Fiscalização aborda caminhoneiros no Paraná para verificar as condições de trabalho

O Grupo Especial de Fiscalização do Trabalho em Transportes (Getrac) realizou nesta quinta-feira (4), em Campina Grande do Sul (PR), uma ação em que foram abordados 50 motoristas de caminhão. O objetivo era verificar as condições de trabalho dos profissionais e alertar sobre a prevenção de acidentes nas estradas. Durante a ação, foram encontradas irregularidades como falta de controle de jornada de trabalho, ausência de concessão de intervalos e pausas obrigatórias, omissão de registro em Carteira de Trabalho e indícios de fraude na concessão de Seguro-Desemprego.

A atividade faz parte do calendário de ações da Campanha Nacional de Prevenção de Acidentes de Trabalho (Canpat), lançada na quarta-feira (3) pela Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia. “Além de verificar as condições de trabalho dos motoristas, esta ação procura conscientizar estes profissionais sobre a importância da obediência aos limites de jornada, manutenção dos caminhões e condução segura como forma de prevenir acidentes”, esclarece o auditor-fiscal do Trabalho Jansen de Lima e Silva, que coordenou a fiscalização.

LEIA MAIS  Justiça reconhece vínculo de emprego entre caminhoneiro e transportadora de Gravataí

Segundo ele, a jornada de trabalho e as condições do equipamento, inclusive do caminhão, são fatores determinantes para a segurança do motorista e a prevenção de acidentes de trabalho neste setor.

A operação ocorreu na Rodovia Regis Bitencourt (BR-116) e teve a participação do Grupo de Fiscalização de Transportes da Delegacia da Polícia Federal de Curitiba. O Paraná foi escolhido em virtude dos elevados índices de acidentes envolvendo esta categoria profissional no estado.

Canpat

A Campanha Nacional de Prevenção de Acidentes de Trabalho (Canpat) deste ano tem como tema a “Gestão de Riscos Ocupacionais: o Brasil contra acidentes e doenças no trabalho”. Nos últimos anos, o país vem registrando avanços nesta área. A taxa de incidência de acidentes caiu de 21,64 para cada mil trabalhadores, em 2009, para 13,74 por mil, em 2017. O mesmo ocorre com a taxa de mortalidade, que diminuiu de 7,55 por mil trabalhadores para 5,24 por mil no mesmo período.

LEIA MAIS  Empresa da Alemanha cria estacionamento vertical para caminhões

O objetivo da Canpat é conscientizar a sociedade sobre a importância da prevenção de acidentes e doenças que atingem os trabalhadores. Segundo o secretário de Trabalho da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, Bruno Dalcolmo, a campanha está focada em quatro grandes áreas: atuação preventiva; simplificação das Normas Regulamentadoras de Segurança e Saúde no Trabalho; otimização da atuação da fiscalização com tecnologia e reestruturação da Fundacentro, órgão fundamental na construção da cultura de prevenção e na garantia da segurança e saúde do trabalhador.




23 comentários em “Fiscalização aborda caminhoneiros no Paraná para verificar as condições de trabalho

  • 06/04/2019 em 08:54
    Permalink

    E eles só cobra os motoristas,cadê a fiscalização em mercados que exploram a gente fazendo subir escadas ou descer ,alguns com dois ou três andares seja pra cima ou pra baixo,ficam humilhando a gente na porta dos mercados ,n nã temos segurança, não temos lugar para tomar aguá e nem pra fazer as nossa nesecidades ,na onde está a fiscalização que não vê isso,e essa prática de exploração e feita tanto por grandes mercados como por médios e pequenos ,sou caminhoneiro e vejo bem um a classe dividida só vejo falar em benefício que vão ajudar os que tem caminhoec grande,mais se esquecem dos caminhões 3/4 que bate porta a porta em grandes cidades e pequenas ,sendo pisados ,pelos compradores feitos escravos obrigados se subimesu a várias cotações de trabalho escravo como subir escadas com mercadorias ou descer ,somos obrigados a colocar a mercadoria na onde eles querem,nas cidades não temos lugar de para nossos caminhão pra fazer entrega,somos xingados por outro motorista ,multado pelas guardas municipais e cadê quem defende a nossa classe em dos motoristas de 3/4 em até hj não vi ninguém fazer nada sobre isso o nosso frete e um pouca vergonha mau da pra viver ,pra essa tabela de frete em se somos obrigados a fazer o frete do geito que transportadora quer pagar só Deus é do nosso lado,vamos lutar pelos direitos dos motoristas de caminhão 3/4 também somos todos irmãos da estrada,me desculpa por esse disabafo mais sei que muitos pais de família passa por isso também

