Cartões-frete – A carta-frete do futuro




Proibida desde 2012, a carta-frete ainda assombra os motoristas. De duas formas. A primeira é que algumas empresas ainda insistem em usar o sistema de carta-frete para pagar os caminhoneiros contratados. A prática é ilegal desde que a Lei 11.442/2010 passou a vigorar em 2012. Essa forma de pagamento foi usada por mais de 50 anos, e era bastante desleal com o caminhoneiro.

Primeiro porque era uma forma de pagamento que não permitia ao caminhoneiro uma comprovação de renda real, e também obrigava o caminhoneiro a gastar pelo menos 30% do valor de cada frete em abastecimento em postos conveniados às empresas embarcadoras, mas o caminhoneiro, além da obrigação do consumo, ainda pagava um preço maior pelo diesel.

Aí veio a lei, e desde 2012, quando passou a vigorar, usar a carta-frete é ilegal e gera multa. Com a lei nasceu uma nova forma de pagamento, o Cartão-Frete, que, pela lei e pelos anúncios da época, mudaria a vida do caminhoneiro da água para o vinho, permitindo comprovação de renda e podendo ser usado em qualquer lugar como débito ou crédito, sem custos.

Várias empresas se tornaram Administradoras de Meio de Pagamento Eletrônico de Frete, regulamentadas pela ANTT, e fornecem a estrutura para que o caminhoneiro receba os valores do frete em seus cartões.

Só que apesar de ter mudado de nome, de tecnologia e dito aos caminhoneiros que seria uma revolução, o Cartão-Frete se tornou uma carta-frete do futuro. A reclamação dos motoristas é recorrente e os problemas que eles tinham antes continuam acontecendo agora.

O Blog do Caminhoneiro recebe diversos e-mails de caminhoneiros toda semana, e as reclamações sobre o pagamento eletrônico de fretes são recorrentes. No último mês de março recebemos de um e-mail de um caminhoneiro de Goiás, detalhando bastante o que ocorre com o sistema de pagamento com o Cartão-Frete. Preservaremos o nome dele e da operadora de cartão, pois esses problemas ocorrem com diversos motoristas e com praticamente todas as operadoras.

O valor do frete é depositado na conta do cartão, e fica à disposição do caminhoneiro. Mas para receber o saldo dos fretes precisa gastar mais de 30% do valor que tem a disposição em postos credenciados pela administradora do cartão. É uma espécie de venda casada, proibida pelo Código de Defesa do Consumidor.

Também, quando o caminhoneiro vai pagar com esses cartões, o valor do diesel é majorado, recebendo uma porcentagem a mais no valor do litro pelo uso do cartão. No caso da necessidade de saque, ainda existe mais uma taxa cobrada pela operadora, que varia de uma para a outra.

Os problemas relatados acima são os mesmos que o caminhoneiro enfrentava com a carta-frete, e que deveriam ter sido extintos, mas ainda assombram as estradas.

O caminhoneiro tem a opção de não receber os valores do frete pelos cartões-frete. Nesse caso os valores podem ser depositados em uma conta corrente do caminhoneiro, desde que ele seja o titular da conta, com registro RNTRC e que seja gerado o CIOT em todos os fretes. Nesse caso o caminhoneiro deve ter todos os documentos em mãos para apresentar em caso de fiscalização.

No caso específico do caminhoneiro de Goiás que entrou em contato com o Blog do Caminhoneiro, tentamos contato com a operadora dos cartões, mas até o fechamento dessa matéria não recebemos nenhum retorno com esclarecimentos.




10 comentários em “Cartões-frete – A carta-frete do futuro

  • 06/04/2019 em 21:59
    Permalink

    Olá eu sou caminhoneiro e trabalho com esses tipo de cartão eu tenho que colocar o diesel mas caro e colocar 30% do frete

    Resposta
  • 06/04/2019 em 08:49
    Permalink

    Sabe de nada inocente, você acha que o governo vai criar um sistema pra ajudar os motoristas? Tudo que eles fazem é pra melhorar o controle deles, o tal CIOT é uma burocracia de merda que não serve pra nada além de falar pro governo quanto o motorista está ganhando.
    E como no nosso país o que vale é a troca de favores, com certeza o sistema financeiro, que é quem ganhou com esta palhaçada de cartão frete, deve ter feito um lobisinho básico na ANTT para esta mudança ocorrem em 2011.
    Tem operadora de cartão que cobra uns R$ 15,00 pra fazer uma transferência bancária, tem base.

    Resposta
  • 05/04/2019 em 21:37
    Permalink

    Existem muitas transp (atravessadores de frete) que só pagam o saldo depois que vc envia os comprovantes de entrega via correio.
    Ai vc paga as despesas do correio e ainda eles jogam pra uma programação.
    Demora.vc ligas e eles dizem que os comprovantes ainda não receberam.
    Isso tem q acabar.
    Isso é uma vergonha.
    Amigos vamos denunciar.
    Só assim seremos reconhecidos.
    Um abraço
    Ponta Grossa Pr.

    Resposta
    • 06/04/2019 em 07:25
      Permalink

      Isso acontece mesmo, envio carta registrada mais AR , e o mais barato mas fica no mínimo 13 reais isso com poucos canhotos, aí vc pega o valor que sobra do frete chega a desanimar , tem que acabar essas transportadoras ou limitar o seu tamanho , só assim o autônomo voltará a crescer!!

      Resposta
  • 05/04/2019 em 21:32
    Permalink

    Nós caminhoneiros somos os último a falar. e os primeiros a apanhar. Nada fuciona a nosso favor.NTT tem que fiscalizar em todas as fronteiras. Posto fiscal do Itinga Pará só corrupto.

    Resposta
  • 05/04/2019 em 21:03
    Permalink

    Se os órgãos competentes apertarem essa máfia sem piedade isso acabaria.

    Resposta
  • 05/04/2019 em 19:57
    Permalink

    Carta frete, cartão frete, só para os grandes ganharem $, a carta frete nunca acabou, e nunca vi ninguem multado por isso.
    O melhor é a transferência direto na nossa conta.
    Tem umas empresas novas ai , que são ruim pra pagar DEUS ME LIVRE, a tal cargo X , nuna mais carrego

    Resposta
  • 05/04/2019 em 19:18
    Permalink

    O cartão NDD Cargo eu achei muito bom pois é só ligar e ter uma conta em seu nome que o transferencia é rapida p mim é ot imo

    Resposta
    • 06/04/2019 em 09:50
      Permalink

      Tem que ter mais fiscalização por que tem transportadora que paga o frete com cheque pra 20 dias, e para o caminhoneiro trocar esse CHEQUE tem que abastecer em um posto determinado pela transportadora e tem que ser abastecido um valor mínimo de 30% do valor do frete isso é uma prova que a lei da carta-fretre não funciona eu pessoalmente não carrego em uma transportadora sanguessuga dessas, más tem muitos que estão carregando por falta de opção, o governo tem que acabar com essa prática ilegal aqui no estado do Ceará as transportadoras fazem o que elas querem não tão nem aí para as leis do governo isso é uma vergonha nacional……………………

      Resposta
  • 05/04/2019 em 16:04
    Permalink

    Pra nos os autonomos o pamcard e o mehor cartao atualmente pois suas taxas sao baixas e a transferencia pra conta do titular e rapida enquanto outros levam ate 2 dias

    Resposta

Deixe sua opinião sobre o assunto!