Redução do diesel nas refinarias baixa valor do combustível nas bombas

O valor médio do diesel nas bombas segue em queda, após o anúncio da última redução realizada pela Petrobras, no dia 19 de setembro, de 5,8%. De acordo com um levantamento realizado pelo Índice de Preços Ticket Log (IPTL), o preço médio do litro do tipo comum recuou 1,56% nas bombas de abastecimento do País e foi comercializado a média de R$ 6,90 nos primeiros quatro dias após o reajuste. Já o preço do diesel S-10 recuou 1,21% e fechou o período a R$ 7,10.

No acumulado desde as últimas duas reduções anunciadas nos dias 4 e 11 de agosto, o recuo médio no preço do litro chega a 9,68% para o tipo comum e de 8,18% para o S-10, cerca de R$ 0,74 e R$ 0,63, respectivamente, a menos no valor repassado ao consumidor.

“Quando analisamos o impacto na queda do preço médio do combustível nos primeiros dias após a redução e comparamos essa última com a do dia 4 de agosto, que foi de 3,57%; e com a de 11 de agosto, que foi de 4,07%; percebemos que o reajuste de setembro foi superior, mas o que apresentou o reflexo mais positivo para o bolso dos motoristas continua sendo o do dia 11, que chegou a 3,53% de recuo para o tipo comum e 3,27% para o S-10, reflexo também da redução anterior, do dia 4, que ainda estava sendo replicada nas bombas. De acordo com o IPTL, a projeção é de que o preço do combustível continue em queda nos próximos dias”, destaca Douglas Pina, Diretor-Geral de Mainstream da Divisão de Frota e Mobilidade da Edenred Brasil.

O IPTL é um índice de preços de combustíveis levantado com base nos abastecimentos realizados nos 21 mil postos credenciados da Ticket Log, que tem grande confiabilidade, por causa da quantidade de veículos administrados pela marca: 1 milhão ao todo, com uma média de oito transações por segundo.

Deixe um comentário!

Caminhoneiros estão cada vez mais procurados pelas transportadoras Caminhoneiro recém contratado depena caminhão nos EUA Eficiência dos motores diesel chega a um novo patamar Projeto quer acabar com valores de fretes muito baixos Montagem de caminhões no Brasil segue em alta