Empresa canadense investe em caminhões quadradões para não perder motoristas

As empresas de transporte da América do Norte enfrentam uma grande falta de motoristas profissionais, que é potencializada por um outro problema, a rotatividade dos caminhoneiros. Geralmente, novos motoristas contratados tem ficado entre seis meses e um ano em cada empresa, e depois mudam de transportadora, em busca de melhores ofertas de emprego.

Para solucionar o problema e ter os caminhoneiros para si por mais tempo, a empresa canadense DBR Transport tem seguido por um caminho diferente de outras empresas, e adquirido caminhões com estilo mais tradicional, quadradões, para agradar os motoristas.

A frota da empresa conta com modelos Freightliner, Western Star, e Mack mais antigos, além de caminhões Peterbilt 589 mais novos e as estrelas da frota, modelos Kenworth W990. Como resultado desse investimento, a média de permanência dos motoristas na empresa é de oito anos, muito acima de outras transportadoras.

“A falta de motoristas não é um segredo e com o aumento da demanda de frete – além de uma geração mais jovem priorizando mais o equilíbrio entre vida pessoal e profissional – a necessidade de motoristas só está crescendo. Na DBR, nos concentramos em construir uma empresa amiga dos motoristas que, não apenas nos ajuda a manter nossos motoristas, mas também promova nossa indústria como uma opção de carreira atraente e que corresponda melhor aos valores que a nova geração de motoristas tende a ter”, disse Dave Rothwell, fundador e presidente da DBR Transporte.

As últimas aquisições da empresa são de modelos Kenworth W990, sucessor dos lendários W900L, com cabines de grande tamanho, motores de 500 cavalos de potência e transmissão de 13 velocidades. A frota da empresa tem 25 caminhões, sendo a maioria de modelo de capô longo e estilo tradicional.

A DBR Transport é especializada no transporte de aço e outros produtos em reboques tipo Conestoga, que são pranchas com cobertura de lona deslizante, em todo o território continental dos Estados Unidos e leste do Canadá.

Atualmente, a frota conta com cinco unidades do W990, que são atribuídos a motoristas com histórico de direção segura e mais tempo de permanencia na empresa.

Um desses motoristas, Mike Veldhoen, está em seu 13º ano dirigindo pela DBR Transport e já acumula mais de 5,6 milhões de quilômetros rodados ao longo de sua carreira de 34 anos como motorista profissional.

“Nesse setor, os motoristas tendem a pular de empresa para empresa em busca de melhores oportunidades. Sou recrutado quase diariamente por concorrentes, mas no meu tempo trabalhando para o Dave, aprendi que a grama nem sempre é mais verde do outro lado. O Dave trata bem os motoristas e nos oferece novos caminhões, do jeito que queremos dirigir”, disse Veldhoen.

O caminhoneiro já operou diversos modelos Kenworth em sua carreira, como o W900, e acha que os novos W990 são mais confortáveis e fáceis de dirigir que o modelo antigo.

“É uma diferença da noite para o dia, tudo é diferente. O W990 é muito mais fácil de dirigir e dar ré não é tão complicado. Ele também roda na estrada de maneira muito mais suave e tende a se manter melhor em sua faixa de rodagem, o que proporciona uma experiência de direção mais confortável. A cabine mais larga também é mais confortável, especialmente ao viajar com um passageiro”, completou o caminhoneiro.

Para o presidente da empresa, comprar os modelos W990 foi uma decisão natural, depois da empresa ter os modelos W900 por muitos anos.

“Muitos de nossos motoristas, e eu inclusive, vemos os caminhões fabricados pela Kenworth como a primeira escolha do que a indústria tem a oferecer. A contribuição do motorista desempenha um papel significativo nos caminhões que compramos, e é por isso que continuamos a adicionar modelos Kenworth à frota. Nossos motoristas adoram a aparência clássica de um capô longo”, disse Rothwell.

A escolha dos caminhões premium também garante à empresa que o motorista irá passar alguns dias longe de casa com maior conforto. Em alguns casos, os motoristas recusam-se a trabalhar em longas distâncias se a empresa não oferece caminhões confortáveis.

