Retrovisores tradicionais estão com os dias contados

por Blog do Caminhoneiro

Ninguém sabe ao certo quando o espelho retrovisor foi instalado pela primeira vez em um veículo. A primeira patente do dispositivo, que foi imprescindível para a segurança ao dirigir, foi registrada há 100 atrás, por Elmer Berger. Porém, em 1909, Dorothy Levitt escreveu um livro, chamado de “A Mulher e o Carro”, que menciona o espelho.

Agora, com mais de cem anos de história, o retrovisor tradicional, com um espelho de vidro montado em uma estrutura na lateral do veículo, vai aos poucos desaparecendo.

É que o tradicional equipamento é grande, e produz muito arrasto aerodinâmico. Por isso, tem sido substituído por hastes equipadas com câmeras de alta definição, com telas montadas dentro da cabine.

Comercialmente, o primeiro caminhão a ser produzido com essa tecnologia foi o novo Actros, apresentado em Hannover, no ano de 2018. Em 2019, o modelo passou a ser comercializado no Brasil, com a tecnologia batizada de MirrorCam, mostra as imagens captadas pelas câmeras instaladas sobre as portas em telas montadas nas colunas A da cabine. Apesar dos retrovisores laterais terem sido substituídos, o retrovisor sobre o para-brisa e sobre a porta do motorista foram mantidos.

Antes do Actros, em 2016, a Volvo apresentou essa tecnologia para dois caminhões conceito, o SuperTruck nos Estados Unidos, baseado no VNL, e o Volvo Concept Truck, construído sobre a plataforma do FH. Apesar do pioneirismo no conceito, a marca ainda não comercializa a tecnologia.

MAN, Scania, DAF, e Kenworth são outras montadoras de caminhões que já apostam na tecnologia. O último modelo apresentado com essa tecnologia foi a nova geração de caminhões Scania, com o Scania Mirror View Camera. Porém, diferente da maioria das outras marcas, as hastes das câmeras são instaladas nas portas, logo abaixo do vidro, onde normalmente fica conectada a fixação do retrovisor tradicional.

Nos ônibus, a Marcopolo já oferece a tecnologia para os modelos Paradiso New G7 desde o ano passado, que também é ofertada para a nova geração, G8, apresentada neste ano.

Além do ganho em aerodinâmica, que pode ajudar a reduzir o consumo de combustível em até 2%, o espelho tecnológico aumenta o ângulo de visão, pode ser configurado para acompanhar manobras da carreta, por exemplo, como acontece nos modelos MAN, e são especialmente úteis com neblina, chuva e outras condições climáticas adversas, além de possuírem visão noturna, garantindo que o motorista possa realmente ver o que acontece ao redor do veículo em qualquer condição.

As telas dentro da cabine também podem ser usadas para segurança, para o motorista ver o que está acontecendo mesmo com as cortinas da cabine fechadas.

Ou seja, com todas as vantagens, as câmeras vão substituir os retrovisores tradicionais em cada vez mais modelos de caminhões, e, em breve, se tornarão história.

Rafael Brusque – Blog do Caminhoneiro

Deixe um comentário!