    • 07/04/2019 em 08:42
      Permalink

      Bom fiscaliza horario
      Mas engraçado nesse posto de poliçia nao tem nem onde estacionar
      Ja notaram que os pontos de paradas dos pedagios é so pra carro caminhao nao tem dai faço uma pergunta cade os pontos de PARADA Que nos contratos dos pedagios ta la e nao cobram
      A regis em toda a estençao dela essa arteiris que cuida entre aspas a pior consecionara tripidaçao buracos e ai cade o 166 voçe liga para reclamar fica duas horas e nao e atendido
      Dai faço uma pergunta
      O governo vende mas eles tem 20 anos pra pagar e o governo enpresta pra eles reformar porque
      Acho que esses gorvernos acham que somos todos burros porque essa merda desse dnit so tem fucionarios recendo pra nao fazer nada manda enbora
      Essas fiscalizaçao so fazem de dia porque nao a noite demadrugada pra botar esses maus motorista no seu devido lugar

  • 06/04/2019 em 00:50
    Permalink

    Muito importante para nossa classe ,eu apoio está atitude deveria ser com mais frequência em todo o país, infelizmente os colegas que são autônomos aí vem sofrendo presão dos contratantes, 👍

  • 05/04/2019 em 23:54
    Permalink

    Nossa pra trabalha na profissão de motorista tem que gostar e ter prazer , porque o motorista paga por tudo eu desisti…….

    • 06/04/2019 em 00:03
      Permalink

      Motorista,paga pedágio,estacionamento pra dormir em local seguro,tem que dormir dentro de cabine do caminhão,paga pra tomar banho nós postos, tem que dar propina pra PRF,pra carregar,pra descarregar Vichi a classe não tem valor algum ,a motoristas de ônibus piorou vai por mim mas detalhes,só falar com alguns colegas nas estradas …..boa noite!!

      • 06/04/2019 em 23:09
        Permalink

        Amigo, concelho… Tira o nome “PRF” pode lhe prejudicar, você mencionou um instituição, isso não se refere a todos!!! Concelho

  • 05/04/2019 em 23:21
    Permalink

    Tem que fazer greve mesmo,eles não aprenderão e não vêem a importância do caminhoneiro que carrega esse país n
    as costas. Vai nessas empresas pra ver o que os motoristas passa para carregar ou descarregar o caminhão.

  • 05/04/2019 em 22:37
    Permalink

    Fiscalização e bom e bem vinda quero deixar aqui minha índiginacao porque só cobra dos motoristas porque a fiscalização não vai nas empresas que caregamos e descarregamos pra ver a cituacao que passamos só cobra da gente meu deus toma conta de nos

    • 05/04/2019 em 23:33
      Permalink

      A fiscalizaçao devem ser feito em local de descarregamento ou carregamento. A jornada de trabalho nas estrada nao depende só do motorista mas o ponto princial sao as empresas que querem suas entrega nos horário agendado. Isso serve tanto para motorista contratado como autonomo. Pois tudo é com prazo de entrega limitada. fazendo com que motorista rodem a noite toda. A maior irresponsabilidade dessa causa nao estao só nos motorista mas principalmente nas empresa.entao o dever dessa fiscalizaçao é analizar a nota fiscal onde consta todos os dado da empresa e partir para uma investigaçao. pois quem tem que responder por isso sao as empresa de transporte. E nao os motorista.