“Pedir aos motoristas que fiquem na estrada de 4 a 5 dias por vez está se tornando mais difícil, uma vez que as oportunidades de emprego em outros setores pagam salários semelhantes com mais tempo em casa. Nós entendemos isso. É por isso que operamos caminhões premium. Nós os especificamos com os melhores pacotes de conforto no interior, tecnologia de ponta e outros recursos para deixar os motoristas o mais confortáveis ​​possível na estrada. Faz toda a diferença e ajuda os motoristas a se sentirem cuidados”, disse o proprietário da transportadora.

Os caminhões da transportadora rodam cerca de 240 mil quilômetros por ano cada um, e são revendidos em cerca de 4 a 5 anos, mantendo um bom valor de revenda e uma frota sempre pronta para atender os motoristas com o melhor conforto. Além dos modelos que já opera, a DBR já realizou a encomenda de mais dois W990, que serão entregues nos próximos meses.

“Ao manter nossos caminhões em operação relativamente mais novos, experimentamos pouco tempo de paradas não programadas. Isso nos permite fornecer consistentemente serviços confiáveis ​​aos nossos clientes. Embora existam muitas outras empresas de transporte rodoviário com serviços semelhantes, temos trabalhado muito para construir relacionamentos com nossos clientes ao longo dos anos. No back-end, os motoristas gostam de ser colocados em novos caminhões a cada poucos anos e os Kenworths tendem a manter seu valor mais do que outras marcas”, finalizou o empresário.

A empresa também destaca seus caminhões com a cor preta e laranja padronizada em todos os veículos, o que também valoriza a imagem da empresa com os clientes.

Rafael Brusque – Blog do Caminhoneiro

Rafael Brusque - Blog do Caminhoneiro

Nascido e criado na margem de uma importante rodovia paranaense, apaixonado por caminhões e por tudo movido a diesel.

11 thoughts on “Empresa canadense investe em caminhões quadradões para não perder motoristas

  • 01/04/2022 em 23:45
    Permalink

    Sou brasileiro tenho vontade de mora no Canadá sou carreteiro aquir mais não samos valorizado tenho fé em Deus se um dia tive a oportunidade vou embora do brasil

    Resposta
  • 03/09/2021 em 06:32
    Permalink

    Legal! Manter a tradiçâo conservando modelos classicos , confortáveis…e q atendem às exigencias do transporte atual é modernizaçâo também .

    Resposta
  • 03/09/2021 em 02:21
    Permalink

    Kkkkk Brasil carroças velhos sem conforto algum e ainda ficamos 15 ,20 dias fora de casa sem poder reclamar

    Resposta
  • 02/09/2021 em 23:58
    Permalink

    Eles não tá contratando não moro no Brasil e se precisar fico 8 dias fora de CS aí eles dão valor no motorista, pq no Brasil somos maltratados

    Resposta
  • 02/09/2021 em 21:37
    Permalink

    Me leva pro Canadá,,, sou profissional a 12 anos com carga indivisível, sou doido pra ir embora do Brasil e trabalhar de motorista em outros países

    Resposta
  • 02/09/2021 em 20:39
    Permalink

    Sou motorista de carreta a 31 anos e estou em busca de uma oportunidade de trabalho em outro país.

    Resposta
  • 02/09/2021 em 17:43
    Permalink

    Leva eu pra la pra trabalhar com o mais velhinho da empresa para ganhar o que eles ganham…

    Resposta
  • 02/09/2021 em 16:30
    Permalink

    É um sonho meu trabalhar como motorista no Canadá. E ainda trabalhando numa máquina dessas.. estou a disposição. Meu nome é Gelson Barbosa motorista carreteiro
    (27)997579270

    Resposta
  • 02/09/2021 em 13:53
    Permalink

    Outro nível de mundo este Canadá, aqui motorista fica e 2 meses sem ir em casa se quiser ganhar um pouco mais, e olha que este pouco não é lá grande coisa. Parabéns a esta empresa

    Resposta
  • 02/09/2021 em 04:51
    Permalink

    Tenho CNH (E) estou desempregado, moro no Rio de Janeiro, tel 2198903-9879

    Resposta

Deixe um comentário!

Caminhões comemorativos viram febre entre transportadoras Centenas de vagas de emprego para caminhoneiros Conheça o super caminhão futurista da Peterbilt 300 vagas para caminhoneiros brasileiros em Portugal CAMINHONEIRO SEGUE TRABALHANDO AOS 90 ANOS DE IDADE