Mercedes-Benz reestrutura operação e irá demitir 3.600 trabalhadores

A Mercedes-Benz vai realizar uma ampla reestruturação em sua operação no Brasil, na fábrica de São Bernardo do Campo, em São Paulo. Com isso, cerca de 3.600 trabalhadores serão demitidos, e a operação passará a ser terceirizada.

De acordo com nota enviada pela montadora ao Blog do Caminhoneiro, a reestruturação vai acontecer por uma aumento de pressão dos custos na produção de veículos.

“O mercado tem se tornado mais dinâmico do que nunca e a competitividade em nossa indústria vai continuar a se intensificar, especialmente considerando a transformação das tecnologias tradicionais para novas formas de propulsão”, destaca a nota.

A empresa destaca que irá concentrar esforços na fabricação de caminhões e chassis de ônibus e no desenvolvimento de tecnologias e serviços do futuro, e outros serviços, como produção interna de componentes, além de terceirizar serviços como logística, manutenção, fabricação e montagem de eixos dianteiro e transmissão média, ferramentaria e laboratórios.

A montadora irá terceirizar essas operações, e planeja contratar empresas da região de São Bernardo do Campo para assumir o trabalho.

Diretamente, 2.200 trabalhadores da fábrica serão demitidos, por estarem dentro do Plano de Transformação da empresa.

Outros 1.400 que trabalham como temporários não terão seus contratos renovados a partir de dezembro de 2022. Apesar disso, se a produção subir, esses contratos poderão ser estendidos.

“Com todas essas medidas imprescindíveis, vamos nos tornar mais ágeis, eficientes e competitivos para as entregas aos nossos clientes e, sobretudo, estamos garantindo a sustentabilidade dos negócios da Mercedes-Benz Caminhões e Ônibus a longo prazo no Brasil”, completou a nota.

A empresa também ressaltou que irá iniciar uma negociação com o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, mantendo os esforços em encontrar uma solução adequada para todos os lados, com transparência e respeito com todos os envolvidos.

“Mais uma vez asseguramos a nossa prioridade em atender nossos clientes e seguir com a nossa missão de entregar os melhores caminhões, chassis de ônibus, serviços e tecnologias ao mercado”, finaliza a nota.

3 comentários

Leonardo Carneiro 13/09/2022 - 09:37

A Mercedes-Benz , é a única real fabricante de caminhões no país , as demais são montadoras , VOLVO ,VW , ETC ,,,,, por Exemplo eixo :Dana ou Meritor , Motores : MWM , cummmins, FPT , Cambio : Eaton, ZF , enquanto a MBB fabricam Seus Próprios Motores, Cambios , eixos ,,,, isso acaba encarecendo o produto de certa forma , já que , a carga tributária Trabalhista no país é muito Alta .

Reply
Zé Cueca 08/09/2022 - 15:28

Noticia triste, pois todos sabem que a terceirização leva a redução drástica dos salários e o empregado terceirizado não tem o mesmo compromisso que o empregado próprio dessas empresas!
E creio, acontecerá uma queda na qualidade dos caminhões e ônibus MBB

Reply
Vinícius 08/09/2022 - 13:57

Os caminhões já estão saindo da linha de montagem uns cacos, cheios de defeitos de fabricação (site Reclame Aqui expõe isso), agora terceirizando a produção é que a qualidade e robustez da marca vão acabar de vez.
No fim das contas a culpa das empresas começarem a demitir e saírem daqui é desses políticos que cobram impostos altíssimos e não retornam a arrecadação na forma de subsídios ao setor industrial, setor este que entre 2002 e 2012 chegou a representar 30% do PIB, hoje chega nos 11%, e encolhendo.
Se a corrupção não arrefecer e diminuir, coisa difícil de acontecer, a Mercedes-Benz vai ser a próxima montadora a sair daqui de vez, e está no caminho pra isso, começou a terceirizar tudo, igual a Ford fazia. Pobres trabalhadores, pais e mães de família que vão perder seus empregos para a corrupção que assola o país. Tensa a situação.

Reply

Deixe um comentário!

Caterpillar apresenta caminhão gigante totalmente elétrico Caminhoneiros estão cada vez mais procurados pelas transportadoras Caminhoneiro recém contratado depena caminhão nos EUA Eficiência dos motores diesel chega a um novo patamar Projeto quer acabar com valores de fretes muito baixos