Caminhões Freighliner elétricos chegam a marca de 1 milhão de milhas rodadas nos Estados Unidos

por Blog do Caminhoneiro

A frota de caminhões elétricos em teste da Freightliner conta com 40 veículos, que variam entre os eCascadias e eM2s, e está rodando em operações reais de cerca de 50 clientes da montadora. Nesta semana, a Freightliner comemorou a marca de 1 milhão de milhas rodadas (1,6 milhão de quilômetros) por esses caminhões.

“Alcançamos um ponto crítico em nossa jornada de eletrificação. Depois de um milhão de milhas de aprendizado em estreita colaboração com nossos valiosos clientes, estamos prontos para passar do protótipo à produção em escala – de dezenas de caminhões de teste com clientes a centenas de unidades de produção. Continuamos comprometidos em melhorar continuamente a tecnologia de nossos veículos, reduzir o custo total de propriedade e apoiar o desenvolvimento da infraestrutura – o trio necessário para uma transformação de eletrificação bem-sucedida”, disse Rakesh Aneja, vice-presidente e chefe de eMobility da Daimler Trucks North America.

A participação ativa dos clientes, usando os caminhões em operações reais, é crucial para o desenvolvimento dos veículos elétricos, para que a montadora consiga obter a maior quantidade de dados possíveis e fazer com que os caminhões estejam realmente prontos para se tornarem um produto comercial.

Além de dados obtidos por meio de telemetria, com dezenas de sensores instalados em cada veículo, a montadora também coleta todas as informações possíveis dos motoristas, a fim de poder oferecer o melhor caminhão para todos os cenários.

Os testes também são importantes para avaliar a durabilidade de peças e sistemas dos veículos elétricos, muito mais complexos do que o de caminhões convencionais a diesel.

“Nossos testes rigorosos revelaram que o trem de força e os componentes auxiliares, incluindo gerenciamento térmico e eletricidade de baixa tensão, têm alto desempenho e estão à altura das nossas expectativas. Uma lição se destaca em particular: a importância da frenagem regenerativa para maximizar o alcance. Entre os pilotos, a taxa de recuperação média foi de 20% a 25%, com alguns motoristas alcançando até 30%”, disse Andreas Juretzka, Chefe de Desenvolvimento de Produto de Mobilidade Elétrica da DTNA.

Os testes também validaram os benefícios esperados do caminhão elétrico, como menor desgaste do motorista no final da jornada e menores ruídos e vibrações, já que o caminhão tem menos peças móveis no motor do que um modelo diesel.

Rafael Brusque – Blog do Caminhoneiro

Deixe um comentário!