Empresa da Austrália cria caminhão elétrico que pode ser abastecido em 2 minutos

por Blog do Caminhoneiro

Um dos maiores problemas para os veículos elétricos é o tempo em que eles precisam ficar na tomada, carregando. Apesar de zerarem as emissões de carbono de forma imediata, esses veículos precisam de até 10 horas conectados a um carregador para obterem 100% de carga nas baterias, permitindo o início de uma nova jornada de trabalho.

Uma empresa da Austrália resolveu esse problema. Diferente das baterias fixas na estrutura do chassi do veículo, a empresa colocou baterias na dianteira de um caminhão Kenworth T403 convertido para elétrico, que podem ser removidas e substituídas por baterias 100% carregadas, em apenas dois minutos.

A operação é tão rápida, que chega a ser mais eficiente que a de um abastecimento tradicional com diesel.

De acordo com a empresa Janus Electric, criadora do sistema, que já foi patenteado, a conversão de veículos tradicionais para elétricos, como realizado no modelo Kenworth, leva somente 7 dias, e praticamente todo tipo de caminhão poderá passar a operar com eletricidade. Isso reduz significativamente o custo para compra de veículos completamente novos.

O caminhão desenvolvido pela empresa teve a grade dianteira removida e o capô ficou mais alto e mais quadradão. No lugar da grade, duas portas, que permitem o acesso às baterias. A autonomia fica entre 500 a 600 km, e as baterias duram até 8 anos, com uso ininterrupto.

O caminhão ficou pronto em 2020, e já passou por diversos testes nas paisagens da Austrália. Com isso, o sistema é maduro o suficiente para vendas comerciais.

Rafael Brusque – Blog do Caminhoneiro

2 comentários

Vinícius 12/05/2021 - 09:30

Correção: cada pit stop vai consumir muita energia e a logística vai ser uma bagunça por que cada motorista vai pegar e deixar baterias sem ninguém saber se estão funcionando ou não.

Reply
Vinícius 11/05/2021 - 13:54

Se desse pra colocar o meme do Jacquin aqui dizendo: “é pegadinha isso, né?”, eu deixaria aqui no tamanho da tela do PC, 1080×1080 pixels!

Essa empresa não resolveu o problema do tempo de recarga de uma bateria, apenas improvisou um Pit stop de bateria mas o problema são os gastos em logística que esse sistema terá, afinal, os pontos de recarga terão que ficar o tempo todo com essas baterias carregando, já que cada caminhão chega lá, deixa as baterias e pega as “novas” já carregadas depois de 10 horas lá!

E a procedência das baterias? Vai ter tudo que é tipo de bateria nos Pit stops e se o motorista colocar uma bateria avariada que algum espertinho deixar ali, vai sofrer pane, parar no meio da estrada e onde/como vai sair de lá?

E como esse sistema será financiado? Seria uma espécie de leasing de baterias? Pois vai ser um leasing meio $algado pois cada Pit stop seria também uma estação de recarga para milhares de baterias funcionando 24 horas por dia! Haja eletricidade pra tudo isso e o custo adivinha quem vai ter que bancar? O transportador!

Tinha que ser gambiarra de australiano, e ainda falam mal de nós brasileiros. Nada como os E-fuels (combustíveis sintéticos feitos de captura de carbono), biocombustíveis avançados ou mesmo as startups de captura de carbono direto nos veículos, sistemas que eliminam a emissão de todos os gases poluentes dos motores a combustão. Startups como a norte americana Remora já tem essa tecnologia pronta pra uso mas nessa ideia burrinha dessa empresa australiana eu não aposto um tostão.

Reply

Deixe um comentário!