Como está o mercado de transporte de cargas após a pandemia

por Blog do Caminhoneiro

Com a chegada do Coronavírus de forma intensa no Brasil, uma das áreas mais comprometidas, negativamente, foi o mercado de transporte de cargas.

Até o momento, a Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística (NTC&Logística) revelou que houve uma brusca diminuição de 43,9% na movimentação do volume de cargas.

No entanto, esse dano só não foi maior devido ao e-commerce, onde as grandes empresas buscam, por meio de infinitas promoções, continuar sobrevivendo em meio ao caos instalado.

Porém, o transporte rodoviário anda tendo bastante déficit nesse momento. Seja devido a atuação de um profissional qualificado, os altos índices de roubo na mercadoria e até mesmo a péssima estrutura das estradas brasileiras.

Como ficará o mercado de transporte de cargas pós-pandemia?

Em primeiro lugar, não podemos falar de uma forma mais generalizada desse cenário. Para saber quais serão os próximos passos para quem vive nas estradas, é preciso compreender em qual setor cada motorista está inserido.

De acordo com informações do Compre&Confie, o e-commerce cresceu em 81% somente no mês de abril. Isso aconteceu devido a reinvenção das empresas, onde essas passaram a fazer entregas de produtos alimentícios.

Então, as pessoas, para evitarem uma ida ao supermercado e serem contaminadas pelo Covid-19, passaram a realizar as suas compras essenciais pela internet.

A previsão é que esse cenário continue a aumentar com o fim da pandemia, uma vez que o medo do contágio ainda estará instalado na vida de muitas pessoas.

Entretanto, isso não significa que as grandes empresas de supermercado ficaram para trás. Passar mais tempo em casa fez com que as pessoas passassem a consumir uma maior quantidade de alimentos.

Houve um grande investimento por parte das empresas do ramo alimentício para não chegarem à falência. Um deles foi aumentar o número de pedidos junto aos fornecedores.

Dessa forma, a demanda para caminhoneiros que trabalham no transporte de alimentos teve uma queda no início da pandemia, mas que foi se reerguendo com o passar das semanas.

Até a normalização de todos os setores, quem sofrerá mais com as consequências geradas pelo vírus são as empresas que não investem nas vendas online.

Dificuldades enfrentadas pelas transportadoras de cargas

Além de alguns setores terem sido mais afetados que outros durante a pandemia, existem diversos fatores que possibilitam que a sua companhia ganhe mais destaque no mercado.

Ao contratar as agências de caminhões, as grandes empresas buscam pela modernidade e comprometimento de prazo.

Uma vez que, se o produto comprado pelo cliente chegar danificado ou em atraso, a reputação negativa ficará, em uma grande parcela, para a empresa onde foi efetuada a compra.

Por isso, as dicas abaixo irão ajudar a se reerguer no seu trabalho, após o final da pandemia, confira:

Invista nas tecnologias

O avanço tecnológico vem avançando cada dia mais. Assim, é essencial que o profissional busque sempre se adequar ao mercado no qual trabalha.

No caso dos caminhoneiros que transportam produtos do extremo sul para o extremo norte do Brasil, ele precisa de um guia durante esse processo.

A aquisição de um GPS ou até mesmo um celular conectado ao 4G facilitaria muito a sua rota.

Com um desses aparelhos, ao invés de ficar olhando e tentando interpretar os mapas físicos, o profissional somente ouviria para qual lado deve seguir.

Estabelecendo uma conexão com a internet, o motorista conseguiria fazer atualizações diárias sobre a localização, e o comprador teria uma maior noção de onde está o seu produto.

Seguro de cargas e de caminhão

Se antes as estradas eram tidas como ruins, a situação só piorou com a chegada do Coronavírus.

Isto é, o fluxo de veículos diminuiu, instalando um perigo maior para quem está viajando sozinho.

Dessa forma, para evitar que prejuízos maiores aconteçam, o ideal seria a contratação de um seguro para o seu caminhão. Sabe-se que, olhando a tabela de preço do seguro de caminhão, os valores podem ser um pouco pesados, mas levando em consideração quanto custa cada conserto, ou até mesmo um roubo, vale a pena fazer uma boa pesquisa.

Além disso, é sempre noticiado nos jornais a quantidade de roubos de cargas que acontece no Brasil.

Por isso, para que os danos não sejam tão negativos, com a proteção de um seguro de cargas também, seu veículo estará protegido em caso de roubo, colisão ou até mesmo, em pequenos incidentes.

Assim, para que o motorista não sofra um impacto negativo no mercado de transporte de cargas, ele deve se adaptar às novas tecnologias, ao mesmo tempo que investe na proteção de um seguro.

Por Jeniffer Elaina, da Smartia.com.br

COMENTAR

QUER ENTRAR EM CONTATO COM O BLOG DO CAMINHONEIRO? ENVIE UMA MENSAGEM CLICANDO NO NÚMERO ABAIXO

042-3532-4235

Artigos relacionados

Escreva um comentário