Federação BRASILCOM, já que não havia no Brasil uma entidade que verdadeiramente os representasse.

A entidade travou lutas levando a conquistas históricas em defesa do setor e do consumidor brasileiro, como a revogação dos dispositivos legais que proibiam que o posto revendedor – chamado bandeira branca – pudesse comprar livremente de qualquer distribuidora; o estabelecimento da Petrobras como única substituta tributária para o recolhimento de tributos; a mudança da sistemática de repasse ao produtor do subsídio do álcool; e a liberação dos preços de combustíveis. Além disso, com a criação da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis), que possibilitou uma organização independente para o setor, o BRASILCOM teve participação efetiva na construção do modelo de comercialização de biodiesel. A Federação também colabora ativamente com a ANP, MME (Ministério de Minas e Energia) e todos os entes públicos e privados ligados ao setor.

RECEBA NOSSOS CONTEÚDOS NO E-MAIL





Seu e-mail (obrigatório)






Deixe sua opinião sobre o assunto!