  • 05/04/2019 em 22:35
    Permalink

    vcs tem que fazer mais fiscalizações em outras rodovias é estados só tem fiscalização no Sul sempre quando vai ocorrer alguma fiscalização só é concentrada na Regis pq vcs não fazem mais fiscalização na Dutra é Fernão dias

  • 05/04/2019 em 20:29
    Permalink

    Desculpas..mas principalmente vcs teria que visitar as empresas q carregamos e descarregamos pq nao tralha com agendamento. E depois nus exigens horários..?só por Deus

    • 05/04/2019 em 22:37
      Permalink

      Deviam visualizar Ipatinga MG a usiminas empresa de terceirizada como um tal de kejero paga só 7% não dá diária humilha e maltrata motorista de é o trabalho escravo notas frias faz motorista de carro correr risco por notas fiscais e frias e falsas

  • 05/04/2019 em 18:17
    Permalink

    Desculpas empresa como Atacadão de Campo Grande MS.

  • 05/04/2019 em 18:16
    Permalink

    Quem fiscaliza ou ajuda quando empresas tomo Atracação de Campo Grande MS, comprar mercadorias e os caminhões ficam de 3 a 4 dias servindo de depósito e não pagam diárias..uma total falta de respeito…

    • 06/04/2019 em 12:45
      Permalink

      Boa tarde deveria ter fiscalização não só no sul e sudeste o nordeste também insegurança falta de fiscalização na tabela de preços não é comprida poucas paga um valor perto da tabela na realidade a tabela não é comprida falta fiscalização cadê os órgãos competentes insegura nas estradas mal conservação das estradas falta de pontos de apoio para pode descancançar ou mesmo pernoita..roubo de cargas é boia..cadê á fiscalização

  • 05/04/2019 em 17:47
    Permalink

    Precisam verificar os postos de combustivel que estao colocando motoristas pra fora nao deixando pernoitar sem abastecer ou pagar para pernoitar varias rodovias federais e estaduais em todo.Brasil vamos dormir aonde sepagamos a firma nao reembolsa isso ninguem ve ou faz de conta que nao ve

  • 05/04/2019 em 16:43
    Permalink

    Concordo com a lei,, mas primeiro as autoridades vejam que náo existe ponto de apoio e descanço como querem cobrar do motorista sendo que os postos nao deixam entrar nem pra ir no banheiro imagine pra descanço , por favor alguem tem que tomar uma atitude a nosso favor ta um descaso total ,, querem cobrar,, primeiro contruam os pontos de descanço pra depois vim cobrar a respeito da jornada.

  • 05/04/2019 em 16:08
    Permalink

    Brasil tá difícil mesmo, só quem ganha são os políticos, nao tenho nada contra empresário, pois a maioria estão ferrados, mas o governo poderia baixar os impostos, diminuir os pedágios para 2 ou 3 reais o eixo , baixar diesel, e acabar com o frete de retorno no caso dos autônomo, que já iria ficar bom pra todo mundo e ninguém precisaria ficar correndo como louco, mas infelizmente não acredito que isso ocorra, pois engravatados nai conhecem a realidade do Zé ninguém, aqui em baixo a lei é diferente!!!!

  • 05/04/2019 em 14:17
    Permalink

    Está tudo errado, tem que fiscalizar a noite,geralm gera trabalhamos o dia todo em coleta e entrega,e a noite saímos para viajar.sem contar que a noite não podemos parar em lugar nenhum pois se não abastecer e tratado como cachorro nos postos de combustíveis nem deixar entrar para ir ao banheiro eles deixam,se parar em qualquer lugar e roubado…..eu gostaria muito aqui deixar minha indignação com a auto pista regis Bittencourt que quando tem um acidente na pista mandam os guincheiros tercerizadter tirar os veículos,send s que eles já receberam da auto pista para remover os veículos,ai o coitado do dono quando não morreu ja está ferrado e ainda tem que pagar mais uma vez para retirada do veículo do pátio dos guincheiros……

    • 05/04/2019 em 14:45
      Permalink

      Gostaria que houvesse fiscalizaçao tambem no pagamentos de diarias das transportadoras para os veiculos agregados que ficam atė 5 dias para descarreegar e nao pagam diarias previstas por lei apos as 5 horas de chegada.. caminhao nao ė deposito e os agregados nao sabem a quem recorrer para fazer cumprir com os seus direitos.

    • 05/04/2019 em 19:02
      Permalink

      Fiscalizar a tabela de frete ninguem vai

  • 05/04/2019 em 13:42
    Permalink

    Visita a print traportadora em jaguare

    • 05/04/2019 em 16:35
      Permalink

      E quando faz a entrega ainda tem que colocar no estoque do cliente

Fechado para comentários.